Arquivo de etiquetas: Cultura

CDU também acusa a Presidente da Câmara

DECLARAÇÃO POLÍTICA – CONTRA A PREPOTÊNCIA E O DESPOTISMO!

A reunião da Câmara Municipal de Nisa decorrida hoje, dia 3 de dezembro, constitui o exemplo mais claro do despotismo e prepotência da Presidente da Câmara, Idalina Trindade, para com os funcionários municipais e Vereadores. A Presidente Idalina Trindade chegou ao cúmulo de impedir que a CDU concluísse a sua intervenção, desligando-lhe o microfone e saindo da sala, entrando pouco depois para dar a reunião por concluída.
Esqueceu-se a presidente da Câmara que não tinha ainda havido deliberação sobre o Ponto 3 RESUMO DIÁRIO DE TESOURARIA, nem sobre o último Ponto APROVAÇÃO DAS DELIBERAÇÕES EM MINUTA.
Sublinhemos que a Aprovação das Deliberações em Minuta é enquadrada pelo disposto no nº3 do Artº 57º da Lei nº 75/2013, de 12 de setembro, alterada pela Lei nº 50/2018 de 16 de agosto: “As deliberações dos órgãos só adquirem eficácia depois de aprovadas e assinadas as respetivas atas ou depois de assinadas as minutas, nos termos dos números anteriores”.
Perante a linguagem, procedimentos e atitudes provocadoras e desprovidas de ética, a CDU entregará ainda hoje, na Câmara Municipal de Nisa, um pedido da gravação áudio da reunião de hoje, dia 3 de dezembro de 2019 para, a partir daqui, tomar as diligências necessárias.
Segue-se uma DECLARAÇÃO POLÍTICA da CDU de denúncia dos atos da Presidente da Câmara, Idalina Trindade, que em nada dignificam o Poder Local neste Estado de Direito Democrático, e que a CDU foi impedida de apresentar da reunião do órgão executivo.

FB_IMG_1575542281294

Conselhos Raianos em Bragança

Cartaz Cons Bragança 2019-11-23 ctESEv3-01

cba89c6c7c19c701ecb362fa21867ffe-0

cba89c6c7c19c701ecb362fa21867ffe-1

No próximo dia 23 de novembro, a partir das 15h00 no Auditório da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Bragança, vamos realizar mais um Conselho Raiano, desta feita subordinado ao tema: “Comunicação Social, Desenvolvimento e Cooperação Transfronteiriça” que vai contar com as presenças de jornalistas de um e do outro lado da fronteira, com o Provedor do Telespetador da RTP, Jorge Wemans, com o Director General de Acción Exterior, Carlos Aguilar Vázquez, do Governo de Castela e Leão e com a Secretária de Estado da Valorização do Interior, Isabel Cristina Ferreira, do Governo de Portugal. Com o intuito de lançar um debate ibérico sobre o novo paradigma de conservação ambiental, o Conselho contará ainda com o Consejero de Medio Rural do Governo de Astúrias, Alejandro Jesús Calvo, que fará a apresentação do livro de Jaime Izquierdo “La Conservación Cultural de la Naturaleza”, traduzido para português numa edição da RIONOR e da Editora Lema d’Origem.

            O direito a habitar os territórios raianos com dignidade, a luta contra o despovoamento, a coesão territorial e o equilíbrio e respeito entre campo e cidade, entre litoral e fronteira, são reptos que dizem respeito a todos quantos habitam os países ibéricos e somente serão concretizados com a congregação de esforços das diferentes forças vivas, onde se incluem, como é óbvio,  os media. Assim, com os saberes dos profissionais que trabalham no terreno e com a discussão aprofundada destas problemáticas cremos ser possível elencar os problemas e apontar as soluções. Estamos conscientes que sem um novo olhar dos media para estas questões, os territórios de fronteira prosseguirão com um despovoamento cada vez maior e com a destruição de todo o seu património cultural e ambiental.

            A RIONOR, como tem sucedido desde 2017, organizou mais estas jornadas em colaboração com o Instituto Politécnico de Bragança e o Centro Ciência Viva, tendo ainda o apoio da Junta de Castela e Leão, da União Europeia, da Câmara Municipal de Bragança e dos Ayuntamientos de Alcañices e de Trabazos.

Associação Rionor

Instituto Politécnico de Bragança, IPB

CCV de Bragança

Artigo de opinião: “A sigla PSD deixou de ter razões para existir”

Marco AntónioAté porque esta ideia não é nada difícil de ser justificada. Aliás, há também siglas de outros partidos que são puramente enganadoras relativamente aos seus conteúdos, veja-se os casos do Bloco de Esquerda ou do PPM (relembre-se o Partido Socialista Revolucionário da “ovelha negra” da Rua Augusta, por isso nada moderado, inserido no primeiro, e o facto de não ser um partido monárquico que traz o regime de novo).

Diz o Professor Catedrático Jorge de Miranda, que a social-democracia pretende-se democrática, mas também social, “porque afirma os valores da solidariedade e da igualdade social e propugna uma vida colectiva donde desapareçam os privilégios, as distorções e as formas de opressão e de exploração geradas ou agravadas pelo capitalismo”. E então o que temos a dizer sobre esta definição? Por acaso, o partido, em Portugal, que usa o termo social-democracia na sua sigla, pugna por alguns destes valores? Claro que não, e por esse motivo deveria imediatamente alterar o termo político que transporta e deixar de enganar o cidadão comum e eleitor.

O que é ainda mais de salientar, é que esta mesma visão é corroborada por elementos nacionais do próprio partido. Em Janeiro deste ano, quando a possível ligação do PSD à Maçonaria foi capa do Jornal Público, o nome Nuno Manalvo, que tentou organizar um jantar entre ambas as partes, despertou-me de imediato a atenção. Pouco tempo depois, e após pesquisa, percebi que se tratava do irmão do Tiago, um belo rapaz de direita (entre outros) que estava na mesma turma que eu na universidade. Mas relembrei também que o Nuno escreveu em tempos um livro sobre o próprio PSD e que me despertou a atenção na biblioteca da universidade, precisamente pelas cores da capa do livro, em laranja … e preto. E escrevia então o Nuno Manalvo na sinopse do respectivo livro: “No quadro dos maiores partidos políticos portugueses actuais, o PPD/PSD é o único que não se enquadra linearmente em nenhuma das ideologias conhecidas. O seu conteúdo programático, mais do que preenchido pelo somatório de diferentes correntes, resulta do pensamento político que os seus principais líderes emprestaram à doutrina do Partido. O PPD/PSD foi e continua a ser um barro moldável às suas lideranças.”

O ser “franco” aqui, não significa prosseguir qualquer doutrina fascista do país vizinho, ou ser discípulo do Embaixador Franco Nogueira, que por acaso até tem um auditório com o seu nome na mesma universidade. Este sim é dos que não anda cá a enganar ninguém. E é precisamente por esse motivo que adianta ainda o Professor Jorge de Miranda que “os adversários ‘desta’ social-democracia, à esquerda, acusam-na de ter traído os ideais socialistas (‘a sua origem’), perdendo-se na gestão de um aparelho de Estado que nada tem a ver com os reais interesses dos trabalhadores e num rumo anestesiante de colaboração de classes, através da atenuação dos malefícios da exploração do homem pelo homem inerentes ao modo de produção capitalista”.

São necessários estes livros e textos de clarificação, até porque os próprios estudantes de ciência política ou de relações internacionais poderão mesmo vir a ficar baralhados com o que realmente representa este PSD (definitiva e totalmente diferente das “sociais-democracias” de centro e norte da Europa), actualmente em situação definida de ataque a todos os que não estejam protegidos pelo “seu” aparelho. E são a quase totalidade dos portugueses. Mas como os sapos atravessados não resolvem problemas nacionais …

Marco Oliveira

Publicado a 04/07/2012

At https://www.jornalaltoalentejo.com/

Artigo de opinião: “O Chega quer proibir o sindicalismo”

Raquel Varela 36397388_10212151214190668_1506337673151774720_nFui ler o Programa do Chega – propõe a generalização dos despedimentos sem justa causa, e a proibição do sindicalismo, o fim do SNS e da escola pública, está tudo em baixo em link. Depois de enganados pelo PS e pelo PSD, desiludidos pelo PCP e o BE, ou adormecidos pelo PAN, desistindo da humanidade, os portugueses têm este Ventura como um “tipo que diz umas verdades”. Tive a paciência de ler tudo – agradeço a parte cómica em que Ventura defende vender as escolas aos professores…ou dar – caso não possuam poupança para as comprarem…

Salazar era o braço direito do grupo CUF, Mello etc, gente que toda a vida falou de empreendedorismo e viveu na sombra do Estado, enriqueceram única e exclusivamente à custa de baixos salários em Portugal, e trabalho compulsivo nas colónias. Esse tipo de trabalho era garantido com a proibição de sindicatos decretada por Salazar. Salazar estava ameaçado de uma revolução social – a partir da Espanha revolucionária – quando apoiou o líder fascista Rolão Preto, um cão de guarda que ficava com a tarefa de chefiar uma milícia, os camisas azuis, cuja função era – oficial e oficiosamente – perseguir revolucionários ou gente que defendia os direitos do trabalho. Quando Rolão Preto fez o serviço Salazar mandou prendê-lo. Hitler fez o mesmo com as SA, a milícia de homens musculados. Primeiro usou-os para matar dirigentes políticos de esquerda, a seguir mandou matar e prender os membros das SA. Para que pudesse pôr o Estado ao serviço das empresas privadas como a Bayer, Thyssen etc, agora usando o trabalho escravo (campos de concentração) sem a oposição dos lideres revolucionários. Cumprido o serviço sujo pelas SA cadeia com eles, que as empresas têm mais que fazer, é o lucro pá e a culpa era dos comunistas – mata-se e tudo fica impecável, um país sério. Milhares de desempregados, trabalhadores puseram-se, desesperados, ao serviço dos Rolão Preto e das SA, para depois acabarem dizimados, presos, torturados pelos amos que serviram, os seus donos, que os manipularam com a suposta sinceridade da violência e de dizer “umas verdades”.

O programa do Chega tem 16 linhas sobre saúde – prevê a total privatização da saúde e da educação -, e 1 linha – não estou a brincar – é 1 linha, não é 1 página, sobre trabalho. O que diz lá? Proibir o tempo de dedicação dos dirigentes sindicais, mesmo que 1 hora por mês. Todo o tempo, ou seja, trata-se de proibir o sindicalismo em Portugal de facto. Sobre salários miseráveis, condições de trabalho miseráveis, burnout, assédio moral, má alimentação, habitação, tudo relacionado com os baixos salários, zero, está lá escrito zero. Mais à frente noutra secção pode ler-se a defesa dos despedimentos por qualquer razão, sem justa causa. Sobre trabalho há uma linha – proibir os trabalhares de se organizarem. Quem vai ser o Rolão Preto deste Ventura, que enriquecerá á conta do Estado onde, agora na Assembleia, já se instalou?

Aqui vos deixo o link, página 51 – é preciso sublinhar que os media entrevistam este Senhor como se de um político democrata se tratasse.

PS escusam de me vir com a conversa da esquerda que não actua – é verdade, a nossa esquerda é deprimente, e o que dizer de um Partido dos animais, numa altura em que as pessoas sofrem mais do que muitos animais, e o que dizer do mais importante, do PS e do PSD que, no poder, deixaram este Estado de coisas – quem isso não admite não poderá encontrar soluções. Mas mais deprimente é vir um Partido como o Chega defender a flexibilização total dos despedimentos – e em cima disso defender a proibição de os contestar. Isto é capitalismo selvagem mais ditadura, é o come e cala, numa palavra é isso o Chega. Se com os partidos actuais tantos portugueses – justamente- se sentem enganados, que dizer deste advogado bem falante Ventura que os manipula como se fosse um senhor honesto a defender a pátria, e nada mais propõe a não ser a legalização da semi-escravatura que já grassa em tantos locais de trabalho onde de facto os trabalhadores já têm medo de se organizar?

Página 51
https://partidochega.pt/wp-content/uploads/2019/09/PROGRAMA_POLÍTICO_2019_CHEGA-2.pdf

Raquel Varela

At https://raquelcardeiravarela.wordpress.com/