Sobre o afastamento de Portalegre do debate sobre o Alentejo na RTP

Ceia da SilvaAssisti aos “Prós e Contras”.

Faço já uma declaração de interesses, tenho muito orgulho em ser alentejano.
Num mundo cada vez mais global as regiões vivem em concorrência permanente.
O que temos que demonstrar é que somos diferentes, distintivos e melhores do que os outros.
E nunca mostrar as nossas fragilidades.
Elas existem é óbvio, mas temos que lutar em conjunto e remando todos, mas todos para o mesmo lado para as ultrapassar e essa é a questão que faz a diferença.
Não consigo entender como a RTP e uma grande Senhora do jornalismo, Fátima Campos Ferreira, puderam realizar um programa com tantas lacunas-ausências de setores importantes e total ausência do norte alentejano e do litoral alentejano.
Três palavras para o Ministro da Agricultura, Luis Capoulas Santos – muito bem, mesmo que não seja o mais conveniente, temos que defender as Regiões, para o nosso empresário do Gin-relevante e para Jorge Rebelo de Almeida ao anunciar mais uma vez a construção doutro hotel no Alentejo, desta vez na Coudelaria de Alter do Chão.
Como diz o povo, “ai de mim se não for eu!”.
Viva o Alentejo!

At https://www.facebook.com/ / António Ceia da Silva

 

Pedro PintoSobre o Prós e Contras da passada segunda feira, cabe-me tecer os seguintes comentários:

1- Os movimentos que tendem a aparecer, não revelam mais do que pessoas com sede de protagonismo; para mim não têm expressão, porque nem a votos vão.

2- Esqueceram o Distrito de Portalegre, que curiosamente é o mais afectado pela seca extrema.

3- A jornalista quis que dissessem que o Alqueva não serve para colmatar a seca; mas sim, serve e de que maneira.

4- Os Presidentes de Câmara foram fazer figura de corpo presente.

5- Um programa destes tinha de elevar o bom trabalho que se tem feito no Alentejo, na Agricultura e principalmente no Turismo!

6- Não sendo alentejano de naturalidade, tenho muito orgulho na região que escolhi para viver e para criar raízes e família!

7- A RTP devia pedir desculpa aos Portalegrenses de todo o distrito, porque pura e simplesmente não fez o trabalho de casa ou então este já vinha encomendado, resta saber por quem.

8- A eterna guerra Beja/Évora não leva a lado nenhum.

9- O ministro Capoulas esteve bem, porque foi muito atacado por algum ressabiamento.

10- Com o Turismo em alta no Alentejo, porque não se ouviu o Presidente do Turismo de Portugal ou o Presidente da ERT? Porque iriam levantar bem alto o nome e as potencialidades do Alentejo e parece que isso não interessava ao programa.

11- Acabaram a cantar o “ouvi um passarinho”, vá lá, por momentos pensei que iam acabar com a “Grândola Vila Morena”!

At https://www.facebook.com/ / Pedro Pinto

Anúncios

Novo Presidente da CIMAA é de Campo Maior

6392_img-5887

Teve hoje lugar a eleição do novo Conselho Intermunicipal da CIMAA. A única lista apresentada, foi votada por unanimidade. Assim, para os próximos 4 anos o Presidente é Ricardo Pinheiro, Presidente da Câmara Municipal de Campo Maior, Vice-presidentes Rogério Silva, Presidente da Câmara Municipal de Fronteira e Gonçalo Lagem, Presidente da Câmara Municipal de Monforte.

At Linhas de Elvas

Bomba política, na cidade de Portalegre, junta CDU com PSD… e independentes

Portalegre pols

A Rádio Portalegre revela em primeira mão o conteúdo do “acordo de governação” celebrado, esta segunda feira, entre CLIP, CDU e PSD, para assegurar a estabilidade governativa do concelho de Portalegre.

O Acordo tripartido para governação do Concelho de Portalegre, visa garantir a governabilidade estável do Concelho durante o presente mandato.
Assinam este acordo, Adelaide Teixeira (CLIP), Nuno Lacão (CLIP), João Cardoso (CLIP), Luís Pargana (CDU), Armando Varela (PSD), Ricardo Romão (CLIP), Hugo Capote (CDU) e Joaquim Barbas (PSD), tendo como princípios básicos a valorização das pessoas, valorização do concelho, preservação do património, promoção do desenvolvimento económico e social e a dinamização da oferta cultural, desportiva e turística.

As partes estabelecem como fundamental, perante os portalegrenses:
• Respeitar a linhas estratégicas consensualizadas que, mais eficazmente, assegurarão a governabilidade do Município.
• Atuar sempre em defesa dos interesses da população de Portalegre em prol do desenvolvimento do concelho, valorizando aquilo que nos une enquanto portalegrenses.
• Pugnar para que Portalegre assuma um papel forte e liderante na região do Alto Alentejo.
• Promover a participação e aproximação entre eleitores e decisores.
• Trabalhar numa base de confiança mútua, lealdade e assente no princípio da boa-fé.

O presente acordo, abrange a Câmara Municipal, Assembleia Municipal, Serviços Municipalizados de Águas e Transportes, Fundação Robinson e a Comunidade Intermunicipal do Alto Alentejo CIMAA.

Para o Executivo Municipal, fica estabelecido que serão atribuídos mandatos de vereação a tempo integral, com a atribuição de pelouros a todos os signatários eleitos para a Câmara Municipal. Assim, Adelaide Teixeira nomeia Nuno Lacão (CLIP) e João Nuno Cardoso (CLIP) como vereadores em regime de tempo inteiro, e propõe à Câmara Municipal a nomeação de Luís Pargana (CDU) e Armando Varela (PSD) como vereadores em regime de tempo inteiro.
O acordo prevê que Luís Pargana (CDU) assumirá os pelouros da Educação, Ambiente e Saneamento básico, Transportes e Comunicações e Defesa do Consumidor, e que a Armando Varela (PSD) são atribuídos os pelouros do Turismo e empreendimentos turísticos, Energia e Saúde.
Luís Pargana (CDU) e Armando Varela (PSD) irão ainda indicar à Presidente da Câmara Municipal, Adelaide Teixeira (CLIP), um secretário para assumir funções em regime de exclusividade nos respectivos gabinetes de apoio à vereação, com remuneração igual a 60 % da remuneração base do vereador a tempo inteiro.

As partes aceitam respeitar os eixos orientadores dos programas eleitorais apresentados pelas forças políticas signatárias e reconhecem a existência de objetivos comuns, nomeadamente:
• Criar a figura “Provedor do Munícipe” para um mais célere e eficaz atendimento das solicitações correntes dos munícipes, em articulação com os departamentos camarários.
• Requalificar o edifício da Antiga Câmara Municipal, com novas valências na promoção e dignificação da autarquia e da sua História.
• Reabilitar áreas urbanas de lazer, revendo e melhorando os jardins municipais e parques infantis, vocacionando-os como zonas de convívio para as diferentes faixas etárias, com prioridade para a revitalização do Jardim da Corredoura.
• Reforçar a manutenção e limpeza do espaço público, incluindo jardins, substituindo os equipamentos danificados (ex: contentores, veículos de recolha, etc.) para garantir uma mais eficiente limpeza.
• Melhorar as condições de mobilidade através de uma melhor gestão da via pública e dos espaços de circulação (incluindo rever o estacionamento pago nos primeiros 6 meses do mandato, envolvendo todos os vereadores), bem como da promoção dos modos suaves (percursos pedonais e cicláveis). Aumentar os espaços de estacionamento destinados a ciclistas e motociclistas.
• Melhorar o aspeto paisagístico das entradas da cidade, com prioritária intervenção no acesso pela N18 (Penha) e Avenida do Bonfim e consensualizando uma solução para o monumento dos dadores de sangue.
• Manter sempre uma política ativa junto das entidades do Estado para melhorar as condições de acessibilidade à nossa região.
• Criar um gabinete de informação e apoio aos empresários, sobretudo ao nível do licenciamento, facilitando a interação com os agentes económicos regionais e estimulando a instalação e crescimento das empresas.
• Afirmar Portalegre como a “Capital do Desporto Aventura”, criando condições que permitam a sua prática durante todo o ano, com trilhos e pistas permanentes, entre outras, de BTT, Orientação, Todo-o-Terreno e Trail; e garantindo uma periodicidade de provas, articulando a sua calendarização com os diversos promotores.
• Apresentação de candidatura do Parque Natural da Serra de São Mamede para integração na Rede Mundial de Reservas da Biosfera.

Para a Assembleia Municipal, o acordo considera que os grupos dos signatários não apresentaram nenhuma lista candidata à mesa da Assembleia Municipal, permitindo que o partido mais votado fosse eleito.

O acordo prevê também que será apresentado ao Executivo do Município uma lista para o Conselho de Administração dos Serviços Municipalizados de Águas e Transportes (SMAT), constituída por um Presidente eleito pela CLIP e como vogais os signatários Luís Pargana (CDU) e Armando Varela (PSD).

Estabelece ainda o acordo de governação que o Conselho Diretivo da Fundação Robinson será consensualizado pelos signatários e apresentado em conjunto ao Executivo Municipal. No caso de não existir consenso, a CLIP poderá indicar o presidente e a CDU indicar o primeiro Vogal, ficando a cargo da Sociedade Corticeira Robinson Bros, S. A. a designação de um vogal. Se após 10 dias úteis após notificação não o tiver feito, poderá o PSD fazer a designação.

Para a eleição, em Assembleia Municipal, dos membros para a Assembleia Intermunicipal da Comunidade Intermunicipal do Alto Alentejo será apresentada, pelo signatário Ricardo Romão (CLIP), uma lista conjunta com dois eleitos da CLIP, um da CDU e um do PSD sendo os suplentes na mesma proporção.

Fica ainda definido que as partes, sem prejuízo do anteriormente expresso, mantêm total liberdade de opinião e de crítica construtiva com responsabilidade, transparência, lealdade e boa-fé.

Para além do estipulado no acordo, serão assim distribuídos os restantes pelouros:
– Adelaide Teixeira (CLIP): Cooperação externa; Administração geral e finanças; Património, cultura e ciência; Ação social / Habitação social; Proteção Civil.
– Nuno Lacão (CLIP): Equipamento rural e urbano; Tempos livres, juventude e desporto; Descentralização autárquica.
– João Cardoso (CLIP): Ordenamento do território e urbanismo; Habitação; Promoção do desenvolvimento (Indústria, Comércio e Serviços); Recursos Humanos.

At https://www.facebook.com/ / Rádio Portalegre (foto Jornal Alto Alentejo)

Pelouros atribuídos aos Vereadores em Nisa

Camara 2017

  • Presidente da Câmara

 

  • Enf.º António José Parreira Dinis

– Saúde e bem estar;

– Desporto e associativismo;

– Ambiente e qualidade de vida;

– Abastecimento público;

– Turismo.

Coadjuvar, ainda, em matéria de Gestão Financeira e Patrimonial.

  • Prof.ª Maria da Conceição Pestana Serra

– Educação e qualificação;

– Cultura;

– Trânsito e transportes;

– Informática e comunicações;

– Espaços verdes.

Coadjuvar, ainda, em matéria de Gestão dos Recursos Humanos dos Estabelecimentos de Educação.

At http://www.cm-nisa.pt/ (foto campanha PS Autárquicas 2017)

Depois da Unidade de Missão para a Valorização do Interior, surge agora a Unidade de Missão para a instalação do Sistema de Gestão Integrada de Fogos Rurais

Tiago Martins Oliveira foi o escolhido pelo Governo para chefiar a chamada Estrutura de Missão para a Instalação do Sistema de Gestão Integrada de Fogos Rurais.

Tiago Martins Oliveira é doutorado em Engenharia Florestal e especializado em Gestão de Risco no Âmbito das Florestas. Na nota curricular divulgada, o Governo indica que o futuro presidente da Estrutura de Missão tem grande experiência em combate a incêndios como sapador operacional, coordenador de combate aéreo e coordenador nacional de defesa da floresta contra incêndios.

O novo governante é filho do falecido historiador e presidente da Câmara de Oliveira do Hospital, César Oliveira, eleito pelo PS no mandato 1990-1994. César de Oliveira morreu em 15 de Junho de 1998, aos 57 anos.

César Oliveira era natural dos Fiais da Beira, no concelho oliveirense. O seu filho apesar de ter nascido no Porto, mantém a ligação aos Fiais, onde possuí uma casa de família e costuma vir com alguma frequência.

Aos 48 anos e natural do Porto, Tiago Martins Oliveira vai ter um estatuto equiparado a secretário de Estado e um gabinete de apoio técnico, “constituído por um máximo de cinco elementos, três dos quais com a função de assessoria técnica e de gestão, equiparados, para efeitos de designação e estatuto, a adjuntos de gabinete de membro do Governo”.

O presidente da estrutura de missão que vai repensar o combate aos fogos tomou posse esta terça-feira e tem pouco mais de um ano para envolver diversas entidades e especialistas na criação de um sistema integrado de prevenção e combate.

“Estou aqui pelo interesse nacional, aportando o meu conhecimento, humildemente, e uma das coisas que eu acho que vamos ter de fazer em breve é pedir ajuda internacional aos peritos para que eles nos ajudem a desenhar algumas soluções operacionais e outras mais estratégicas e para isto é melhor ir a Espanha, aos Estados Unidos ou à Austrália chamar pessoas para nos ajudarem”, disse Tiago Oliveira aos jornalistas, após a sua tomada de posse, realizada na residência oficial do primeiro-ministro, em Lisboa, quando questionado acerca da sua ligação ao sector da celulose.

At https://www.centrotv.pt/