Arquivo de etiquetas: Ribatejo

Festas da Chamusca 2018

Ascensao-Cartaz-Site Chamusca

Plaguita 1

Anúncios

Em 308, Nisa está no n.º 246 da Bloom Consulting

Nisa Bloom

Criada em 2003, a Bloom Consulting é uma consultora especializada em “Country”, “Region” e “City” branding, analisando e desenvolvendo estratégias, análises e ferramentas de medição para destinos por todo o mundo. A empresa tem sede em Madrid e escritórios em Lisboa e São Paulo e Londres.

Todos os anos publica o Bloom Consulting Country Brand Ranking©, nas edições de Negócios e Turismo. Estes estudos analisam a performance de marca de 225 países e territórios a nível mundial.

Nesta 5.ª edição do Portugal City Brand Ranking©, sobre a performance de marca dos 308 municípios portugueses, nas áreas do Turismo, Negócios e Talento, Nisa fica na 246.º posição em 308 municípios portugueses.

No Top 10 do país, não há nenhum concelho do interior. No Top 25 já surgem Viseu (19) e Évora (20):

  • Especificamente no Top 25 Negócios, Viseu volta a surgir (17) com Bragança (24);
  • No Top 25 Visitar só nos surge Évora (10);
  • No Top 25 Viver, Évora (25) junta-se a Viseu (8) e Vila Real (21).

Quanto ao Ranking Regional do Alentejo, Évora continua a liderar, seguida por Beja e Santarém. Portalegre só surge em 5.º lugar e, imagine-se, à frente de Elvas:

  • Considera-se que Portalegre é melhor para os Negócios e para viver do que Elvas. Ainda do Alentejo, a cidade de Ponte de Sor vem em 14.º do Alentejo;
  • Nisa é a 44.ª do Alentejo (9.º do Alto Alentejo; 246.º a nível nacional), à frente da sua “geminada” Vidigueira;
  • Em penúltimo lugar do Alentejo encontra-se Sousel, que é considerado o pior para visitar, à frente de Barrancos, o último do ranking alentejano.

At https://www.bloom-consulting.com

 

Portagens na A23 voltam a aumentar

Portagens 717637

A Plataforma de Entendimento, que agrega várias entidades contra as portagens, manifestou esta segunda-feira a sua surpresa com o novo aumento nas portagens nas ex-SCUt e considera inconcebível a penalização das pessoas e empresas do Interior.

“Nada fazia prever que, apesar da admiração pelo interior, que muito boa gente diz ter e que depois da machadada dos incêndios, viesse agora um novo incremento sobre um imposto discriminatório, como são o aumento das portagens, nas ex-SCUT”, refere uma nota de imprensa enviada à agência Lusa.

A Plataforma de Entendimento agrega a Associação Empresarial da Beira Baixa, União de Sindicatos do Distrito de Castelo Branco, Comissão de Utentes da A23 e Associação de Empresários pela Subsistência do Interior.

Apesar de ter vindo a mostrar preocupação com o tema das portagens, junto do poder político, sublinha que não tem obtido resultados práticos quanto à abolição das portagens: “Não pela falta de argumentos, mas sim pela postura de indiferença sobre um tema estratégico para o desenvolvimento regional”.

“É inconcebível que se penalizem desta forma as pessoas e empresas do interior, com mais um aumento de despesa que compromete a sustentabilidade destes territórios, já bastante fragilizada”, sustentam.

Lembram ainda que já foram endereçados pedidos de audiência ao Ministro das Infraestruturas e Ministro Adjunto, que acusam de não se dignarem a “gastar algum tempo” a recebê-los.

“É absolutamente lamentável e condenável que o ministro Siza Vieira, tendo vindo ao distrito, não tivesse aproveitado para fazer a reunião solicitada e que ainda não tenha percebido a necessidade de caminhar para a abolição das portagens para todos sem exceção”, sublinham.

Adiantam ainda que em breve vão reunir-se para decidir sobre novas e mais avançadas formas de intervenção e ação, sem prejuízo de, no imediato, seguirem novos pedidos de audiência aos ministros respetivos e iniciativas regionais, condizentes com o que o assunto merece.

“Como é possível estarem todos de acordo no reconhecimento do peso que o assunto das portagens aporta à região e a maioria dos deputados não se dignarem agir em conformidade com o necessário nesta temática”, questionam.

A Plataforma de Entendimento pergunta ainda onde está a distribuição da riqueza que tem vindo a ser criada nos últimos dois anos e onde está a reposição dos direitos existentes antes do período de crise, no que às portagens diz respeito: “Será que essa justa reposição é só para alguns e não é para o Interior do país?”.

“É pois, com muita estranheza e agora com total indignação, que vemos que o assunto, aparentemente acarinhado pelos deputados, não foi além de um passatempo e que, notoriamente, este só contribuiu para as estatísticas da realização política e do apregoado funcionamento da democracia, em que se envolveram os representantes do povo, com o povo”, concluem.

At https://beiranews.pt

Como valorizar o Tejo… Exemplo de Torres Novas

ViverOTejo

Diversas dezenas de empresas do setor do turismo aderiram em 2017 ao Viver o Tejo, projeto da Nersant que assenta na valorização do Tejo como agente percursor da estratégia de desenvolvimento económico do Ribatejo, tendo como fator chave o seu potencial turístico diferenciado e de excelência. No total, integraram o projeto 61 empresas em 2017.

Sendo o rio Tejo o recurso endógeno por excelência do Ribatejo, a Nersant criou a marca Viver o Tejo, por forma a integrar a oferta turística da região ribatejana, promovendo a dinamização das diferentes economias locais e da economia regional como um todo. A adesão ao projeto é inteiramente gratuita, passando as empresas a integrar automaticamente o portal desta marca (www.viverotejo.pt). Aqui, as empresas aderentes passam a ter um espaço de apresentação da empresa, seus produtos e serviços, bem como a integrar as ofertas turísticas e rotas criadas pela marca, tudo com possibilidade de reserva online.

No ano de 2017, o projeto contou com a adesão de 61 empresas, englobando o projeto no momento um total de 182 empresas / entidades aderentes.

De referir que o projeto Viver o Tejo tem como objetivos a identificação e qualificação da oferta turística da região, promovendo ofertas integradas, o desenvolvimento sustentável e a preservação dos elementos históricos e culturais da região. Pretende ainda aumentar, consequentemente, a competitividade de todo o território.

A adesão a esta marca da Nersant é inteiramente gratuita, devendo os interessados contactar a associação empresarial.

At http://www.mediotejo.net

O dono do Tejo

Paulo Fernandes

Este cavalheiro na foto, Paulo Fernandes, consegue ser o dono de eucaliptais imensos (já sabemos a beleza que são os eucaliptos para Portugal), é o dono da Celtejo(Altri), que nos destrói todos os dias o rio Tejo em Vila Velha de Ródão e já agora é o dono do Correio da Manhã (Cofina).

Não tenho nenhuma admiração pelo Correio da Manhã mas gostava de ver quantas vezes vem no jornal o que se está a passar com a Celtejo.

Arlindo Consolado Marques o Correio da Manhã que anda sempre todo o lado já te entrevistou?

André Rodrigues Lopes

At https://www.facebook.com/

Central Termoeléctrica do Pego vai encerrar até 2030

Pego mw-860 (1)

O Governo comprometeu-se hoje a encerrar as duas centrais produtoras de eletricidade a carvão, em Sines e no Pego, até 2030, anunciou o ministro do Ambiente, em Bona, na Alemanha.

“Em 2030, não existirá produção de eletricidade em Portugal, a partir do carvão”, afirmou hoje João Matos Fernandes, à RTP.

O governante está em Bona, na Alemanha, onde decorre a conferência das Nações Unidas para as alterações climáticas, até sexta-feira.

“As centrais termoelétricas vão certamente ser encerradas em Portugal assim que tenhamos a capacidade de poder produzir energia a partir de fontes alternativas” sem sobressalto, disse o ministro do Ambiente.

João Matos Fernandes referiu-se à importância do compromisso que Portugal vai hoje assumir juntamente com outros países que também “estão na linha da frente” nesta matéria, como Canadá, Reino Unido, França Holanda ou Nova Zelândia.

Vinte e cinco países, estados e organizações de vários pontos do mundo juntaram-se para assinar uma declaração com o compromisso de esforçarem-se para acabar com as centrais carvão, já que estas são das maiores responsáveis pelas emissões de gases com efeito de estufa que agravam as alterações climáticas.

Em 2016, o primeiro-ministro já se tinha comprometido a ter Portugal neutro em carbono em 2050 o que implica uma redução acentuada das emissões.

Além daqueles países apontados pelo ministro do Ambiente, estão na declaração, a que a Lusa teve acesso, parceiros como Angola, Itália, México, mas também cidades como a norte-americana Washington, apesar da decisão do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de retirar o país do Acordo de Paris.

Enquanto as centrais termoeléctricas a carvão são consideradas uma das maiores fontes de dióxido de carbono que está a aquecer a atmosfera da Terra, países como a Indonésia, Vietnam e Estados Unidos estão a planear expandir a sua utilização nos próximos anos.

A declaração refere que os governos dos países parceiros se comprometem a retirar progressivamente as centrais a carvão das suas regiões, empresas e outras organizações não governamentais avançam o compromisso de deixar de usar carvão e todos se comprometem a apoiar fontes de energia limpas através as suas políticas e investimentos e a limitar o financiamento de centrais tradicionais sem captura e armazenamento de carbono.

O documento recorda que, atualmente, as centrais a carvão produzem quase 40% da eletricidade total, fazendo com que sejam o principal contribuirdor para as emissões de carbono.

“Os efeitos da poluição resultante da queima de carvão na saúde, incluindo doenças respiratórias e mortes prematuras, resultam em custos massivos tanto em termos humanos, como económicos”, refere a declaração, acrescentando que dados recentes referem que mais de 800 mil pessoas morreram por ano em todo o mundo, devido à poluição relacionada com a queima de carvão.

At http://www.mediotejo.net/

Opinião: “A Praça de Touros de Badajoz e José Sócrates”

Socrates

ArnaldoContou-me o meu Pai (mais que uma vez), que na guerra civil Espanhola (entre os fascistas/falangistas/monárquicos/católicos e os Republicanos) havia, com frequência, sessões de fuzilamento abertas ao publico (se calhar para exemplo) na Praça de Touros de Badajoz. Claro que os fuzilados eram os militantes Republicanos e os fuziladores militares das falanges de Franco.

Dizia-me ele, o meu Pai, que iam aqui da minha terra (Benavente) conterrâneos de famílias muito conhecidas (e que por isso vou omitir os nomes) assistir a esse “circo” de triste memória para qualquer pessoa civilizada. Era um gozo de satisfação que ultrapassava a obscenidade. e que transparecia nos comentários e nas descrições das execuções sumarias.
Merda de gente!

Hoje lembrei-me dessa violência ao ver as carinhas obscenamente felizes dos jornaleiros, tipo ricardo costa, ao falarem da, finalmente chegada, acusação a Socrates.
Se calhar justifica-se essa felicidade de gente que vive e respira montada no mal alheio e conhecedora da pouca vergonha que domina a PGR e o MP.
Mas uma coisa é uma acusação (muito facil) e outra coisa é a prova.
Daqui por 20 anos eu, ou alguem por mim, cá estarei para ver se essas caras, sedentas de sangue, vão continuar a vomitar ódio ou não.
Eu, ou alguém por mim, continuarei ao lado de Socrates, até que me provem o contrario.
Tenho pena desta gente!

Arnaldo da Cunha Serrão

At https://www.facebook.com

CP faz descontos de 30% em viagens para Santarém

Santarém estacao-comboios-santarem-2015-43

Os Comboios de Portugal acompanham o projecto Verão In.Str… É um espanto! desde a primeira hora.

Ao abrigo do protocolo assinado entre a Câmara de Santarém e a CP, quem viajar de comboio para Santarém, com origem em qualquer ponto do país, e durante o período de 21 de junho a 23 de setembro, beneficia de 30 % de desconto no preço do bilhete de ida e volta nos serviços Intercidades e Regional/InterRegional.

Para que o desconto seja aplicado, os viajantes têm de carimbar o bilhete de comboio no Posto de Turismo de Santarém. A ligação entre a estação de caminho-de-ferro e o centro da cidade é garantida pelo serviço de autocarros.

At http://www.oribatejo.pt/