Domingos & Dias Santos celebram aniversário em Alpalhão este Sábado

domingos e dias santos

Anúncios

Dispositivo de combate aos incêndios reforçado

BVNisaCAMPANHA

O distrito de Portalegre conta, este ano, com sete equipas de resposta a incêndios florestais, mais uma que em 2014. No que diz respeito aos meios aéreos, vai estar disponível um helicóptero bombardeiro médio, em vez do helicóptero bombardeiro ligeiro. O reforço será efectivado apenas na época mais crítica de incêndios florestais, a Fase Charlie, que decorre entre 1 de Julho e 30 de Setembro.

Para o Comandante Operacional Distrital Belo Costa, o dispositivo que temos agora está adequado àquilo que são as necessidades que o distrito impõe, envolvendo 26 equipas e um total de 250 elementos, entre bombeiros, sapadores florestais, GNR e PSP.

Em 2014, durante a fase Charlie, a área ardida no Alto Alentejo foi de quase 2 900 hectares, mais mil hectares em comparação com o mesmo período do ano anterior.

O Plano de Operações Distrital de Resposta a Incêndios Florestais para o ano de 2015 (PLANOP 2015) foi apresentado na Câmara Municipal de Castelo de Vide, com a presença do Comandante Operacional Nacional, José Manuel Moura e do Comandante de Agrupamento Distrital Centro-sul, Joaquim Chambel.

Afro-house, R&B e Zouk no Sábado da “Nisa em Festa”

nisa em festa15 b4

B4 é um projecto musical nascido em 2013. Em Maio de 2014, esgotaram o Campo Pequeno, em Lisboa, e em Outubro passado levaram o Coliseu dos Recreios ao rubro, atuando perante cerca de 4.000 pessoas. Já em Agosto tinham feito das suas no Meo Sudoeste, durante aquele que foi um dos concertos mais bem sucedidos da edição de 2014 deste festival.

Emanuel de Carvalho Ngenohame ou, simplesmente, “Big Nelo” , entrou no mundo da música pelo grupo de rap “SSP”, do qual é fundador.

Pedro Lisboa Santos, de nome artístico “C4 Pedro”, é um dos músicos mais influentes da nova geração da música angolana.

Sérgio Niza recebe título de Doutor Honoris Causa

Sergio Niza_professor

SER PROFESSOR É UM INFERNO

A escola já não perde tempo a fazer aprender, alerta o professor e pedagogo Sérgio Niza.

Alunos sem esperança, professores ansiosos, ensino bafiento e uma escola que não serve os interesses das crianças e jovens nem os do país. Sérgio Niza dedicou a vida à educação e não se conforma com o estado a que a escola portuguesa chegou. Mas há soluções, diz ele.

Professores insatisfeitos, pais preocupados e alunos que acham as aulas uma maçada. O que é que se passa com a nossa escola?
Esse é o retrato da escola portuguesa e da generalidade das escolas dos países ocidentais devido à forma de organização do trabalho. A estrutura de ensino simultâneo – todos a aprender a mesma coisa ao mesmo tempo – vem do século XVII e ainda perdura apesar de se saber desde os anos vinte do século XX que é um modelo esgotado.

O principal problema da escola está neste modelo de não-comunicação em que o professor usa mais de três quartos do tempo da aula para falar sem que os alunos participem ou estejam envolvidos.

Sérgio Niza (Campo Maior, 1940) foi professor do ensino primário, de educação especial e universitário. O trabalho de investigação e o seu pensamento como pedagogo é reconhecido no país e no estrangeiro. Fundou o Movimento da Escola Moderna portuguesa e já foi membro do Conselho Nacional de Educação.

Decorreu ontem, 23 de abril de 2015, a cerimónia de atribuição do título de Doutor Honoris Causa pela Universidade de Lisboa, na Aula Magna da Reitoria da Universidade de Lisboa, pelas 18h00.

At http://www.ulisboa.pt/?portfolio=cerimonia-de-atribuicao-do-doutoramento-honoris-causa-aos-professores-sergio-niza-e-agustin-escolano-benitohttp://www.noticiasmagazine.pt/2014/ser-professor-e-um-inferno/