Arquivo de etiquetas: Trás-os-Montes

Em Zamora também se luta por ligação mais directa a Portugal

zamora-psoe-a11-javier-izquierdo-696x350
La A-11 con Portugal “podría estar más cerca” según el PSOE

Según el PSOE de Zamora “el actual Gobierno a través del Ministerio de Transición Ecológica ha declarado favorable el estudio de impacto ambiental, paso imprescindible para cerrar el proceso informativo y continuar con la redacción de los proyectos de construcción para poder licitar y adjudicar la obra que se encontraba paralizada por el Ejecutivo anterior”.

El PSOE de Zamora ha mantenido una reunión con el Secretario General de Infraestructuras, Javier Izquierdo con el fin de conocer de primera mano la situación actual en la que se encuentra el proyecto de la Autovía A-11 que conectará Zamora con Portugal.

Según el PSOE de Zamora “el actual Gobierno a través del Ministerio de Transición Ecológica ha declarado favorable el estudio de impacto ambiental, paso imprescindible para cerrar el proceso informativo y continuar con la redacción de los proyectos de construcción para poder licitar y adjudicar la obra”.

La incorporación de la A-11 en el Plan extraordinario de Inversión en Carreteras establece una vía de financiación pero “tenía importantes carencias que no habían sido contempladas por el anterior Gobierno”, afirman los socialistas, y según afirman “estos vacíos, provenían fundamentalmente de que la nueva Ley de Contratos del Sector Público y los criterios europeos de déficit y deuda pública exigen que en las concesiones haya una transferencia de riesgo de la operación sustancial al concesionario que se hace a través de un indicador de demanda, criterio que no tuvo en cuenta el Gobierno del Partido Popular a la hora de elaborar el PIC”. Para el PSOE, esto hace “evidente que el PP nos quiere tomar el pelo a los zamoranos y zamoranas con sus últimas declaraciones”.

Por su parte, Antidio Fagúndez, Secretario General del PSOE Zamora, califica como “muy positivo” la declaración favorable de impacto ambiental, “el pasado día 30 de octubre, se ha dado una paso hacia delante en una infraestructura que consideramos vital en el desarrollo socio económico de la provincia, así como fundamental en la conexión con la vecina Portugal”. 

Los socialistas tachan de “mentirosos” al Partido Popular de Zamora y les piden que “dejen de intentar confundir a los ciudadanos de esta provincia cuando ha quedado de manifiesto que en siete años de Gobierno de Mariano Rajoy no han tenido la voluntad ni el compromiso de llevar a cabo esta infraestructura”.

At https://www.noticiascyl.com/

Anúncios

Autarcas da região do Douro insistem na reactivação da ligação a Espanha

Douro comboiohistorico

 

Os autarcas do Douro insistem na reactivação da linha ferroviária do Douro até Espanha. Aproveitaram a presença do ministro da Economia, esta segunda-feira, na Régua, para reivindicarem um projecto sobre o qual, dizem, o Governo tem mantido o silêncio.

Nuno Gonçalves, vice-presidente da Comunidade Intermunicipal do Douro e presidente da Câmara de Torre de Moncorvo, vinca que a linha do Douro pode vir a contribuir para dinamizar a economia da região e do país e, por isso, é preciso voltar a ligá-la a Espanha: “não pudemos ter algo que está tão próximo de nós e que promove o desenvolvimento desta região, que dá lucro e que está quadragésimo lugar em termos de passageiros e mais, a linha do Douro será fundamental para o escoamento de produtos, como o mineiro de Torre de Moncorvo. No plano de investimentos não se encontra a reactivação desta linha e penso que o senhor ministro deveria olhar para este projecto como um pólo de desenvolvimento”.

O ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, não se alongou em comentários relativamente à reivindicação dos autarcas: “eu penso que os investimentos em infra-estruturas são importantes e devem ser considerados e estudados e é isso que o governo está a fazer”.

O ministro assume que é preciso continuar a melhorar a oferta da região e que isso se faz com infraestruturas, mas faz-se também com um trabalho em rede entre escolas, unidades hoteleiras, municípios, todos a trabalharem em conjunto: “promover melhor a região, como é o caso do Museu do Côa. É importante que este museu tenha melhores condições de visitação, assim como o alargamento dos horários. Porque é com este trabalho, e com os 59 projectos num investimento total de 60 milhões de euros em curso, mas claro que teremos que continuar a melhorar a oferta da região”.

O ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, insiste que é preciso melhorar a oferta turística da região, mas não garantiu nada sobre a ligação da linha ferroviária do Douro a Espanha.

Num estudo recente sobre as ligações ferroviárias transfronteiriças, a Comissão Europeia reconheceu que a linha do Douro é de grande potencial em termos turísticos e de coesão social.

At http://www.radioansiaes.pt/

Galiza vai bonificar a retirada de eucaliptos a 500€ por hectare

Eucalipto C28C3F1_27052009_CARBALLO
La medida, válida durante cinco años, se aplicará en territorios de Red Natura

La conselleira de Medio Ambiente e Ordenación do TerritorioBeatriz Mato, anunció ayer la puesta en marcha de una iniciativa de compensación para estimular la sustitución de los eucaliptos por vegetación autóctona o para lograr sueliminación en aquellas zonas en las que por naturaleza no existía ningún tipo de plantación. Esta medida pretende, por un lado, recuperar el patrimonio natural de los bosques gallegos y preservar su naturaleza y, por otro, contribuir a paliar el cambio climático, al tratarse «de áreas de gran absroción de carbono», en palabras de la conselleira.

Actualmente, la presencia de eucaliptos dentro de la Red Natura gallega es de 6.758 hectáreas, lo que supone el 1,9 % del total de la superficie protegida de Galicia, según informó Mato.

 

3.000 posibles beneficiarios

Para promover su eliminación, la Xunta otorgará a los interesados 500 euros por hectáreadurante los primeros cinco años, que pueden ampliarse después durante un año más, en el que la cuantía pasaría a ser de 200 euros por hectárea. En concreto, se estima que unas 3.000 personas podrían beneficiarse de este plan para el que el ejecutivo dispone de un presupuesto de 2 millones de euros. «O máis alto que a Unión Europea permite», matizó la conselleira. Propietarios, arrendatarios y gestores de terrenos forestales de las zonas elegidas para esta actuación podrán optar a esta compensación económica.

«Cremos que as máis beneficiadas serán as comunidades de montes, pola súa extensión», expuso Mato. Aclaró que lo primero que deberán hacer los interesados en beneficiarse de esta medida será «mostrar o seu compromiso para substituír os eucaliptos por vexetación autóctona ou para a súa eliminación».

En concreto, la iniciativa se llevará a cabo en las zonas 1 y 2 de la Red Natura, que se corresponden con aquellos territorios catalogados con un nivel de recuperación muy alto, en el primer caso, y las señaladas con un nivel medio-alto, en el segundo. «Eliximos estas zonas, de montaña, porque son as que presentan maior grao de naturalidade e queremos evitar a dispersión do eucalipto nestas áreas nas que se estima que hai un total de 3.900 hectáreas que teñen plantación de eucaliptos». Se trataría de la mayor superficie de terrenos forestados con eucaliptales de la comunidad, incluyendo la zona de las Fragas do Eume y la Serra do Xistral, según indicaron la conselleira y Ana María Díaz López, directora Xeral de Patrimonio Natural.

Desde la Consellería de Medio Ambiente aclararon que «se subvencionarán unicamente as plantacións de dúas especies con carballo, rebolo, sobreira, carballo albariño, aciñeira e tamén o bidueiro». El motivo de elegir estas especies es que está constatado «que son as máis características desta zona», señaló la conselleira, que además hizo hincapié en las zonas «de turbeiras, onde non tería que haber por natureza eucaliptos, pero a realidade é que os hai». «Por iso queremos eliminalos na súa totalidade», aclaró. Dichas áreas «presentan unha grande importancia ecolóxica e xogan un papel fundamental na mitigación do cambio climático, ao ser consideradas como un dos maiores centros de absorción de carbono, por absorbelo e almacenalo».

Los territorios

En las áreas seleccionadas para llevar a cabo las actuaciones se encuentran «6.100 hectáreas de turbeiras e 15.000 de queirogais húmidos», según los datos facilitados ayer por la consellería que dirige Mato. Dentro de esos territorios, los más amplios corresponden a Serra do Xistral, en la provincia de Lugo; San SadurniñoA Capela y zona de Toques, en A Coruña; Pena TrevincaSerra do Xurés y Macizo Central en Ourense; y Serra do Cando, en Pontevedra, según palabras de la conselleira. Además, adelantó: «Dende a Xunta estamos traballando na ampliación da porcentaxe de Rede Natura nesas zonas, incluíndo as turbeiras como zona protexida».

Sitúan el foco de la lucha contra los incendios en el abandono del rural

La mitad del territorio gallego se corresponde con terrenos agrarios abandonados o con suelo forestal que carece de la gestión adecuada. El dato lo aportó ayer Roberto García, secretario xeral de Unións Agrarias, a la comisión parlamentaria de estudio sobre los incendios forestalespara remarcar que, si de verdad se quiere acabar con la lacra de los incendios, hay que empezar por tomar medidas que contribuyan a combatir el abandono del rural.

García abrió la sesión de comparecencias de ayer, por la que también pasaron José Carlos Rocha (UGT) y Alejandro Rodríguez (Comisiones Obreras), que coincidieron en demandar que se avance hacia un «servizo público» de la lucha contra los incendios, como un solo cuerpo con mando único y con efectivos muy profesionalizados.

El responsable de Unións Agrarias hizo más hincapié en mostrar una radiografía del mundo rural para abordar algunos de los problemas que generan «vulnerabilidade» ante los incendios. Explicó que desde la entrada en la Unión Europea se redujo el 90 % de la población agraria -«unha desagrarización tardía, pero abrupta», dijo-, que generó amplias bolsas de abandono.

Así que Roberto García entiende que hay que gestionar de forma ordenada todo ese espacio como condición indispensable para prevenir los incendios.

At https://www.lavozdegalicia.es

Os eleitores do interior

Interior download

O secretariado da secção concelhia do Partido Socialista (PS) vem em comunicado desmentir o Presidente do Partido Social Democrata (PSD) de Castelo Branco, Carlos Almeida, já anunciado candidato à Câmara Municipal, que em entrevista recente a uma rádio de Castelo Branco, afirmou que ” na competição do número de eleitores, Castelo Branco perdeu 2000 eleitores e que ocupa o “último lugar” nas capitais do Interior“.

Com base nos mapas publicados pela Secretária-geral da Administração Interna, o PS explica que Castelo Branco ocupa o 15.º lugar de entre as 20 capitais, no ranking do número de eleitores, à frente de Évora, Guarda, Bragança, Beja e Portalegre.

No Distrito de Castelo Branco, o município de Castelo Branco é o que tem maior  número de eleitores e o que menos perdeu em 4 anos.

Na perda de eleitores, capitais como o Porto, Portalegre e Santarém perderam mais que Castelo Branco.

Castelo Branco perdeu menos eleitores que municípios relevantes e próximos como: Torres Novas, Portalegre, Santarém, Abrantes, Covilhã e Fundão.

Nos 18 distritos e 2 regiões autónomas: 14 perdem eleitores (Aveiro, Madeira, Leiria, Coimbra, Santarém, Évora, Vila real, Viana do Castelo, Bragança, Viseu, Beja, Portalegre, Guarda e Castelo Branco); 6 ganham (Faro, Açores, Setúbal, Porto, Lisboa e Braga).

Das 20 capitais de distrito e regiões autónomas: 15 perdem eleitores (Leiria, Vila Real, Funchal, Coimbra, Évora, Bragança, Viseu, Viana do Castelo, Guarda, Beja, Lisboa, Castelo Branco, Porto, Portalegre, Santarém); 5 ganham (Braga, Ponta Delgada, Setúbal, Aveiro e Faro).

71 municípios (dos 308 municípios portugueses) cresceram em número de eleitores, sendo 68 de Distritos do Litoral ou das Ilhas. 52 municípios perderam até 2% do n.º de eleitores. 32 municípios perderam entre 2% e 3% do n.º de eleitores. Lisboa, Porto, Castelo Branco, Viana do Castelo, Guarda e Beja, são capitais de distrito que integram este grupo. 62 municípios perderam entre 3% e 5% do n.º de eleitores. 72 municípios  perderam entre 5% e 8% do n.º de eleitores. 19 municípios perderam entre 8% e 14% do n.º de eleitores.

Face aos dados apresentados, o PS acusa Carlos Almeida de “impreparação e má-fé“, lembrando que “a desertificação é um problema nacional, que o PSD agravou com as suas políticas. As autarquias têm pugnado para resistir e contrariar a inexorável tendência. Quase sem exceção, as autarquias do Interior têm mais dificuldades e algumas têm pequenas vitórias.”

O PS termina afirmando que “está absolutamente confiante. A dinâmica demográfica é uma constante. Em 1997, Castelo Branco tinha 50.987 eleitores inscritos. Em 2001, diminuiu para 48.590. Em 2013, o número de eleitores já era 51.325. A diminuição agora indiciada, é também o resultado da austeridade imposta pelo PSD, entre 2011 e 2015. Caso se confirme o decréscimo em 2017, sabemos que com a liderança de Luís Correia, recuperaremos o eleitorado, como fizemos no passado.”

At Diário Digital

Portagens aumentam uma vez mais para o interior

a1-a23
A1 terá o maior aumento de portagens em 2017 (para quem se desloca das áreas de Portalegre ou Castelo Branco para Lisboa, significa metade do caminho)

A autoestrada Lisboa-Porto vai ficar 35 cêntimos mais cara em 2017 para a classe 1, o que faz da A1 o percurso com o maior aumento das portagens, seguida pela A2 Lisboa-Algarve que sobe 25 cêntimos.

Em terceiro lugar, com um aumento de 15 cêntimos, aparece a A22, conhecida como Via do Infante, no Algarve, que passa a custar 8,7 euros.

Já a viagem Lisboa-Porto, na autoestrada A1, passará a custar 21,60 euros e a Lisboa-Algarve na A2 20,45 euros, com o novo tarifário das autoestradas que entra em vigor a 01 de janeiro, atualizado com base na variação de preços ao consumidor.

A atualização abrange 22% das portagens e será de cinco cêntimos na generalidade das taxas de Classe 1, sendo de dez cêntimos num número reduzido de situações e em 78% dos casos não haverá qualquer acréscimo de preço, segundo anunciou o Ministério do Planeamento e das Infraestruturas.

As portagens das pontes 25 de Abril e Vasco da Gama, em Lisboa, terão um aumento que varia entre os 5 (classe 1, em ambas as pontes) e os 15 cêntimos (classe 4, na Vasco da Gama).

Assim, no próximo ano, os utentes com veículos de classe 1 vão passar a pagar 1,75 euros para atravessar a ponte 25 de Abril e 2,75 euros na ponte Vasco da Gama.

Também a Brisa Concessão Rodoviária (BCR) destaca que “para a maioria dos principais percursos, o impacto das atualizações é mínimo, e que nas entradas dos grandes centros urbanos (Lisboa e Porto) não há aumentos”, como é o caso da A5 Lisboa-Cascais e da A9 (Crel).

O índice de preços ao consumidor de outubro, excluindo habitação, que serve de referência à atualização anual das portagens, foi de 0,84%, sendo essa a proposta que as concessionárias de autoestradas terão feito ao Governo.

O método de atualização das portagens inclui um mecanismo de arredondamento das taxas para o múltiplo de cinco cêntimos mais próximo. Ou seja, se os aumentos forem inferiores a 2,5 cêntimos, a portagem manter-se-á inalterada. No entanto, se o aumento for superior a 2,5 cêntimos, há um arredondamento automático para cinco cêntimos.

Em 2016, a atualização nas taxas de portagem das autoestradas nacionais tinha abrangido apenas 10% dos troços das vias onde há cobrança aos utilizadores e numa atualização de apenas cinco cêntimos.

At http://sicnoticias.sapo.pt/

Presidente da Assembleia Municipal de Moncorvo vota contra o orçamento

torre-de-moncorvo-camara
O presidente da Assembleia Municipal de Torre de Moncorvo votou contra o orçamento da autarquia para 2017.

José Mário Leite, do PSD, o mesmo partido do executivo, não concorda com a proposta orçamental para o próximo ano porque está contra o grande aumento nas comparticipações que o município faz para a Associação de Municípios do Douro Superior.

O representante do órgão autárquico refere que não ficou satisfeito com as explicações apresentadas para justificar o aumento das transferências. . “O que me disseram é que se devia à necessidade de pagar dívidas. Isto é uma situação estranha, que eu não entendo, porque a dívida do município de Moncorvo à associação de municípios teria sido saldada do início de 2014, para o qual foi contraído um empréstimo e cujo serviço da dívida rondará os 70 a 80 mil euros ano”, critica o presidente da Assembleia Municipal, para quem esta comparticipação é “exagerada”.

Contactado pela Brigantia, o presidente da câmara municipal, Nuno Gonçalves, recusou-se a comentar “votações feitas por membros da Assembleia Municipal, ainda mais quando a votação se ficou a dever exclusivamente a uma parte do orçamento que tem a ver com a associação de municípios” e remete qualquer esclarecimento para o secretário executivo da Associação de Municípios do Douro Superior.

Nuno Trigo reconhece que o valor de transferências previstas do município para a associação tem vindo a aumentar. E explica que “a verba reflecte o pagamento da gestão dos resíduos sólidos urbanos e também contempla os compromissos relativos a um empréstimo da Câmara de Moncorvo para saldar dívidas com a associação de municípios”.

Nuno Trigo adianta ainda que os valores do orçamento de Moncorvo, no que respeita à AMDS, “contemplam ainda verbas relativas às candidaturas conjuntas por parte da associação em nome dos cinco municípios, ao Portugal 2020”.

At http://brigantia.pt/

Um ‘Mundo Novo’ vive no Politécnico de Bragança

ng7804622
É lá que, em percentagem, estuda e faz vida, a maior comunidade de estudantes estrangeiros em Portugal.

Do Paquistão à Hungria, da Suécia aos Camarões, da Serra leoa à Costa Rica… Chegam de todo o mundo para estudar em Bragança. Já são 64 as nacionalidades que inscreveram o nome no Politécnico. David Velez chegou este ano da Colômbia. “Acho que nem no Equador, nem o Perú, nem nenhum país da América do Sul podes sair à rua com a tranquilidade que há aqui”.

Segurança, muitas culturas e uma cidade acolhedora. É assim que muitos classificam o IPB e Bragança. Inês Jabeur é Tunisina. Está a começar o segundo ano em Bragança. Começa-o com o coração cheio… arranjou namorado! “Sim, é de Bragança. Damo-nos bem, a família é fantástica, ele é muito gentil. Não tenho problemas”.

Identidades e vidas que se cruzam num Instituto que vai, “mundo fora” em busca de estudantes. “Começamos por ter um ou dois alunos de um país e sabemos que, quase inevitavelmente, no ano seguinte temos um crescimento exponencial. Chamam-se uns aos outros. Sentem a segurança de que se os outros vieram é porque havia alguma identidade”, diz Anabela Martins, pró-reitora responsável pelo gabinete de imagem e do estudante.

Este ano deverão estar ali cerca de 1600 alunos estrangeiros. A região transforma-se num “campus” atrativo, conclui Sobrinho Teixeira, presidente do IPB. “Normalmente os estudantes costumam ver qual é a relação da qualidade de vida, do custo de vida e nós temos uma relação e nós temos uma relação ótima entre os dois parâmetros e uma região que é muito segura. Em toda a minha atividade de internacionalização nunca me perguntaram onde ficava Lisboa.”

At http://www.tsf.pt/http://sicnoticias.sapo.pt/programas/reportagemsic

IV Forum do Interior, este fim-de-semana, na ESECS

forum-interior-16cartaz

forum-do-interior_programa-provisrio-page-001

O IV Fórum do Interior, sob o lema, “Valorização do Interior: a Cooperação para a Sustentabilidade Integrada”, decorrerá na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais, em Portalegre, nos dias 25 e 26 de novembro, sendo uma iniciativa promovida pela Animar, com o apoio local da Escola Superior de Educação e Ciências Sociais – Instituto Politécnico de Portalegre, da CIMAA – Comunidade Intermunicipal do Alto Alentejo, da Associação A RAIA/LA RAYA e da Unidade de Missão e Valorização do Interior.

Despovoamento, envelhecimento da população, desemprego crescente, falta de oportunidades de trabalho, dificuldade de fixar a juventude, isolamento, altas taxas de pobreza, difícil acesso aos serviços básicos, estes são alguns dos traços comuns aos territórios de baixa densidade e que traduzem a sua degradação económica e social. Porém, todos os estudos e diagnósticos apontam também um conjunto diversificado de recursos para o desenvolvimento que estes mesmos territórios encerram. Neste sentido, o IV Fórum do Interior vai-se debruçar, mais uma vez e como é sua missão, sobre esta realidade e as formas de a contrariar.

Trata-se de uma iniciativa que junta pessoas ligadas a autarquias, academia, investigação, agentes e técnicos/as de desenvolvimento local, líderes associativos e atores locais que deram um importante contributo para a reflexão sobre os territórios da interioridade, promovendo o debate e interação de ideias que podem servir de base para a definição e reivindicação de novas medidas públicas e políticas que visem o combate ao despovoamento, ao abandono, à desagregação social e à depressão económica que caracterizam a maioria destes territórios do interior.

At https://www.evensi.pt/

Estudantes de medicina dão apoio a idosos

medicos-minho-transferir

A iniciativa “Aldeia Feliz”, promovida pelo Núcleo de Estudantes de Medicina da Universidade do Minho (NEMUM), já vai na terceira edição e já foi possível, com o apoio da Câmara dos Arcos, resolver problemas relacionados com o acesso à saúde e melhorar as condições na habitação.

“Na primeira edição, realizada aqui no concelho dos Arcos de Valdevez, assinalámos cerca de 12 casos de isolamento grave de idosos, com problemas de habitação ou mesmo de saúde que não estavam controlados e hoje viemos a saber que todos os casos foram já resolvidos e estão a ser seguidos. É bom saber do retorno da nossa atividade e do impacto que tem na sociedade”, contou à TSF João Dourado, presidente do NEMUM.

Este estudante do 4º ano de Medicina é um dos 26 futuros médicos que estão a participar na iniciativa que decorre até domingo em seis aldeias dos Arcos (Soajo, Cabana Maior, Cabreiro, Sistelo, Rio Frio e Senharei) e que pretende chegar a cerca de 200 idosos.

“Não tenha medo, somos muitos mas somos bons”, vai avisando Maria Adelaide Cunha, uma das habitantes da aldeia de Vilar de Cabreiro, que se disponibilizou a abrir caminho aos jovens estudantes no acesso às casas dos mais idosos. Manuel Afonso, 74 anos, recebe-os no alpendre de casa, desfiando conversa sobre a vida na lavoura. “Tenho perto de 20 animais, na serra e aqui, e semeio umas territas para dar de comer aos animais e tirar umas batatas, couve, cebola”, conta.

As visitas ao domicílio incluem rastreios cardiovasculares (medição da tensão arterial e da diabetes) bem como a avaliação das condições de habitabilidade e o grau de dependência.

João Dourado, estudante, vai preenchendo um formulário com notas sobre patologias já diagnosticadas, medicação habitual e hábitos alimentares. “Faço umas três refeições. Quando acordo tomo um bocado de leite, vou levar as vacas ao monte e quando venho, por volta das 10 horas, já almoço qualquer coisa. Às vezes, um bife, se houver, ou um pão com chocolate ou um bocado de queijo. Com uma malguinha de vinho a gente vai”, relata.

Manuel Afonso é solteiro e vive sozinho na aldeia de Vilar de Cabreiros. “Tenho uma sobrinha mas ela está na casa dela e eu na minha”. Não se sente sozinho? “Em casa sinto-me, mas lá fora não. Ando com os animais e o tempo não me rende. Mas encontro pessoas amiúde e distraio bem a minha vida”, conta-nos.

Foram poucos os que resistiram à emigração e ficaram. Adelaide Cunha dá uma ajuda no que pode, na lavoura ou nas boleias até à vila, que fica a 16 kms e 25 minutos de distância. “Se tiverem que ir apanhar a camioneta, é uma meia hora a pé (até à paragem) e para eles não é fácil. Só de boleia ou de táxi”, revela.

At http://www.tsf.pt/

Gasóleo na fronteira ao mesmo preço de Espanha

fronteira-do-caia-elvas-badajoz-2014-6

O ministro Adjunto anunciou, esta quarta-feira, em Arganil, distrito de Coimbra, que a partir do dia 15 quatro zonas de fronteira vão ter gasóleo profissional ao mesmo preço que no território espanhol.

Segundo Eduardo Cabrita, que falava aos jornalistas no final da sessão solene do feriado municipal de Arganil, haverá uma redução de 13 cêntimos no gasóleo profissional nas zonas fronteiriças de Quintanilha (Bragança), Vilar Formoso (Almeida), Elvas e Vila Verde de Ficalho (Serpa).

“O que significa que o preço base para os transportadores de mercadorias será o mesmo que existe no mercado espanhol”, sublinhou Eduardo Cabrita, que anunciou ainda para o final do mês a apresentação do plano de ação de combate à interioridade.

At http://economico.sapo.pt/