Arquivo de etiquetas: Militar

Opinião: “A Praça de Touros de Badajoz e José Sócrates”

Socrates

ArnaldoContou-me o meu Pai (mais que uma vez), que na guerra civil Espanhola (entre os fascistas/falangistas/monárquicos/católicos e os Republicanos) havia, com frequência, sessões de fuzilamento abertas ao publico (se calhar para exemplo) na Praça de Touros de Badajoz. Claro que os fuzilados eram os militantes Republicanos e os fuziladores militares das falanges de Franco.

Dizia-me ele, o meu Pai, que iam aqui da minha terra (Benavente) conterrâneos de famílias muito conhecidas (e que por isso vou omitir os nomes) assistir a esse “circo” de triste memória para qualquer pessoa civilizada. Era um gozo de satisfação que ultrapassava a obscenidade. e que transparecia nos comentários e nas descrições das execuções sumarias.
Merda de gente!

Hoje lembrei-me dessa violência ao ver as carinhas obscenamente felizes dos jornaleiros, tipo ricardo costa, ao falarem da, finalmente chegada, acusação a Socrates.
Se calhar justifica-se essa felicidade de gente que vive e respira montada no mal alheio e conhecedora da pouca vergonha que domina a PGR e o MP.
Mas uma coisa é uma acusação (muito facil) e outra coisa é a prova.
Daqui por 20 anos eu, ou alguem por mim, cá estarei para ver se essas caras, sedentas de sangue, vão continuar a vomitar ódio ou não.
Eu, ou alguém por mim, continuarei ao lado de Socrates, até que me provem o contrario.
Tenho pena desta gente!

Arnaldo da Cunha Serrão

At https://www.facebook.com

Anúncios

Opinião: “Che Guevara partiu há 50 anos”

Che

Francisco 18403331_10211207110427087_4666027307151136838_n50 ANOS

“Eu tinha 20 anos e não deixarei ninguém dizer que essa era a melhor idade da vida”. A citação de Paul Nizan, retirada do “Aden Arabia”, é vulgar, mas é pena não ser completada pelo que vem a seguir: “Tudo ameaça de ruina um jovem: o amor, as ideias, a perda da sua família, a entrada no grupo das pessoas crescidas. É duro aprender o seu lugar no mundo.”

Não sei se eram exatamente esses os sentimentos que me atravessavam nesse mês de outubro de 1967, quando me preparava para completar essa idade mítica. Conhecendo-me, não creio.

Lembro-me muito bem de ter recebido, verifico agora que com essa idade, a notícia da morte de Che Guevara, faz hoje precisamente meio século. Recordo a imagem do seu corpo indecentemente exposto na Bolívia, como relíquia de vitória da ditadura militar sobre a guerrilha.

Guevara estava já na fase em que os “dois, três, muitos Vietnam” andavam muito longe de hipóteses de concretização. Antes, andara próximo da guerrilha independentista angolana, no “ano em que estivemos em parte nenhuma”, como ele classificaria esse tempo no Congo. Cuba e a sua revolução, essas estavam já muito longe.

Tal como Fidel, Guevara nunca fez parte da minha mitologia de esquerdista. Talvez porque a revolução cubana teve lugar antes da minha idade adulta, o seu socialismo “latino” disse-me sempre muito pouco. Mas Guevara, caramba!, era “do meu lado”. Por isso, li o seu diário (edição espanhola, comprada à sucapa na Tanco, em Orense), e também o que Régis Debray escreveu sobre ele, apreciei sempre a sua bela foto feita por Alberto Korda e tenho ainda por casa esta antologia dos “Cadernos” da“Dom Quixote”, que a polícia logo recolheu pelas livrarias.

Ernesto “Che” Guevara morreu há 50 anos. Tinha 40 anos, o dobro da minha idade de então. Não seria “a melhor idade da vida”, mas era uma bela idade para apreciar as revoluções e acreditar que elas ainda eram possíveis. É que, mesmo não o sendo, as revoluções fazem para sempre parte do património dos que nelas acreditaram. E os bons sonhos não têm preço!

Francisco Seixas da Costa

At https://www.facebook.com

Câmara de Campo Maior “derruba” casas ilegais

Campo Maior 6215_demolicao-bairro-sao-sebastiao-campo-maior

Uma acção de demolição de barracas e anexos decorreu na manhã de quarta-feira, 11 de Outubro, no Bairro de São Sebastião, em Campo Maior.

Segundo o “Linhas” apurou no local, os trabalhos permitiram ‘deitar abaixo’ oito barracas e anexos que haviam sido edificados ilegalmente no bairro, o qual, recorde-se, foi construído de raiz para responder às necessidades da comunidade cigana que habitava nas muralhas da vila.

At https://www.linhasdeelvas.pt/

Opinião: “Catalunha”

FB_IMG_1507198302293Um par de “bofetadas” não resolve diferenças políticas. Mas também não sou dos que crê que o uso da brutalidade só está errada quando empregada pelos outros. Numa Europa que sempre se identificou com um sistema democrático e reformista, de eleição e instituições representativas, de respeito pela liberdade de expressão, de partidos políticos e sindicatos, uma sociedade aberta respeitadora da soberania individual, sem imposições culturais ou censuras. O que se espera dos seus intelectuais e dirigentes políticos é apenas um esforço de lucidez perante momentos de maior conturbação. Um intelectual ou um político que crê que a liberdade é necessária e possível para o seu país e sociedade não pode, por momentos que seja, achar que esta é supérflua ou que pode ser suspensa.

Este é o exemplo dos acontecimentos do passado dia 1 de Outubro na Catalunha, quando a sociedade manifesta o seu cepticismo sobre a capacidade do país preconizar no seu seio a convivência e a liberdade que fizeram dos países ocidentais o que são. Tenho no entanto a noção de que este é um problema complexo e de difícil resolução o que explica as suas incongruências e consequências.

Mas neste momento importa reflectir sobre a incapacidade de entender e lidar com certos fenómenos e equacionar e adaptar uma resposta eficaz ao momento. A violência é a linguagem da falta de comunicação entre os membros de uma sociedade, em que o diálogo desapareceu há muito ou nunca existiu. Na Catalunha este episódio tomou proporções alarmantes para o futuro da Espanha e da própria Europa. Entre as várias causas que podemos evocar, algumas são permanentes, resultantes da inoperância, não de uma mas de várias gerações, que optaram por soluções menos difíceis e de resultados inferiores.

Nãobasta para consolidar o sistema que exista liberdade de expressão, parlamentares e autarcas eleitos, independência de poderes e renovação periódica do poder executivo. A democracia dos “votos” não pode vacilar perante o peso da opinião pública. Esta exige de todos uma constante adaptação, ceder a algo para alcançar o consenso que assegura a convivência na diversidade. Alcançar isso é ser livre, é viver em liberdade, avançar, progredir, prosperar, tendo em conta o interesse de todos. Com a rectificação e emendas que evitem ou amortizem a violência, numa constante concertação dos opostos em nome da paz social.

Nuno Serra Pereira

At Facebook

Opinião: “O milagre de Tancos e os culpados”

FB_IMG_1499250816147O milagre de Tancos e os culpados.
Este é o segundo. O primeiro foi em 1916. Contemporâneo do de Fátima.
Quem souber história percebe, quem não sabe passe adiante.
Porquê milagre?
Porque roubar aquela quantidade de armas e munições, a partir do local em que aparece um buraco na rede decrépita…
é…um milagre…
O buraco a 800 metros, está lá para despistar…
É impossível o roubo ter sido efetuado sem ser com recurso a viaturas, que encostaram aos 2 paióis (que eram os mais longínquos) conduzidas por quem sabia bem o que está lá dentro, o terreno que pisa, como abrir as portas e que não havia vigilância. Nenhuma.
Acreditar o contrário?
É milagre.
Um sistema de video estar avariado há 2 anos e não ter sido reparado?
É milagre.
Já não há eletrotécnicos no exército?
Como abriram as portas?
Com as chaves claro…
Era impossível o recurso a equipamento de corte, com explosivos, gáz ou mecânicos…
Decorridos 5 dias de investigação não terem descoberto nada…
É milagre.
Não demitiram o chefe de estado maior do exército ?
É milagre!
O último foi demitido, porque o subdirector do CM, deu uma entrevista infeliz…
Agora vamos aos culpados.
Guardei paióis muitas noites.
Uma equipa de 4 militares permanecia 24 horas seguidas no paiol.
Era praticamente impossível entrar.
Quem se aproximasse e não soubesse a senha era abatido.
Era assim.
E hoje não é assim porquê?
Porque os actuais governantes que vieram todos das jotas e não queriam ir à tropa, como não foram, conseguiram capturar o estado que devia ser de todos nós, e extinguiram o serviço militar obrigatório.
E sem SMO, não existem meios para assegurar funções vitais do estado, em caso de emergência ou de tragédia, como se viu recentemente, ou sequer garantir tarefas mínimas de segurança pública, como guardar paióis.
É isto.
Está explicado o milagre e estão identificados os culpados.
Querem evitar roubos no futuro?
Reponham o SMO.
Não o façam e fiquem à espera de milagres.
Mas olhem que em Tancos, são só de 100 em 100 anos.

Varela de Matos

At Facebook

Agora, sim! Já temos o Secretário-geral do Mundo

“É com gratidão e humildade e com grande sentido de responsabilidade que me apresento hoje”, afirmou o novo secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, na sua primeira declaração após ser aclamado pela Assembleia-geral da ONU.

Os 193 países membros das Nações Unidas ratificaram em Assembleia-geral, por aclamação, a escolha de António Guterres para liderar a organização, feita em 05 de outubro pelo Conselho de Segurança, o principal órgão decisório da ONU.

At http://www.rtp.pt/noticias/mundo/discurso-de-antonio-guterres-na-assembleia-geral-da-onu_v953911