Arquivo de etiquetas: Cidadania

Artigo de opinião: “Demissão”

Luis GodinhoO velho pescador cubano – Santiago, de seu nome – está há vários meses sem conseguir pescar um único peixe, apesar de todos os dias sair para o mar. “Era um velho que pescava sozinho num esquife na corrente do Golfo e saíra havia já por oitenta e quatro dias sem apanhar um peixe”. Quando a sua sorte muda, um enorme espadarte morde o isco e arrasta o barco para alto mar, para longe, cada vez mais longe, da costa. Santiago conseguirá capturar o animal mas será subjugado pelo destino no decurso do longo regresso a casa.

“O Velho e o Mar” é uma ode poética à coragem humana, um dos mais comoventes romances de Ernest Hemingway. Valeu-lhe o prémio Pulitzer em 1953. No ano seguinte seria distinguido com o Nobel da Literatura. “O Velho e o Mar”. Li-o pela primeira vez ainda adolescente. Era, aliás, um dos livros de leitura obrigatória no secundário – não sei se continuará a sê-lo. “Por Quem os Sinos Dobram” – um relato impressionista da guerra civil espanhola – é outra das obras que me tem acompanhado ao longo da vida. “Se era assim, bem, era assim. Mas que lei me obriga a aceitar isto? E nunca pensei que pudesse sentir o que estou agora a sentir. Nem que isso me pudesse acontecer”. O livro é de 1940. E, três anos depois, ainda Hitler dominava boa parte da Europa, Sam Wood adaptava-o ao cinema, num belíssimo filme com Gary Cooper e Ingrid Bergman.

“O Velho e o Mar”, com o pescador Santiago, e “Por Quem os Sinos Dobram”, a trágica história do americano Robert Jordan por terras de Espanha, integrado nas brigadas internacionais que resistem ao avanço das tropas fascistas de Francisco Franco… até ao início da pandemia era este o meu conhecimento – muito limitado, reconheço – da obra de Ernest Hemingway. E eis que com a covid-19, o confinamento e as compras online, lá surge por inesperada obra do acaso a oportunidade de uma leitura de toda a obra – ficção, não ficção, contos e pequenas histórias – de um dos mais marcantes escritores do século XX, em novas edições da Livros do Brasil. “Às vezes, a verdadeira vitória não se pode mostrar, nem a verdadeira coragem é tão visível ou evidente quanto se pensa”. Hemingway.

Foi assim, como que por acaso, que descobri a genialidade de obras como “Ilhas na Corrente” (1970) ou “Na Outra Margem, Entre as Árvores” (1950), além, é claro, de “Fiesta – O Sol Nasce Sempre” (um romance de 1926 centrado nas festas de Pamplona) e de “Verão Perigoso” (1960), livro que resulta de uma encomenda da revista “Life” que lhe atribuiu a missão de narrar os acontecimentos extraordinários do verão de 1959, quando dois dos mais célebres toureiros de todos os tempos – António Ordóñez e Luís Miguel Dominguín – se defrontaram nas arenas de Espanha.

Claro que Graça Fonseca, a senhora que está como ministra da Cultura, não deverá apreciar a obra de Hemingway. Mas sendo ministra, e da Cultura, não é aceitável que continue a tentar impor os seus preconceitos. A tauromaquia é uma arte, tutelada enquanto tal pelo Ministério da Cultura. O Campo Pequeno abriu para deixarmos o pimba em paz. Também é tempo de Graça Fonseca deixar a tauromaquia, e já agora o mundo rural, e já agora a cultura, em paz.

Luís Godinho

At Diário do Alentejo

Artigo de opinião: “Peixinhos ignorantes e miseráveis”

Catarina TavaresA ignorância é uma página em branco que não admite discussão e teme o debate que fragiliza a sua autoridade; a autoridade que advém de nada saber. É assim, ponto. Por isso, ao longo da História as bibliotecas, os edifícios e as estátuas foram, e são, vítimas preferenciais da ignorância totalitária. Assim foi com os autos de fé e com os índexes que colocaram fora de lei o conhecimento, e assim é, ainda hoje, com a censura que cerceia o conhecimento e a criatividade em nome de religiões ou, de ideologias.

A ignorância tem uma lógica própria, uma lógica simples e aparentemente sem falhas: todos os Homens são mortais, Sócrates é homem logo é mortal. Mas ai!… Pode ser um erro crasso agir com base em pressupostos simplistas, mas no caso de António Vieira é ingratidão.

António Vieira não foi um colonialista, foi um homem do seu tempo, um visionário, e acima de tudo, um orador extraordinário. Ao contrário de muitos outros pregadores da sua época é, ainda hoje, um gosto lê-lo. Imagino o que seria ouvi-lo perorar do cimo do púlpito em apaixonado sermão… As palavras, cada palavra, pensadas à medida, as ideias arrumadas numa hierarquia perfeita. Um mestre da língua portuguesa, mais que isso, um padre que foi perseguido na sua época por se opor à escravatura e à corrupção. Não é só o seu português que é actual são muitas das suas ideias aliás, a Santa Inquisição perseguiu-o porque estava incomodada com as críticas que ele verbalizava relativamente igreja e aos poderosos. O sermão de Santo António aos Peixes, além de um clássico da literatura é uma crítica cerrada à sociedade da época com as suas vaidades, as corrupções, e os inquestionáveis poderes que subjugavam os “peixes” mais humildes.

O que diria António Vieira dos vândalos que grafitaram a sua estátua? Imagino-o, como no Sermão de S. António aos Peixes, a dizer : “…peixinhos ignorantes e miseráveis, quão errado e enganoso é este modo de vida que escolhestes” ou, talvez a perdoar num encolher de ombros. Afinal, o que é uma estátua esborratada para quem passou pelos cárceres da Inquisição?

Caminho enganoso deveras, já que muita da energia posta a destruir estátua(s) poderia ser canalizada para lutar conta a escravatura moderna já que 30 a 40 milões de pessoas são, hoje, vítimas da escravatura. Os mercados de escravos não são “coisa do antigamente” são uma realidade arrepiante dos nossos dias. Sabia que 25% dos escravos, de hoje, são crianças? Quantos dos produtos que estão nas prateleiras das nossas lojas resultam de trabalho escravo? Agricultura, minas, pescas, indústria têxtil, construção civil sectores que usam o trabalho forçado para colocar nas nossas prateleiras produtos a preços acessíveis e nós consumidores queremos ignorar, quase sempre, a dura realidade que se esconde por detrás dos produtos ditos “baratos”.

CRÓNICAS DISTO E DAQUILO
Catarina Tavares
Dirigente Sindical

At Semmais

Faleceu José Chambel Tomé

Chambel17

NOTA DE PESAR

A UGT Portalegre, através do seu Secretariado distrital e restantes Órgãos Sociais, vem por este meio manifestar o mais profundo sentimento de pesar pelo falecimento, durante a noite de hoje, do seu anterior Presidente, José Chambel Tomé, numa altura em que esta organização regional completa 10 anos.

Fundador da UGT Portalegre a 17 de Abril de 2010, foi seu Presidente durante dois mandatos, com eleição para um segundo mandato em 10 de Maio de 2014, de que decorre a inauguração da actual sede a 30 de Outubro de 2015, tendo desenvolvido as actividades na organização durante os mandatos nacionais dos Secretários Gerais João Proença e Carlos Silva.

Neste momento de dor, a UGT Portalegre solidariza-se com a sua esposa, filhos e netos, e restante família e amigos, a quem apresenta as mais sentidas condolências, e agradece todo o trabalho e dedicação prestados a esta organização ao longo destes anos.

O Presidente da UGT Portalegre

Marco António Barreto Lourenço de Oliveira

Artigo de opinião: “Reflexão sobre o toiro bravo”

FB_IMG_1593005616210

Esta reflexão que aqui vos deixo, não é mais do que um grito de alerta em defesa de um animal, o toiro bravo, que amo com todas as minhas forças e energia intelectual e, tristemente, vejo esquecido e atacado, resultado de uma ignorância que apedreja a história e a cultura portuguesa. Mas como incorrigível optimista que sou, sempre com a esperança que, aqueles que governam este país, o entendam, o percebam como um verdadeiro guardião da biodiversidade.

O momento que a tauromaquia vive é a todos os títulos dramático e para muitos profissionais insustentável. Devemos compreender de forma clara ao que é que nos enfrentamos, que tempos vivemos e o que está em jogo. A globalização, que na essência me parece ter muitos aspectos positivos, matou ou feriu gravemente a cultura de identidade de cada país ou cada região. É doentio, do ponto de vista do humanismo, impor como progresso uma proibição ao outro, um repúdio aos toiros, à caça, à pesca, à relação homem/animal. A globalização na cultura, é uma realização plena e completa de uma tendência que pretende uma única forma de sentir e perceber a vida. Planificar uma sociedade de religião ou não religião única, ou de moral única, ideologicamente homogéneas é uma atrocidade para a própria Cultura. Porque as culturas de cada lugar dão sentido às gentes, à história, à sociedade, às formas de relações humanas de cada lugar.

Mas, reconhecida que está a sensibilidade actual da sociedade para com os animais, há que compatibilizar e harmonizar o modo de pensar contemporâneo com a Tauromaquia. E aqui temos um argumento de peso, uma razão vital. Não me canso de dizer que o futuro do toureio estará a salvo quando a nossa realidade ecológica imprescindível seja conhecida, compreendida, aceitada e positivada pela sociedade portuguesa. As novas gerações internacionais sensibilizaram-se com um trabalho de sustentabilidade do planeta que a tauromaquia encerra e transporta dentro de si. Mas que se desconhece. Esta é a nossa arma secreta e por muito que nos surpreenda, ninguém a conhece. Hoje não nos reconhecem como ecologistas, mas sim como mal tratadores de animais.

No caso do toiro bravo a aspiração ecologista de que todo o animal habite o espaço próprio que exige a sua natureza, cumpre-se sobradamente e podemos afirmar que o seu status é único no mundo, muito superior ao das reservas africanas de animais selvagens, uma vez que o ganadero de bravo complementa a sua alimentação em épocas de seca extrema e controla regularmente o seu estado sanitário em cumprimento das escrupulosas disposições europeias. A sua perigosidade converte-o em guardião dos bosques, neutralizando a incursão de caçadores e recolectores furtivos, pirómanos e turistas urbanos, dando, no entanto, hospitalidade e segurança a bandos de aves migratórias e outras espécies silvestres muitas delas em perigo de extinção. Portanto, temos uma defesa de uma biodiversidade sempre actual e desejada.

As ganadarias de bravo contribuem na luta contra a alteração climática porque os montados são sequestradores de CO2 e fontes produtoras de oxigénio. A criação do toiro bravo supõe ainda uma barreira contra os incêndios porque a constante vigilância dos animais e as características de acesso às explorações dificultam a deflagração e expansão dos mesmos. E também evitam o furtivismo e limitam o acesso ao maior predador: o homem.

Como afirma Carlos Ruíz Villasuso. pode acontecer que o toureio não se mantenha pela arte do toureio, mas sim pela arte da ecologia. Que ninguém pense que pela cultura, pelo culto chegaremos a um futuro melhor. O culto é o oculto. A cultura hoje significa tão pouco nesta sociedade que, se Manolete nos parece um personagem mítico saído de um quadro de El Greco, para a maioria social nova e manipulada que não sabe sequer quem foi El Greco, Manolete é só um tipo que matava animais. Ninguém já lê Lorca, seguem os passos de uma tal Greta. Vamos por aí, joguemos esse jogo social, porque aí ganhamos por goleada.

A arte de bem tourear, como a cultura, é para paladares sensíveis, mas minoritários, sim muito sensíveis. É uma arte culta. O toureio, no actual panorama social e político, não se irá manter pelo homem, mas sim pelo animal: o toiro. Parafraseando Ramón García Aragón, o toiro bravo é uma força da natureza e sinónimo de liberdade. Não é um animal de companhia nem um peluche. É uma criatura impetuosa, forte e indómita que vive e morre segundo seu instinto natural. É sinónimo de liberdade, de horizontes e espaços abertos; natureza em estado puro. Além do paraíso em que vive, goza de privilégios que nenhum outro animal tem. O homem do campo vigia-o e cuida-o durante toda a sua existência. Ninguém ama mais o toiro bravo do que aquele que o viu nascer e o cuida. Cada toiro tem nome próprio e uma história familiar ao longo de gerações, não se trata de 500 ou 600 kgs de carne para o matadouro. Não é quantidade, é qualidade.

A ganadaria brava e o mundo rural em geral sofrem actualmente uma agressão brutal baseada numa falsidade e manipulação ao serviço de interesses espúrios e ditatoriais. Para eles, este animal e o paraíso natural onde vive nada importa em realidade. Utilizam-no somente para outros fins porque não o conhecem nem o amam. A ganadaria brava não pode acabar num túnel escuro de um matadouro, seria um final sórdido e humilhante, o sentido da sua vida é a lide que lhe dá uma dimensão heróica. O toiro bravo é arte e, portanto, também é cultura e é liberdade. A sua destruição é um massacre cultural e ecológico.

Devemos, portanto, anteciparmos-nos à possível jogada de bastidores políticos, cuja habilidade para mudar os direitos constitucionais a seu gosto, alguns políticos de uma escassa minoria parlamentar já demonstraram grande apetência. Por isto mesmo, os nossos direitos devem basear-se, mais para além de uma lei que existe, mas que incrivelmente não se aplica, não nos defende e que pode ser manipulável, deve basear-se dizia, numa realidade de um ecossistema, o ecossistema do toiro bravo, que tem uma relevância de primeira ordem a nível histórico, antropológico, cultural, social, turístico, económico, artístico e de meio ambiente em Portugal.

Repudio e renego a sociedade sem alma dos animalistas. Uma sociedade sem alma onde o bem não admite outro bem que não seja a sua ideia de bem. A ideia do bem-estar único é Hitler, Stalin, sim. Deles. De Bin Laden e Maduro. Sim. A ideia de que me hão de impor um modelo de sociedade único como única lei e moral e única verdade recorda-me o malfadado sectarismo histórico que perseguiu a inteligência do humanismo. Que perseguiu a liberdade de pensamento. O sectarismo intolerante dos partidos políticos portugueses que defendem o animalismo e ambicionam impor a sua lei, deve ser travado com toda a determinação pela maioria democrática e tolerante.

Assisto estupefacto às ameaças de perseguição e regulação administrativa que sofre a festa dos toiros e todos aqueles que não encaixam na moral única desta nova raça de inquisidores que possuem a sua própria cruz gamada. Temos sempre que colocar o humanismo à frente do animalismo; ainda há pouco, escutando o cardeal Tolentino de Mendonça, uma das mentes mais brilhantes de Portugal, no discurso do 10 de Junho, ele afirmava “… a comunidade desvitaliza-se quando perde a dimensão humana, quando deixa de colocar as pessoas no centro…”

O facto de ser aficionado à festa dos toiros, nunca ofuscou a minha curiosidade sobre as questões éticas ligadas à relação homem/animal na tauromaquia e de considerá-las extremamente importantes. Seria de todo imprudente, que aqueles que conhecem a corrida não se preocupassem do estatuto ético do animal e deixassem o terreno desta reflexão, àqueles que a não conhecem. Em realidade, para se emitir uma opinião fundamentada sobre qualquer questão, neste caso um espectáculo, é necessário entendermos esse mesmo espectáculo. Os que à priori se negam ao seu entendimento, evocando um excesso de sensibilidade, podem presumir do que quiserem menos de entendimento. Poderão presumir se quiserem, de uma sensibilidade instintiva, primária, rudimentar, no fundo reflexa como a de um animal qualquer e reflectem mais depressa um déficit de sensibilidade do que, como afirmam, um excesso de sensibilidade.

Nas cidades já não existe a palavra ganadero e a de agricultor é uma relíquia! E tudo porque a paixão foi desterrada das nossas vidas. O homem cada vez mais, é um aspirante a ser um ninguém. Só com paixão se pode vencer o medo a fracassar. A paixão não é rentável, mas é algo extraordinário! Séneca, o mais estoico dos filósofos, disse que um homem sem paixão está tão perto da estupidez que só lhe falta abrir a boca para nela cair. Esta forma de nos mentirem para nos proteger. Este modo de domesticar a vida e a morte. Essa forma de ocultar a paixão não vá acontecer, que seja boa e peçamos bis. A mesma forma de nos subtraírem a dor. Porque dói.

Esta é uma sociedade onde não têm lugar os poetas, a literatura, a pintura, o génio, o carácter, o talento, o medo e o valor. Um homem de literatura como Miguel Delibes disse que “a Cultura nasce nas vilas e aldeias e destrói-se nas cidades”. Décadas antes um genial Garcia Lorca tinha afirmado que “as vilas e aldeias são livros. As cidades, jornais mentirosos”. Manter a Festa dos Toiros é, entre outras coisas, uma forma de conter a fuga das gentes das aldeias tão abandonadas de vida e de fé em si mesmos. Numa aldeia, o povo possui uma cultura nobre, humana e incorrupta. Numa época onde o correcto é a fronteira dos êxitos só posso “mandar às urtigas” o correcto. O atávico deve manter-se sempre para que o ser humano não seja uma invenção da sua intenção de endeusar-se, de ser protector de um mundo que nós mesmos estamos destruindo impondo-o ao ser humano tecnologicamente abúlico, ditando normas do que deve ou não existir para ser um ser humano; e nisso cai a obsessão de acabar com o toiro bravo.

O homem empenha-se em repudiar tudo o que o perturba. Estamos a insistir em prescindir de tudo aquilo que resulta embaraçoso para uma moral inflexível e única, rígida e granítica. Uma sociedade que se desembaraça daquilo que a agita, converte-se num rebanho de borregos. Nunca vi uma sociedade que tolera tudo o que lhe mandam fazer e tão intolerante com aquilo que os que mandam dizem para não tolerar. Nunca vi uma comunicação social tão vendida e alinhada à nova ordem mundial. Viver sob o tecto sombrio do aceitado é não aceitar que somos capazes de ter inteligência e criatividade. Liberdade. Todas as artes, liturgias ou criações são imperfeitas porque a perfeição só existe na mentira. A perfeição é a mais abominável das imposturas, é o fim do ser humano. Um toiro bravo e um toureiro, uma arena com o seu público, são o mundo imperfeito, selvagem por ser sensível, puro por ser verdadeiro, porque na arena tudo é verdade, morre-se de verdade, não se representa. Não é o animal toiro que desajusta a sociedade, é o animal homem que a deixa perplexa: a morte que pode acontecer numa arena. Tão irracional?! Que os assusta. Pois é precisamente isso que engrandece a Festa dos toiros, é precisamente isso que esta sociedade doente não entende.

O toureio é pura actividade apaixonada sem explicação razoável ou cartesiana ou lógica ou matemática. O toureio não oculta o que esta sociedade oculta porque não domina, porque lhe dá medo: a vida e a morte. A paixão pode matar, mas seguramente faz viver. E isso, a esta sociedade, dá-lhe pânico.

Meus amigos, escondermos-nos não tem afinidade nem com o toureio, nem com os aficionados, nem com os jornalistas. Pepe Alameda escreveu que o toureio não é uma graciosa fuga, mas sim entrega apaixonada. E é bom que as pessoas tomem consciência que isto do toureio não mancha nem suja e é muito digno e mais culto e sensível que muitas das artes bem subsidiadas pelo estado. E não esqueçam que os inimigos do toureio jamais viveram ou viverão nem do seu talento, nem da sua valentia, mas sim do nosso medo atávico e histórico.

Poderão proibir-nos as flores, mas não deterão a primavera!

Galeana, Junho de 2020

Joaquim Grave

(fotografia de Francisco Romeiras, na herdade da Adema – Palha)

At https://sol.sapo.pt/

Relembrando os eventos de 22 de Junho de 1924

Silves luta

Corria o já distante ano de 1924. Em luta pela melhoria das suas condições de vida, a greve dos corticeiros prolongava-se no tempo. Sem salário, começa a estar em causa a satisfação das necessidades básicas. A fome atinge as famílias operárias e a solidariedade social organiza-se espontaneamente tentando suprir as necessidades alimentares, protegendo em especial as crianças e a sua saúde. Por todo o Algarve, do Sotavento ao Barlavento, há quem se proponha receber os filhos dos corticeiros de Silves. Centenas de crianças são deslocadas e acolhidas junto de famílias solidárias, de Vila Real de Santo António a Lagos.
Terminada a greve organizou-se o regresso das crianças e fixou-se a sua recepção num domingo, 15 dias depois de retomada a normalidade.
Por volta das oito da manhã, aguardando a chegada do comboio proveniente de Lagos, no largo da estação dos caminhos de ferro que serve Silves, a cerca de dois quilómetros da cidade, as famílias e alguns amigos aguardavam a chegada das crianças. O comboio da zona do Sotavento, onde se acolhera a maioria das crianças, só chegaria lá para o meio-dia. Resolveram descer à cidade.
Ao longo do percurso, mais gente se foi juntando. À entrada na cidade já o grupo se apresentava como um cortejo alegre e barulhento, com vivas e cantos que expressavam a alegria do reencontro das famílias e que inundavam de emoção todos os que vinham às janelas para ver o que se passava e os outros que se animavam a participar na recepção.

José dos Reis Sequeira, operário corticeiro e militante anarco-sindicalista, que viveu o acontecimento, no seu livro Relembrando e Comentando, numa edição de “A Regra do Jogo”, 1978, descreve assim os acontecimentos que se seguiram:


  • Os industriais e mais senhores ricos da terra não gostaram do acontecido. Sentiram-se comprometidos por terem dado ocasião a que isto viesse a dar-se. E calcularam que à chegada do outro comboio seria pior, já porque a hora era outra e também porque o número de crianças a chegar do lado do Sotavento era muito maior. Temendo isso decidiram pedir às autoridades para impedir o cortejo. Isto é o que se supõe.
    De todas as zonas da cidade se encaminhava gente para a estação de caminho de ferro. O comboio era um pouco depois do meio-dia mas chegou um pouco atrasado.
    Eu, de manhã, não tinha participado no cortejo mas agora iam chegar as minhas irmãs, não podia faltar. O largo fronteiriço à estação transbordava de gente. A recepção não é possível descrever: risos, choros de alegria, chamamentos, gritaria descontrolada e vivas de entusiasmo, tudo num ruído amalgamado e ensurdecedor.
    Depois da partida do comboio começou a marcha a caminho da cidade.
    A estrada depois de descrever uma curva corta um cerro pelo meio da encosta, em sentido longitudinal. Pela nossa direita o cerro sobe até ao cume. Pela esquerda, um muro de pouco mais de 50 cm de alto, defende a estrada da vertente, bastante declivosa, que desce até às hortas e ao rio.
    O cortejo era maciço. Em Silves, eu, nunca vi tanta gente junta. A primeira parte do percurso fez-se numa animação incontida e transbordante; mas quando a cabeça do cortejo dobrou a curva, começou-se a divisar o aparato bélico das forças da guarda republicana, distribuídas estrategicamente: infantaria à direita, na parte superior da encosta de armas aperradas, em linha de atiradores; ao fundo a cavalaria barrava a passagem na estrada. Restava-nos a vertente da esquerda, o desfiladeiro defendido pelo muro, mas possível de saltar por ser baixo.
    A notícia correu célere até à cauda. Um aviso circulou: «mulheres e crianças para a frente!» Isto, na ideia que os mercenários teriam um pouco de respeito pelos inocentes. Terrível ilusão!
    A movimentação fez-se mesmo em marcha. E um silêncio temeroso e de expectativa tomou o lugar da alegria esfusiante de até então. A marcha continuou. Nisto, o comandante da força desceu à estrada e ordenou dispersão imediata. Alguém na frente objectou que não havia outro caminho e que se passaria calado. A marcha continuou, convencidos que calados, não prejudicariam ninguém. Mas o tenente sobe para junto da força e ordena fogo. A primeira descarga foi cerrada e a fuzilaria continuou um pouco desencontradamente. Ao mesmo tempo avança a cavalaria em carga brutal sem respeito pelas mulheres e crianças.
    Faltam-me recursos para poder descrever o pânico causado por esta inqualificável patifaria. Foi simplesmente horrível. Os que não foram atingidos pelas balas, pelas patas dos cavalos, ou pelas espadeiradas, rolavam pela vertente da esquerda depois de saltar o muro. A confusão era enorme; gritos de dor e aflição; crianças que choravam aleijadas e perdidas da família. Os que não caíram debaixo das patas dos cavalos, caíram desequilibrados na íngreme encosta e raras foram as pessoas que não se feriram duma ou doutra maneira.
    Das balas houve um morto e diversos feridos de mais ou menos gravidade que foram hospitalizados.

José dos Reis Sequeira continua a descrever “o alvoroço e o espanto” que dominou a cidade. No dia seguinte, com o funeral da vítima marcado para muito cedo, a população assistiu de novo à barragem da guarda, impondo que o funeral se realizasse sem acompanhamento. Descreve ainda os protestos que se seguiram, as prisões que se sucederam, a saída dos presos sob fiança, a aguardar julgamento e finalmente a audiência em tribunal, com a defesa do advogado Campos Lima, do Conselho Jurídico da Confederação Geral do Trabalho (CGT), e a absolvição dos que a GNR tinha aprisionado.

Henrique Martins

22/06/2006

At http://blogal.blogspot.com/

Opinião: “O Jovem Conservador de Direita não tem noção alguma do país”

Raquel 9719966António-Coimbra-de-Matos-e-Raquel-VarelaContaram-me que um site chamado Jovem Conservador de Direita (não conhecia, confesso) terá feito umas piadas sobre mim quando referi na RTP que hoje os filhos dos pobres têm bons telefones, ser rico é ir para acampamentos ao ar livre, portanto o problema central da educação não está em ter acesso às tecnologias, expliquei. Ele tem que produzir materiais e tentou argumentar que eu era uma intelectual da esquerda caviar, que viveria num castelo, e que não sabe que os pobres não têm bons iPhones. Ao que parece a coisa teve muitos comentários e partilhas. Conheço algo da sociologia do país e pertenço, infelizmente, a uma “elite” intelectual. Os filhos dessa “elite” nunca tiveram Play-Station, já conhecem metade dos países da Europa com 18 anos, todos os grandes museus, e qualquer semana de férias num ATL de surf não custa menos de 200 euros, por semana, 350 se for com dormidas, dois filhos são um salário mínimo por semana. O simples acto de ir ao cinema com pipocas dois filhos custa 20 euros, ou 30 euros se for com jantar. Só uma elite o faz. Vão também a Inglaterra uma vez na vida passar 15 dias num lugar idílico, custa 4000 euros, 13 Play Stations.

Os filhos dos outros, a larga maioria de quem trabalha, estão na TV, no Telefone e na Play Station – e aí que vão passar as férias e é aí que passam os dias, sozinhos. A vida de quem vive do trabalho cabe num telefone e numa consola. Por isso não é vida alguma.

Nada é tão barato na educação de filhos como um bom telefone. Este fim de semana fomos visitar o Palácio da Pena, a entrada-família custou 49 euros!, se somarem o almoço, 18 euros por pessoa, nenhum luxo, a gasolina e os magníficos travesseiros da Piriquita só numa manhã teríamos comprado uma Play Station. Sim, as classes trabalhadores, mesmo as qualificadas, estão com estes salários condenadas a ver os seus filhos terem os cérebros destruídos em horas de carregar num polegar a que chamam jogos, mas não há nada de “brincar” em algo assim. A brincar estão algumas, poucas, crianças e jovens, em acampamentos divertidos que custam por semana um salário mínimo. Não é preciso ser um estranho adepto de Permacultura ou vegan – eu não sou. Há uma linha que separa hoje quem brinca e quem vê os outros brincar. Do lado dos obesos, ou dos sem sociabilidade, dos que passam as tardes sozinhos, dos analfabetos-motores, estão cada vez mais crianças e jovens.

O Jovem Conservador de Direita não tem noção alguma do país, mas ao que parece tem milhares de seguidores (não surpreende). Os quais se entregaram a despejar insultos contra mim porque, segundo o JCD, eu sou uma intelectual da esquerda caviar que não sabe como vivem os “pobrezinhos”. Parece que tem sentido de humor. Como sou adepta do riso, porém, aconselho-o hoje a fazer uma piada com os incentivos políticos a que se viaje cá dentro este ano. Com estes salários não há mercado interno, a larga maioria dos portugueses não terá como viajar cá dentro. E, creio, a maioria nunca visitou ou visitará o Palácio da Pena. Era com isso que um néscio como o JCD devia preocupar-se e menos com os “intelectuais da esquerda caviar”. Já devia ter compreendido, a esta altura da vida, que os intelectuais da esquerda caviar têm tanto de amor à classe trabalhadora como de desprezo aos tipos que escrevem na internet ou comentam nos media baseados em superficialidades, eles são aliás a nossa barrigada de rir favorita em qualquer bom jantar da esquerda caviar, os ignorantes atrevidos. Todo o nosso saber, aqui na esquerda caviar, é mobilizado a favor de quem-vive-do-trabalho, e usado para escarnecer de cretinos como ele que adoram comentar a vida do país e não conseguem dar um sinal de vida inteligente dentro de si ou de conhecimento da realidade.

Agora regressamos ao que importa: como garantir que todas as crianças e jovens em Portugal podem voltar a brincar, socializar, conhecer o país, fazer excursões, ter amigos reais. Essa é a nossa questão, que urge. Tem que haver, como diz o professor Carlos Neto, um programa nacional que decrete o estado de emergência de brincar. Temos que desprivatizar o brincar, e socializar o acesso à cultura e ao património natural e histórico.

Raquel Varela

At Facebook

Artigo de opinião: “Os Amigos Nunca São para as Ocasiões”

Miguel Esteves CardosoOs amigos nunca são para as ocasiões. São para sempre. A ideia utilitária da amizade, como entreajuda, pronto-socorro mútuo, troca de favores, depósito de confiança, sociedade de desabafos, mete nojo. A amizade é puro prazer. Não se pode contaminar com favores e ajudas, leia-se dívidas. Pede-se, dá-se, recebe-se, esquece-se e não se fala mais nisso.

A decadência da amizade entre nós deve-se à instrumentalização que tem vindo a sofrer. Transformou-se numa espécie de maçonaria, uma central de cunhas, palavrinhas, cumplicidades e compadrios. É por isso que as amizades se fazem e desfazem como se fossem laços políticos ou comerciais. Se alguém «falta» ou «não corresponde», se não cumpre as obrigações contratuais, é logo condenado como «mau» amigo e sumariamente proscrito. Está tudo doido. Só uma miséria destas obriga a dizer o óbvio: os amigos são as pessoas de que nós gostamos e com quem estamos de vez em quando. Podemos nem sequer darmo-nos muito, ou bem, com elas. Ou gostar mais delas do que elas de nós. Não interessa. A amizade é um gosto egoísta, ou inevitabilidade, o caminho de um coração em roda-livre.

Os amigos têm de ser inúteis. Isto é, bastarem só por existir e, maravilhosamente, sobrarem-nos na alma só por quem e como são. O porquê, o onde e o quando não interessam. A amizade não tem ponto de partida, nem percurso, nem objectivo. É impossível lembrarmo-nos de como é que nos tornámos amigos de alguém ou pensarmos no futuro que vamos ter.
A glória da amizade é ser apenas presente. É por isso que dura para sempre; porque não contém expectativas nem planos nem ansiedade.

Miguel Esteves Cardoso

in ‘Explicações de Português’

At https://ospontosdevista.blogs.sapo.pt/

Opinião: “Inqualificável processo de retenção obscena por parte do Estado”

João Sedas NunesMinha mãe morreu ao começo da noite de dia 23 de maio em casa. Por imperativo legal, na madrugada de 24 o seu corpo foi levado para o Instituto de Medicina Legal para se proceder à autópsia que determinaria a causa de morte e despistaria a presença no organismo do Covid-19. Já depois de ter facultado às autoridades que intervieram no processo todos os dados que me foram solicitados (incluindo número do telemóvel), por duas vezes indaguei se deveria contactar o Instituto de Medicina Legal para apurar quando poderia resgatar o corpo. Por duas vezes foi-me categoricamente dito que me deveria abster dessa iniciativa, aguardando comunicação do Instituto de Medicina Legal que seria realizada mal a autópsia fosse concluída.

Ontem, dia 3 de junho, cerca das 17:00, isto é, quase 11 dias transcorridos desde o episódio atrás descrito, por iniciativa privada, “descobri” que os procedimentos da autópsia haviam sido finalizados no dia 25 de maio, estando dessa data em diante o corpo em depósito no IML a aguardar que a família o fosse buscar.

Honestamente, neste inqualificável processo de retenção quase diria obscena do corpo de minha mãe numa qualquer câmara frigorífica no IML não sei a quem imputar a responsabilidade principal. Às autoridades presentes no local do óbito – agora, a posteriori, tenho de pôr a hipótese de que me tenham informado erradamente – ou ao Instituto de Medicina Legal?

Em qualquer caso, há aqui algo profundamente errado no modo como o Estado, num momento tão delicado, organiza a relação com a família. Seja qual for a origem da falha, espelha um princípio de indiferença pelo sofrimento dos cidadãos na hora do passamento dos seus grandes afectos.

Trago isto a público (enfim, tanto quanto este estaminé é público), não para demandar reparação (ou pedido de desculpas), mas para contribuir para a tomada de consciência de uma forma extrema de desrespeito que dificilmente pode ser “compreendida” sem invocar a impunidade do funcionário que, investido de um poder de Estado, não prestas verdadeiramente contas a ninguém. Contribuir, pois, para tornar intolerável a persistência da gramática do desprezo na ação realizada em nome do Estado e do bem comum.

João Sedas Nunes

Filho de Maria Velho da Costa

At https://www.facebook.com/