Arquivo de etiquetas: Transfronteiriço

Forcados e toureiros também vão a Elvas amanhã

 

maxresdefaultOs chefes de estado de Portugal e Espanha vão estar presentes, amanhã, dia 1 de Julho, na cerimónia de abertura das Fronteiras. Os presidentes da ANGF e o da ANT apelam a que todos os profissionais da tauromaquia estejam presentes no Castelo de Elvas, pelas 10h30, onde se vai realizar a cerimónia.
“Mesmo sendo em cima da hora era bom estarmos presentes para continuarmos a ser vistos e reivindicarmos aquilo a que os nossos governantes nos têm vindo a privar, medidas de retoma da actividade iguais aos restantes sectores culturais. Devermos estar as 10h00 junto à entrada do castelo de Elvas. É importante a presença de todos os que se puderem juntar. Deveremos ter especial atenção ao distanciamento social e ao uso de máscara”, revela o comunicado da ANGF.

Tauronews contactou o presidente da ANGF, Diogo Durão, que irá estar presente na cerimónia. “Embora seja um dia de trabalho normal e numa altura em que precisamos todos de trabalhar, espero que os que são profissionais do sector da tauromaquia estejam presentes”, começa por revelar Diogo Durão. E acrescenta: “Os Forcados, embora sejam amadores vão estar presentes”.

Quem também vai marcar presença são os toureiros, segundo Nuno Pardal, Presidente da Associação Nacional de Toureiros que avança à Tauronews: “Já convoquei todos os profissionais a estarem presentes pelas 10h15 ao pé do Castelo de Elvas. Eu vou estar presente e acredito que os toureiros também vão, afinal temos que continuar a lutar pela tauromaquia!”.

At Facebook

Os Verdes amanhã em Elvas em contestação contra Almaraz

FB_IMG_1593523660061

☢️ ALMARAZ

ENCERRAR #ALMARAZ! – Amanhã em #Elvas – Voz de Os Verdes na Abertura das Fronteiras!

🌻 #OsVerdes marcarão presença, amanhã de manhã, durante o decorrer das cerimónias oficiais de reabertura das fronteiras, junto ao Caia, em Elvas, a exigirem o encerramento de Almaraz.

Leia aqui: http://www.osverdes.pt/pages/posts/encerrar-almaraz—amanha-em-elvas—voz-de-os-verdes-na-abertura-das-fronteiras-11095.php

At Facebook

Portugal mantém encerrada a Raia por mais dez dias por “vingança” em resposta às unilateralidades do Governo espanhol

Espanha abrirá as suas fronteiras com os países do espaço Schengen no próximo dia 21 de Junho, excepção com Portugal, que ocorrerá a 1 de Julho. Como forma de compensação haverá uma celebração deste reencontro ibérico na fronteira Badajoz/Caia, na ponte José Saramago e onde estarão os dois chefes de estados e os dois chefes de executivo. Este reencontro histórico acontecerá na data em que se cumprem os dez anos do falecimento do autor da “Jangada de Pedra”.

Estes dez dias adicionais do encerramento de fronteiras, entre 21 de Junho e 1 de Julho, é o preço que pagamos por falta de coordenação Ibérica que é vista pelas inúmeras unilateralidades do governo espanhol. Ainda que a decisão final seja consensual, prevaleceu a posição portuguesa. A diplomacia espanhola assumiu, em declarações ao diário português Público, que “meteu a pata na poça”. Este já vem detrás e muitas foram as vezes que erraram. No El Trapézio temos estado a avisar e a criticar tais acontecimentos e inclusive publicámos um editorial em vídeo onde denunciamos esta situação.

Na realidade, esta história deveria ter sido diferente. A abertura da Raia deveria ser realizada ao mesmo tempo que no resto da Europa. O ideal deveria ter sido com uma semana de antecedência em relação ao resto da Europa. Isto marcaria a singularidade Ibérica positiva e não negativa, como tem sido imposta com as más práticas. Esta justa vingança da diplomacia portuguesa é natural e responde na linguagem diplomática há já muito tradicional relação luso-espanhola. Não existe justificação epidemiológica para atrasar a abertura das fronteiras para lá do dia 21 de Janeiro, quando o ministro português da administração interna ligou esta abertura ao fim do estado de alarme espanhol.

Portugal precisa dos turistas espanhóis mas fez bem em não esquecer o desprezo da omissão do governo espanhol. Essa experiência negativa deve obrigar o Executivo espanhol a mudar o seu desenho institucional no sentido de organizar uma equipe ou um representante sénior que tenha como responsabilidade as relações com Portugal (incluindo a Raia) e impedir que a agenda mediática espanhola e a sua dinâmica acabem por esmagar as relações ibéricas. Temos que deixar claro que não basta ter uma embaixada.

As fronteiras terrestres entre Portugal e Espanha vão manter-se encerradas até ao dia 30 de junho. Mas, de avião, já pode viajar de Portugal – mais concretamente de Lisboa – para alguns países de todo o mundo – o que não quer dizer que nos outros as fronteiras aéreas estejam encerradas. Segundo o Sol apurou, se pretender viajar para fora de Portugal, há voos disponíveis para Paris (França), Londres (Inglaterra), Amesterdão (Holanda), Frankfurt (Alemanha), Dublin (Irlanda), Zurique (Suíça), bem como para algumas cidades do Luxemburgo, Áustria, Roménia e Hungria. Para o continente africano, é possível voar até Luanda, em Angola.

Nenhum país encerra fronteiras por causa dos seus próprios casos positivos (e menos ainda por um leve crescimento como o que aconteceu na Grande Lisboa), como foi afirmado em alguns meios de comunicação espanhóis para justificar a medida de Portugal.

At https://eltrapezio.eu/

Cláudia André critica “política de ziguezague” dos governos socialistas sobre a Central Nuclear de Almaraz

cláudia-andré

Cláudia André, deputada do PSD eleita pelo distrito de Castelo Branco, questionou o ministro do Ambiente e da Ação Climática, na Comissão de Ambiente, Energia e Ordenamento do Território, sobre a Central Nuclear de Almaraz.

Destacando a proximidade da Central de Almaraz da região albicastrense, a social-democrata criticou o facto de o Governo de José Sócrates não ter conseguido “evitar a renovação da licença até 2020”, situação que se repete com “o Governo de António Costa, que não consegue evitar a renovação da licença até 2028”, como se lê em nota enviada à nossa redação. Para a deputada, “a acrescentar a todos estes fracassos da diplomacia do Governo português, está a instalação do armazém de resíduos nucleares em Almaraz, construído nestes últimos dois anos, e que não se conseguiu evitar”.

Cláudia André referiu-se aos “69 incidentes na última década, alguns dos quais contaminaram as águas do Tejo”. Assim, a deputada afirma que a “política de ziguezague do Governo sobre este tema revela a ausência de estratégia relativamente à abordagem com o Governo espanhol, bem como uma ausência de preocupação, não só, com as populações do distrito de Castelo Branco, Portalegre e Santarém como também com todo o território da bacia hidrográfica do tejo”.

Cláudia André considera mesmo que “existe uma declarada contradição entre a estratégia diplomática e uma estratégia energética nacional, nomeadamente em relação ao recuo ou à não prioridade nas interligações energéticas com Espanha”.

Lamentando que o Governo não tenha conseguido evitar o prolongamento da vida da central nem evitar a construção do aterro de resíduos radioativos, a deputada do PSD quis saber que vantagens o Governo português terá conseguido para Portugal, a fim de compensar os riscos iminentes.

At http://www.radiocastelobranco.pt/

Catarina Eufémia, 26 anos!

Catarina oposio-e-poltica-3-638

19.5.1954 – Catarina Eufémia, camponesa alentejana, é assassinada a tiro pela GNR, durante uma manifestação de trabalhadores rurais por aumento de salário. As camponesas, reivindicavam o aumento da jorna de 16 para 23 escudos. Assassinada pelo regime, grávida e com uma criança de oito meses ao colo, Catarina tornar-se-ia num dos principais rostos da luta anti-fascista! – Jorge Miranda, at https://m.facebook.com/.

Artigo de opinião: “Será que não aprendemos nada?”

António Tereno - BarrancosTerminado 2019, com tudo o que teve de bom, ou de mau, não será tempo de reflectir, analisar situações menos boas para a tauromaquia, como o sistemático adiar de decisões firmes que deveriam ter sido tomadas em defesa desta Cultura que nos continua a apaixonar, e que muitas vezes tão descuidada por nós é?

Parece-me que muito do que neste espaço dissemos, e das propostas que apresentámos, caiu em saco roto! Não houve coragem para “pegar o toiro pelos cornos”, de dizer alto e bom som o que queríamos, que futuro desejaríamos para o mundo dos toiros, se calhar perdemo-nos pelo caminho. Mas será que assim vamos a algum lado?

Após o imbróglio da situação vivida na Direcção da RTP, com afirmações de determinados responsáveis a defender o corte nas transmissões de corridas de toiros de forma prepotente, como se voltássemos a uma ditadura encapotada. Ditadura de opinião com claro menosprezo das regras democráticas através da apropriação de um importante órgão de comunicação social como a televisão pública, neste caso manobrada por homens de mão do animalismo. Sempre com o beneplácito da ministra da “incultura antitaurina”, a mesma que eu através de Carta Aberta, datada de 1-11-2018, pedi que se demitisse por ter ofendido a Tauromaquia no seu todo – claro apadrinhada pelo Primeiro-Ministro que tendo-se aproveitado desta cultura e da sua projecção em determinada altura, agora que já está no poder a renega. E que vivam os princípios morais!

Agora é proposta uma nova direcção presidida pelo jornalista António José Teixeira, que esperamos respeite todos os que gostam de ver corridas na televisão pública.

Tristemente, voltamos ao Index (instituído em 1559, no Concilio de Trento) da Inquisição de triste memória, á censura nua e crua?

Agora toca-nos a “fava” do aumento do IVA das touradas para 23%, o inevitável e cínico retorno da proposta, agora subtilmente integrada no OE 2020 a ser discutido e aprovado na Assembleia da República, com o apoio dos que mais combatem tudo o que lhes cheira a taurino.

Num País em que o Governo privilegia a injecção continua de milhões de euros (entre 22 a 24 ME) nos Bancos, em detrimento das melhorias na saúde, nas forças de segurança, na educação, nos salários e pensões miseráveis que nos colocam na cauda da Europa, está tudo dito! Será que o aumento do IVA dos espectáculos tauromáquicos vai ser a tábua de salvação do famigerado OE, ou será apenas o pôr-se de cócoras ante o animalismo?

Valham-nos as desassombradas afirmações do advogado e fiscalista Tiago Caiado Guerreiro, nas recentes Jornadas Parlamentares do PSD sobre a dita medida que consta da proposta do Orçamento de Estado: “As corridas de toiros são algo com mais de dois mil anos e que está representado na nossa História. Como é que se pode acabar ou através desta medida perseguir as touradas? Podemos não gostar delas mas não se destrói assim a cultura. Não há direito.”

Mostra-nos também o maquiavelismo com que o Governo encara a nossa realidade taurina, e como “manda ás malvas”, esta forma de expressão cultural, sem qualquer pudor, e apesar de estar consagrada na nossa Carta Magna, a Constituição Portuguesa. Uma vez mais ficámos a dormir!

Deveríamos ter visto todos no Canal TOROS, o excelente e pedagógico debate moderado pelo jornalista Rúben Amón e que contou com a participação do matador de toiros Luís Francisco Esplá, o Presidente da Federação de Peñas Taurinas da Catalunha Paco March, e o escritor e filósofo francês François Zumbiehl. Com tais intervenientes o debate foi esclarecedor, teve a qualidade que hoje falta nos nossos debates/colóquios, definiu a realidade taurina como se vive em Espanha, França, Portugal e América Latina e o importante papel dos municípios franceses na preservação da tauromaquia citando como exemplos a diversidade politica dos Maires de Arles (comunista) e Béziers (extrema direita), ambos defendem a mesma Festa e reivindicam a afirmação de identidade cultural do sul de França. Formas de ver e sentir a tauromaquia, a população destas zonas tem um sentimento de pertença, a Festa é algo seu e participa activamente.

Mais, alguém disse que a tauromaquia é cultura popular e deveria viver alheia ás ideologias políticas. Todos participam, todos sentem e vivem a corrida, porque ela faz parte da vida da cidade!

Aqui ao lado, em Espanha, a capital e referência do toureio apeado, com a formação do novo governo do socialista Pedro Sánchez, e com o líder do Unidas Podemos Pablo Iglesias com Vice-Presidente, devemos preocupar-nos seriamente pelo que se avizinha, tendo em conta que este político é um animalista confesso e opositor a tudo o que seja tradição popular!

Os ventos que correm não são bons, em todo o mundo taurino sucedem-se os ataques organizados e violentos contra a nossa forma de estar e viver esta arte ligada aos toiros. Quero ser optimista, mas estaremos devidamente organizados para responder aos mesmos? Tenho sérias dúvidas, e apenas responder não basta.

É preciso tomar a iniciativa, ou será que ainda não aprendemos nada?

António Sereno

At https://toureio.pt/