Arquivo de etiquetas: Beira

Castelo Branco sobre as portagens da A23

Hortense 31253012_10210194760859326_2449297038613938176_nVotei a favor dos projectos de resolução do PCP e do BE, que recomendavam ao Governo a eliminação das portagens na A23. Esta foi a votação dos deputados do PS eleitos por Castelo Branco, não votando com bancada parlamentar. Assumi mais uma vez este voto, com convição de justiça para com a nossa região e as populações do interior. Esta é a minha conviçao pessoal acerca da justiça para com a nossa região, numa Scut que foi construída em cima do IP aí existente. 

O compromisso eleitoral assumido pelo PS, foi no sentido da redução das portagens, algo que se iniciou já, com descontos de 15% para ligeiros e também para pesados e que tem que continuar. Anunciei uma Declaração de Voto a este respeito, com os detalhes da nossa votação. Mais uma vez, os deputados do PSD eleitos pelo distrito, se revelaram, votando contra. Como aliás sempre fizeram, quando defenderam o principio do utilizador pagador. Neste momento, as votações ainda decorrem, num total de mais de 80 paginas, assim culminando as votações nesta sessão legislativa.

Hortense Martins

At https://www.facebook.com/

Anúncios

Missionários com casa em Nisa têm novo Vice Superior Geral

Jose Antunes 3933O sacerdote português, nascido em Maxial do Campo, Castelo Branco, acompanhará de perto o padre Paulus Budi Kleden, eleito Superior Geral há dois dias, no 18º Capítulo Geral dos Missionários do Verbo Divino, que realiza até 14 de julho, em Nemi (Roma).

José Antunes da Silva foi ordenado presbítero em 1984.

De 1986 a 1989 viveu, segundo revela, os anos mais marcantes da sua vida. Foi em terras africanas, na missão de Kintampo, Gana.

Fez estudos superiores em Ciências da Religião, nos Estados Unidos, de 1990 a 1992.

De 1992 a 2003 dedicou-se à pastoral universitária, em Guimarães.

De 2003 a 2007 fez parte da comunidade de Fátima, tendo acompanhado mais de perto o trabalho com os leigos missionários e com maior dedicação à revista Contacto svd.

Em 2007 foi eleito Superior Provincial, cargo que desempenhou até 2012. Nesse ano participou no Capítulo Geral, em Roma, sendo eleito Conselheiro Geral, cargo que desempenha atualmente.

Os Missionários do Verbo Divino, presentes em Portugal desde a década de 40 do século XX, têm casas em Tortosendo, Fátima, Lisboa, Almodôvar, Nisa, Minde, Aveiro e Guimarães, onde chegaram em 1952.

At https://www.diariodominho.pt/

Vila Velha vai construir casas para fixar jovens

Rodao Anexo_NI_Habitação-1-1024x576

A Câmara de Vila Velha de Ródão vai investir 1,7 milhões de euros na urbanização e construção de habitações na Quinta da Torre, um projeto que está inserido na requalificação da zona histórica da vila.

“Trata-se de uma antiga quinta degradada que a Câmara já tinha adquirido e que fica situada na zona antiga da vila. O projeto insere-se na estratégia do município de valorizar a área e que vai permitir a abertura de um novo arruamento e a construção de 18 moradias”, explicou o presidente da Câmara de Vila Velha de Ródão, Luís Pereira.

O projeto da Quinta da Torre, cujo valor é de 1,7 milhões de euros, implica obras de urbanização, jardim, trabalho paisagístico, construção de moradias e de uma cafetaria.

“O projeto contempla a construção de 18 casas, 12 de tipologia T3 e seis de tipologia T2. Trata-se de uma obra importante, não só para a requalificação da zona histórica, mas também ao nível do reforço da estratégia do município para fixação de pessoas, sobretudo jovens, que têm dificuldade em arranjar residência para se fixarem”, sublinha.

Luís Pereira sublinha que, além deste projeto, a autarquia já reabilitou três T2 na zona antiga de Vila Velha de Ródão para colocar no mercado a preços simbólicos e adquiriu outras cinco habitações degradadas na mesma zona que vão ser recuperadas.

“É uma aposta muito significativa ao nível do investimento do município, que se enquadra na estratégia que a câmara tem vindo a desenvolver ao nível da requalificação urbana e na fixação de pessoas”, concluiu.

Governo reduz em 30% as portagens na A23, mas só nos camiões

A23 img_818x455$2018_05_11_21_51_22_736876

O Governo vai avançar mesmo com a redução das portagens nas auto-estradas do Interior e do Algarve, escreve o JN. Os empresários dessas regiões querem alargar a medida aos veículos ligeiros de mercadorias.

Os camiões que circulam nas antigas SCUT do Interior e do Algarve devem passar a pagar até menos 30% nas portagens. De acordo com o JN, que avança a notícia, esta é uma das medidas que estão a ser preparadas pelo Governo no âmbito de um pacote para beneficiar estas regiões, do qual fará parte a já anunciada redução do IRC.

As estradas abrangidas serão a A22, A23, A24, A25 e a A4. No entanto, o mesmo jornal escreve que a proposta não satisfaz por completo as empresas localizadas nestas zonas, por estar circunscrita a camiões. É que, argumentam as associações empresariais, a maioria dos veículos que têm a circular nas estradas são ligeiros de mercadorias.

Em Janeiro, o ministro-adjunto, Pedro Siza Vieira, já tinha admitido que o Governo estava a avaliar uma redução de portagens “no sentido de contribuir para a competitividade da actividade económica no Interior”, procurando incentivar o investimento, a criação de emprego e a retenção e atracção de populações.

No ano passado, os pagamentos efectuados pela Infraestruturas de Portugal (IP) relativos às concessões e subconcessões rodoviárias totalizaram 1.177,4 milhões de euros. A maior fatia continua a respeitar às concessões, designadamente às antigas Scut. Os encargos com estas vias ascenderam a 672,8 milhões de euros, sendo que Beira Interior e Beira Litoral e Alta foram as que representaram um maior encargo para a IP.

At https://www.jornaldenegocios.pt

Estado despreocupa-se com espólio maçónico

Museu 10653865_326100727569109_3505277734129150919_n

O Museu da República e Maçonaria, em Pedrógão Grande, encerra ao público em geral no final do ano, mas em 2019 o proprietário permitirá ainda a visita de membros das diferentes obediências maçónicas.

O dono e fundador do museu particular, Aires Henriques, disse hoje à agência Lusa que “a decisão de fechar está tomada”, independentemente do destino que venha a ser dado ao acervo.

Nos últimos meses, Aires Henriques, de 70 anos, efetuou diligências junto do Ministério da Cultura, Câmara de Pedrógão Grande e Grande Oriente Lusitano (GOL), com o propósito de dar continuidade ao projeto museológico e garantir a sua fruição pública.

Ao longo de mais de 30 anos, Aires Henriques reuniu peças e documentos de vários períodos da História de Portugal e de outros países, expostas em edifícios que possui na aldeia de Troviscais, naquele município do distrito de Leiria. “Preciso de encontrar uma solução e um futuro condigno para que a coleção não desapareça”, adiantou. Este objetivo, contudo, ainda não está assegurado, após contactos com aquelas entidades.

Entretanto, está previsto que “parte deste acervo pedroguense será exibida” em Condeixa-a-Nova, este ano, no âmbito das comemorações do 108.º aniversário da revolução republicana do 5 de Outubro, promovidas pela Câmara local.

O Museu da República e Maçonaria começou a funcionar em 2010, coincidindo com o centenário da implantação da República em Portugal, e foi inaugurado oficialmente em 2012, na presença de Fernando Lima, grão-mestre do GOL – Maçonaria Portuguesa, com um programa que incluiu a assinatura de um protocolo de colaboração entre as duas entidades.

Aires Henriques crê que o GOL e o município de Pedrógão Grande “poderão vir a colaborar na manutenção e promoção dos vários acervos disponíveis”.

Também a Câmara de Condeixa-a-Nova, presidida pelo socialista Nuno Moita, “vem manifestando interesse” num eventual acolhimento das coleções, que constituem “um dos três raros museus no seu género em toda a Península Ibérica”, incluindo os de Lisboa e Salamanca (Espanha).

Em março, o Departamento de Museus, Conservação e Credenciação da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) considerou que “os intuitos de salvaguardar e preservar de forma sustentada” as coleções do museu dos Troviscais, “bem como de garantir a sua gestão integrada num serviço público e museológico, poderão eventualmente ser alcançados” através de parcerias com a Câmara de Pedrógão Grande ou com o Museu Maçónico Português, propriedade do GOL, em Lisboa.

Agora “em fase de negociação” com a instituição maçónica liderada por Fernando Lima, Aires Henriques espera também uma resposta da autarquia a que preside o independente Valdemar Alves, eleito pelo PS nas eleições de outubro de 2017, no qual tem encontrado “alguma recetividade” para solucionar o problema, mas nos dois casos ainda sem resultados concretos.

Associado ao empreendimento de turismo rural Villa Isaura, o Museu da República e Maçonaria engloba também um núcleo de peças relacionadas com os períodos do Estado Novo (1933-1974), Guerra Civil de Espanha (1931-1939) e II Guerra Mundial (1939-1945).

Em março, na sequência do relatório concebido por aquele departamento da DGPC, Aires Henriques escreveu mais uma vez ao ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, a quem já tinha exposto o problema do museu.

“Em face da minha idade (…), penso que o bom senso me aconselha a colocar à venda os respetivos acervos, entre os quais algumas peças únicas” que já percorreram, designadamente, o Museu da Presidência da República, o Panteão Nacional, a Biblioteca-Museu República e Resistência e o Museu José Malhoa, em Lisboa e Caldas da Rainha, além de exposições em diversas localidades.

Na carta, a que a Lusa teve acesso, o investigador pede a Luís Filipe Castro Mendes ajuda para “divulgar entre as estruturas museológicas afetas ao Estado” a sua disponibilidade para vender ou ceder os espólios. “Por esta via, não alimentarei a especulação mercantil nem as caves escuras das várias instituições que no país guardam idênticos tesouros expressivos do viver das nossas gentes e da nossa história pátria”, afirma.

A agência Lusa tentou obter a posição do presidente da Câmara de Pedrógão Grande sobre o assunto, mas as tentativas revelaram-se infrutíferas.

At https://www.dn.pt

Mais emprego para Vila Velha de Ródão

Vila Velha CM VVRodao_f5

Aviso n.º 4829/2018 publicado no Diário da República a 11 de abril divulga a abertura de um procedimento concursal destinado ao preenchimento de treze postos de trabalho em regime de contrato de trabalho em funções públicas por tempo indeterminado (*) para o município de Vila Velha de Ródão:

– Um técnico superior na área de Contabilidade e Gestão Financeira;
– Um técnico superior na área dos Estudos Portugueses;
– Um técnico superior na área do Desporto;
– Um técnico superior na área Design de interiores e equipamentos;
– Um técnico superior na área das Ciências da Comunicação;
– Seis assistentes operacionais na área de obras;
– Um assistente operacional na área da Educação;
– Um assistente operacional na DAF.

As candidaturas deverão ser formalizadas, obrigatoriamente em suporte papel, até dezdias úteis a partir da data da publicação do aviso em causa, mediante preenchimento do formulário tipo disponível no site do município. Podem ser entregues no Serviço de Recursos Humanos, sito no Edifício do Município de Vila Velha de Ródão, durante as horas normais de expediente (9h00m/12h30m e 14h00m/17h30m) ou remetidas pelo correio, em carta registada com aviso de receção, para Município de Vila Velha de Ródão, Rua Santana 6030-230 Vila Velha de Ródão, até ao termo do prazo.

(*) retificado a 19 de abril pela Declaração de retificação nº302/2018

At http://www.mediotejo.net

Castelo Branco recebeu Cedillo, Herrera e Santiago em Encontro Transfronteiriço

Caceres 30726253_1354034691365480_5636854871865950208_n
Castelo branco acolheu o I Encontro Transfronteiriço entre alunos da reserva da biosfera transfronteiriça Tejo-Tejo Internacional.

Protagonizado pelos alunos dos dois países, desenvolveu-se hoje quarta-feira como um espaço de encontro entre as duas comunidades educativas.

A Diputación Provincial de Cáceres, através da área de desenvolvimento e turismo sustentável, organizou o “I encontro transfronteiriço entre escolares da reserva da biosfera transfronteiriça Tejo-Tejo internacional”, com o objetivo de divulgar, promover os seus valores e criar. Uma unidade territorial deste espaço protegido, depois de ser declarada pela UNESCO, reserva da biosfera transfronteiriça Tejo-Tejo Internacional (rbttti).

Os protagonistas foram os alunos do Centro Educacional Rural agrupado Tejo-Sever (Santiago de Alcântara, Herrera de Alcântara e Cedillo) da província de Cáceres e escolares da escola básica nossa senhora da piedade do Agrupamento de escolas Nuno Álvares de Castelo Branco.

A actividade insere-se no âmbito das acções planeadas para levar a cabo com a comunidade educativa da reserva, e com as quais se pretende consolidar o trabalho que está a ser desenvolvido com o projecto educativo e-Twinning sobre o território, bem como reforçar os laços com a comunidade. União na comunidade educativa e entre administrações transfronteiriças.

O Projecto e-Twinning pretende que os meninos e as meninas, partindo de um ambiente virtual inicial, partilhem informações, experiências e pratiquem a língua do outro país, ao mesmo tempo que interagem com as tecnologias e põem em prática estratégias de comunicação.

Uma experiência para que os alunos de ambos os lados da fronteira não só conheça a reserva, mas também se torne um “pequeno guia” do mesmo.

At https://www.facebook.com/DiputacionDeCaceres/