Artigo de opinião: “Um sindicato sórdido”

Luis-Aguiar-Conraria_finalO medo não pode tomar conta de nós. É obrigação dos líderes de organizações que nos representam combaterem-no e promoverem a racionalidade

Numa altura em que por todo o mundo civilizado há cada vez mais consciência da necessidade de reabrir as escolas, em Portugal, a oposição vem de onde é menos razoável que venha: do principal sindicato de professores, a Fenprof. E essa oposição é feita de uma forma vil. Mário Nogueira ameaça o Ministério da Educação dizendo que, caso haja “situações de doença e de contágio, que possam pôr em causa a própria vida, a Fenprof acusará como responsável moral, e eventualmente até material pelas condições que não criou para que as escolas funcionassem, o Ministério da Educação, com a cumplicidade da Direção-Geral da Saúde”.

Não basta à Fenprof dizer que o Ministério da Educação é o responsável moral ou político por problemas que venham a existir nas escolas, fala mesmo em responsabilidade material. Objetivamente, ameaça com tribunais. E, desde que Leonor Beleza, antiga Ministra da Saúde, teve de responder em tribunal pelo crime de propagação de doença infeciosa, com dolo eventual (nem sequer foi por negligência), por causa de sangue contaminado, uma ameaça destas é credível e assustadora. Ora, isto é inadmissível.

As instruções dadas às escolas são proporcionais com o que se sabe sobre os riscos da doença. Na verdade, até poderão ser excessivas, mas não vou por aí. Mais vale pecar por excesso e depois ir cortando nos exageros. Repito: com o que se sabe, não com o que se especula. É muito improvável que haja crianças com menos de 18 anos que tenham problemas sérios com esta doença. Claro que poderá haver uns casos, mas não é um risco superior ao de muitos outros que aceitamos bem, como atropelamentos em frente às escolas ou o vírus da gripe.

Sim, leu bem. Entre crianças, a gripe parece ser mais letal do que o novo coronavírus. De acordo com um estudo publicado na revista médica JAMA Pediatrics, até 28 de Abril tinham morrido nos Estados Unidos 8 crianças com covid e 169 com gripe. Isto entre crianças com menos de 15 anos. Este e outros dados levam os autores “enfatizar que os custos associados às infeções com covid-19 em crianças são relativamente baixos quando comparados com a gripe sazonal” — tradução minha.

A principal medida que se contesta é a de que os alunos devem estar, no mínimo, a um metro dos colegas, podendo, caso não haja condições, ser menos. Mas esta distância é razoável. Tratando-se do grupo etário com menor risco de todos, não se justificaria que o distanciamento fosse o mesmo que é exigido na generalidade das situações. Além disso, acima dos 10 anos, já se exige que as crianças usem máscaras para reduzir os riscos. E se, como sabemos, já há escolas que não conseguirão cumprir o desejado metro de distância, seria irrealista exigir ainda mais. E, na verdade, nada disso interessa para os professores, esses sim com maior risco. Quer as crianças estejam a um metro umas das outras quer estejam a metro e meio, o professor estará junto ao quadro. É a distância entre o professor e a fila da frente que tem mesmo de ser assegurada. Vale a pena lembrar que já em vários países se retomaram as aulas e que não há indicações de a pandemia se ter agravado seriamente por causa disso. Há apenas um ou outro foco localizado com que, naturalmente, se tem de lidar localmente.

Posso assegurar que não há riscos? Claro que não. Todos temos medo e eu sei bem o que isso é. Tenho uma filha de 12 anos com uma doença que a coloca nos grupos de risco. Mas o medo não pode tomar conta de nós. É obrigação dos líderes de organizações que nos representam combaterem-no e promoverem a racionalidade. Ter a Fenprof a instigar o medo, fazendo uma chantagem que, se bem sucedida, terá como único efeito adiar o regresso às aulas presenciais, é sórdido.

Fenprof mw-960

Ontem, em Coimbra, cruzei-me com o cartaz que vêm na foto. Nesse cartaz, feito por sindicatos afetos à Fenprof, diz-se que as escolas e os professores são insubstituíveis. Não posso estar mais de acordo: sem a escola, não é possível combater as desigualdades económicas, sociais e culturais. Só com a escola, e com os professores, os portugueses poderão alargar os seus horizontes e Portugal desenvolver-se. E, como cada vez mais estudos demonstram, essa escola tem de estar fisicamente presente. As crianças precisam de ver os seus professores (e vice-versa, diga-se, mas não é esse o tema de hoje).

Sem uma escola presencial, o país continuará a meio gás — com as mulheres, mais uma vez, a serem especialmente sobrecarregadas, agravando-se assim uma forte fonte de desigualdade em Portugal. E, se, na verdade, grande parte dos perigos associados à covid são especulações com pouco suporte científico — os jornais noticiam como factos o que muitas vezes não passam de hipóteses ou exceções —, já os danos económicos e sociais do estarmos enfiados em casa são cada vez mais claros. Se não conseguirmos sacudir o medo que nos rodeia e aprendermos a viver com o vírus, a catástrofe económica e social é certa.

Não faz sentido combater riscos incertos com táticas que são um desastre certo. É como se alguém decidisse cortar uma perna por causa de um caroço com mau aspeto que lá nasceu. Até pode ser a decisão certa, mas antes de se cortar a perna é necessário confirmar que é mesmo necessário.

Luís Aguiar-Conraria

At https://expresso.pt/

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s