Arquivo de etiquetas: Ensino

Artigo de opinião: “Olhe que sim, dr. Costa, a tauromaquia é cultura civilizacional”

Luis Capucha 1303434Se o primeiro-ministro crê que a questão das touradas é de civilização, então temos motivos para nos preocuparmos seriamente. Porque ele alinha com as seitas fundamentalistas que promovem a ideia de que não existem diferenças entre homens e animais sencientes não humanos.

O primeiro-ministro António Costa resolveu sair a terreno para defender a sua ministra da Cultura, um quadro da sua entourage (vulgo, uma girl), no caso do ataque à tauromaquia com pretexto da taxa do IVA. Parece esperar o fim da polémica após a sua intervenção numa arrogante resposta a Manuel Alegre. Mas só lançou gasolina para a fogueira.

Já circulam na Net as fotos do António Costa presidente da Câmara de Lisboa, satisfeito da vida a exultar com uma corrida de toiros no Campo Pequeno e a abraçar efusivamente o Cabo do Grupo de Forcados Amadores da Cidade em plena arena.

O que o fez mudar tanto de ideias em tão pouco tempo? O “negócio” com o PAN, que hoje todos aplaudiríamos se fosse destinado a aumentar o Orçamento para os canis e os gatis, mas que infelizmente instrumentaliza o governo para uma “canelada” política na tauromaquia, o que sempre dá mais visibilidade, tão necessária quando se aproximam eleições. Puro oportunismo político, portanto. A taxa do IVA é apenas um pretexto.

Arrogante é um adjectivo suave para classificar a atitude de um primeiro-ministro que julga poder pronunciar-se sobre uma questão que envolve o regime democrático e os valores civilizacionais (nada menos do que isto, é ele mesmo que o assume) no “sossego de uma viagem até Berlim”. É tudo o que tem para dar ao debate sobre a civilização? É deprimente!

O oportunismo político assente num cálculo errado a respeito das simpatias dos portugueses é mascarado, no artigo publicado no PÚBLICO hoje, dia 11 de Novembro, com argumentos alinhavados à pressa por António Costa no avião para Berlim para parecerem uma opinião, padrão de gosto e sensibilidade pessoal, atributos legítimos para exibição pelo cidadão António Costa, mas que não devem em caso algum guiar acção e o discurso de um primeiro-ministro. Tais argumentos rodam em torno de dois erros: em primeiro lugar, a costumeira e banalíssima mistificação da questão animal; em segundo lugar, o não menos comum preconceito no modo de olhar a alteridade e a identidade cultural de milhões de portugueses que gostam de toiros, a incapacidade para tentar perceber a sua perspectiva, e a intolerância face a mundovisões diferentes da sua.

Sobre a questão animal, há um tópico indiscutível: houve uma alteração ao Código Civil que torna os animais sencientes distintos, à face da Lei, das outras coisas. Lei essa que não os equipara aos seres humanos. Não há controvérsia sobre esse novo estatuto e a sua evocação por A. Costa só pode ser lida como poeira para os olhos.

Mas a ideia viciosa de que podemos equiparar os animais não humanos às pessoas emerge por todo o lado no artigo. É pura mistificação e, na essência, um apelo populista às pessoas que confundem a luta contra as touradas com a luta pela defesa do bem-estar animal. A luta pelo bem-estar animal é uma responsabilidade das pessoas de bem. A luta contra as touradas é uma luta contra a liberdade e a democracia cultural. É essa mistificação que o leva a evocar a pornografia como exemplo da diversidade dos espectáculos culturais e, logo, do modo como o Estado os deve tratar. O tratamento penalizador das touradas seria, pois, do mesmo tipo do combate à pornografia. Se isto não é um insulto reles, o que é? Mas a coisa é pior. A razão da discriminação das touradas é o modo como são tratados os animais que nela intervêm. E no caso da pornografia? Está a comparar as pessoas que são exploradas nas indústrias do sexo, a animais?

Se o primeiro-ministro crê que a questão das touradas é de civilização, então temos motivos para nos preocuparmos seriamente. Porque ele alinha com as seitas fundamentalistas que promovem a ideia de que não existem diferenças entre homens e animais sencientes não humanos.

Só há duas maneiras de promover a igualdade entre homens e animais: ou promovendo os animais à condição humana, o que tem acontecido no plano simbólico (desde La Fontaine às indústrias Disney), ou fazendo descer os homens à condição animal. O problema com a primeira via é que há pessoas que confundem as metáforas com a realidade, caindo na situação perversa de humanizar os animais, isto é, violentar a sua natureza, que não conhecem nem compreendem. O problema com a segunda é que representaria o fim de qualquer civilização, situação que a história já conheceu. Não me canso de lembrar que as primeiras leis de protecção dos animais foram produzidas pelo governo nazi, o mesmo que é responsável por uma das (se não a) mais violenta e trágica descida da humanidade a um estado de selvajaria.

Além disso, o texto do senhor primeiro-ministro é demagógico. É falso afirmar, no contexto português e face às controvérsias em curso no nosso país, que uma opção civilizacional não implica desqualificar os oponentes. Que oponentes? Os aficionados são oponentes da nossa civilização? É chocante essa afirmação na boca de uma girl do Primeiro, mas soa a obscenidade na boca dele próprio. E sim, Manuel Alegre tem razão: todos os populismos começam com a criação de uma clivagem entre um “nós”, os bons, e um “eles”, os maus, os perversos, os menosprezáveis, os inimigos. Contra os quais a sociedade deve ser avisada pelo Estado, como o é sobre o consumo de sal ou açúcar. Ridículo! Já viu bem onde se está a meter, António Costa?

O segundo vetor consiste na forma ultrajante, grosseira e agressiva como classifica, explícita ou implicitamente, os aficionados à Festa de Toiros. Diz A. Costa que é preciso “… respeitar as pessoas que, como eu, rejeitam a tourada como manifestação de uma cultura violenta ou de desfrute do sofrimento animal”. É o que sempre fizeram os aficionados. Mas, não estará a confundir “cultura violenta” com cultura de controlo da violência? Não são as touradas institucionais de hoje o resultado do “processo civilizacional” da relação milenar entre homens e toiros? Tem algum sinal, a mínima evidência, que lhe permita sustentar a ideia de que as comunidades taurinas são mais violentas do que aquelas com que convive nas mesmas sociedades? Já alguma vez procurou ouvir e respeitar o que dizem os aficionados sobre o modo como vivem o ritual da Corrida de Toiros e o que sentem perante a arte praticada enfrentando esse animal excepcional que é o Toiro de Lide? O que o anima na sua saga antitaurina é, senhor primeiro-ministro, o puro preconceito.

António Costa rejeita a tourada e acha chocante a sua transmissão televisiva (embora não pense proibi-la, para já). Mas não ficaria preocupado se ela se confinasse aos municípios que decidissem mantê-la. Há uma dupla hipocrisia na ideia. Por um lado, acha que os toiros podem ter tratamento diferenciado consoante os municípios. Por outro lado, porque já sabe que os municípios com actividades taurinas, a maioria deles de gestão socialista ou comunista, conseguiram impedir a descentralização nesse domínio. Mas seja consequente. Proponha-lhes a “municipalização” da regulação dos espectáculos tauromáquicos, mas com total liberdade, isto é, após a anulação da lei que proíbe as corridas integrais (isto é, com toiros de morte), as que respeitam verdadeiramente o toiro e a verdade que a tauromaquia encerra. Tem coragem para isso, ou teme que a Festa ganhe no nosso país a pujança que tem em França?

Em conclusão, senhor primeiro-ministro, não resolveu o problema da sua girl, apenas se colocou a si próprio em equação. A questão que agora se colocam todos os aficionados, de direita, de centro e de esquerda, é se uma pessoa que pensa como o sr. servirá mesmo para primeiro-ministro dos portugueses? Não ficaria a aliança das esquerdas melhor servida com um primeiro-ministro que fizesse o que diz (ser avesso a grandes mutações civilizacionais) e se mostrasse menos dado a compromissos com partidos veganos que contestam todas as bases da nossa civilização?

Luís Capucha

Sociólogo, docente no ISCTE-IUL e Investigador no CIES-IUL; presidente da Associação de Tertúlias Tauromáquicas de Portugal

At https://www.publico.pt/

Anúncios

Triângulo Portalegre, Castelo de Vide, Marvão vencem Orçamento Participativo 2018

Marvao PT_AcademiaMarvao-1

Entre os vencedores da II Edição do Orçamento Participativo 2018 a região do Alentejo foi contemplada com três projectos. No distrito de Portalegre o projecto “Marvão, Academia” vai ser implementado em três municípios: Castelo de Vide, Marvão e Portalegre. A iniciativa tem por objectivo convidar professores e músicos de grande distinção, de todo o mundo, e os ensaios e concertos teriam lugar nos castelos, igrejas e outros locais de interesse arquitectónico destes concelhos.

Adelaide Teixeira, Presidente do município de Portalegre, salientou que “esta iniciativa permite potenciar as instituições ligadas à música existentes no distrito.”

António Pita, Presidente da Câmara Municipal de Castelo de Vide, salientou “as dinâmicas culturais que se têm vindo a criar a partir desta iniciativa”.

O projecto “Marvão, Academia” conta com um orçamento de 250 mil euros.

At https://radioelvas.com/

O Interior é “enorme oportunidade que está por explorar”

antonio-costa3-712x534

O primeiro-ministro discursava no final de uma visita à Coficab, em Vale de Estrela, Guarda, onde assistiu ao lançamento de um projeto de investimento avaliado em 38,1 milhões.

O primeiro-ministro, António Costa, considerou hoje na Guarda que o Interior do país “não é um fardo” nem um problema, mas antes a “enorme oportunidade que está por explorar”.

“Quando no Interior tivermos tanto crescimento como aquele que temos no Litoral, o país terá duplicado a sua capacidade de crescer. E essa é a oportunidade que nós temos”, disse António Costa.

O primeiro-ministro discursava no final de uma visita à empresa Coficab, em Vale de Estrela, Guarda, onde assistiu ao lançamento de um projeto de investimento avaliado em 38,1 milhões de euros.

“E, por isso, eu digo que o Interior não é um fardo, o Interior não é um problema. O Interior, pelo contrário, é a enorme oportunidade que está por explorar. E é essa exploração que nós temos que fazer e que temos que agarrar e que temos agora a oportunidade de fazer”, rematou.

No seu discurso, referiu que olhando para o mapa nacional, a realidade diz “que o enorme potencial que o país tem por aproveitar, que não tem aproveitado ao longo de décadas, é precisamente” o Interior.

“E, portanto, se queremos crescer, é toda esta faixa que vem desde o barrocal algarvio até à fronteira de Trás-os-Montes com a Espanha, que nós temos de ser capazes de mobilizar, de valorizar, e ajudar a fazer o país crescer, assumiu.

No entanto, segundo o líder do Governo, “para fazer não basta falar, não basta ter um secretário de Estado para a Valorização do Interior”.

“É preciso termos políticas concretas e integradas que permitam essa valorização do Interior”, rematou.

António Costa lembrou ainda que o Governo que lidera procedeu à reabertura de mais de 20 tribunais que tinham sido encerrados, à criação de Lojas do Cidadão no Interior e já procedeu a “uma primeira intervenção nas portagens”.

Disse ainda que o grande investimento que está atualmente a ser feito na ferrovia é na Linha da Beira Alta e na Linha da Beira Baixa, também no Interior do país.

Segundo António Costa, apoiar as empresas, a internacionalização, a valorização do Interior e a inovação, significa “mais empresas” e “mais emprego”.

O primeiro-ministro presidiu hoje na Guarda à assinatura de um contrato de incentivos fiscais ao projeto de investimento da fábrica Coficab.

Com o desenvolvimento deste projeto, segundo o executivo – em que a empresa beneficiará de um crédito fiscal em sede de IRC de 20% e isenção em sede do Imposto do Selo até ao montante máximo de 5,7 milhões de euros – serão criados mais 129 postos de trabalho até 31 de dezembro de 2022, bem como se garante a manutenção dos atuais 492 empregos.
Na sessão, Hichem Elloumi, presidente do Grupo Coficab disse que “a Guarda é muito especial” para a empresa e assumiu que, com o investimento a realizar, “o futuro da indústria automóvel é escrito na Guarda”.

O ministro da Adjunto e da Economia, Pedro Siza Vieira observou que a unidade fabril “é líder mundial no setor em que trabalha”.

A comitiva do primeiro-ministro foi recebida com um protesto da FENPROF, com os manifestantes a gritarem palavras de ordem e a empunharem cartazes com mensagens como “O tempo de serviço não se negoceia – conta-se” e “Basta de desvalorização! Professores exigem respeito”.

At https://beira.pt/

Poliempreende Nacional de 10 a 14 de Setembro em Portalegre

Web

O Empreendedorismo é uma aposta inequívoca dos institutos politécnicos portugueses. Com o objetivo claro de incutir nos seus alunos o espírito de iniciativa, a vontade de empreender que possa conduzir à criação da própria empresa e gerar postos de trabalho, explorando o caráter eminentemente prático e profissionalizante da sua formação, os politécnicos criaram um concurso de projetos de vocação empresarial a que deram o nome de Poliempreende.

O Poliempreende é uma iniciativa que visa, através de um concurso de ideias e de planos de negócios, avaliar e premiar projetos desenvolvidos e apresentados por alunos, diplomados ou docentes destas instituições, ou outras pessoas, desde que integrem equipas constituídas por estudantes e/ou diplomados.

Este projeto é constituído por todas as instituições politécnicas do país, escolas superiores não integradas (Enfermagem de Coimbra, Hotelaria e Turismo do Estoril e Escola Náutica Infante D. Henrique) e escolas politécnicas das universidades.

O concurso tem uma componente regional e outra nacional. A nível regional, cada instituto politécnico promove um conjunto de iniciativas que culminam com a atribuição de prémios aos três melhores projetos apresentados. Os projetos vencedores em cada instituição são, posteriormente, submetidos ao concurso nacional.

poliempreende_14_edicao

A coordenação nacional do Poliempreende é rotativa, estando a 15ª edição do concurso a cargo do Instituto Politécnico de Portalegre. O Patrono o Comendador Rui Nabeiro.

O Poliempreende tem como objetivo máximo incutir e estimular o empreendedorismo, bem como proporcionar saídas profissionais de preferência através da criação do próprio emprego.

É um projeto concebido para promover a mudança de atitudes dos atores académicos nele participantes, induzindo-os a incorporar nas suas atividades regulares o desenvolvimento e a aplicação de métodos para a valorização do conhecimento gerado no sentido da assimilação do empreender. Paralelamente, contribui para o enriquecimento curricular dos seus participantes e está orientado para dar à sociedade e à economia um forte e sério contributo, através da constituição de empresas de cariz inovador e implantação regional, que possam ser levados à prática e, ainda, para o fomento do empreendedorismo nas regiões de influência das instituições de ensino politécnico e das PME criadas no âmbito do Poliempreende.

At https://www.facebook.com/Poliempreende/http://gee.ipportalegre.pt/

Luís Duque e seus trunfos: A terra, as leis e os touros

Luis Duque duqx-8531002863

PRÓLOGO

O Rei Dom Luís, quando tinha alguma dúvida sobre questões de leis, mandava chamar em sua presença José Maria da Graça Mota e Moura, influente jurista da Corte, pertencente à família dos viscondes de Vale de Sobreira, aristocracia rural do Alto Alentejo. O bisneto, Luís Vieira, é, aos 88 anos, uma figura muito estimada em Nisa, conhecida pelo seu sportinguismo ferrenho e amor à terra. Mas a filha, Maria da Graça, não se casou com um alentejano, mas, sim, com Francisco, um advogado nascido em Lisboa com descendentes minhotos (Covas, concelho de Vila Nova de Cerveira), também estes ligados à agricultura. Assim se juntaram os Duque do Norte e os Vieira do Sul. Nesta combinação de leis e terra nasceu, em Elvas (19/10/57), Luís José Vieira Duque, o segundo filho de uma longa prole:

Francisco, Luís (o próprio), Zé Paulo, Graça, Manuel, Fernando, Pedro e Isabel, por ordem de chegada ao Mundo.

INFÂNCIA

O pequeno Luís não teve tempo de aprender a gostar do Alentejo, pois, com dois anos, já estava a caminho de Penafiel, a primeira etapa de uma longa caminhada por terras como Paredes de Coura, Ponte de Lima, Coruche e Lisboa, enfim, para onde quer que o pai fosse chamado a exercer a sua profissão, de comarca em comarca, dado que era juiz (foi também procurador da República). Mas Luís cedo percebeu que o amor à terra corria-lhe nas veias e o período de férias era sempre aguardado com grande entusiasmo, pois significava uma visita a Nisa e a companhia do avô Luís, com quem criou uma enorme cumplicidade.

As crianças foram crescendo à roda de uma mãe extremosa, cozinheira de primeira qualidade, uma mão de fada para doçarias (e Luís era um grande comilão, o que lhe deu uma compleição roliça), e à sombra de um pai atencioso mas exigente, fiel a uma educação clássica com pouca margem para rebeldias. Assim manteve a família unida nas crises. No entanto, Luís cedo mostrou uma personalidade demasiado extrovertida e brincalhona para ficar contida num padrão de conduta severo. Tornou-se o centro das atenções de toda a família com as brincadeiras que inventava. Nas festas, imitava tocar viola, bateria e outros instrumentos musicais, mas, na realidade, só viria a tentar aprender o uso da guitarra portuguesa, passatempo que deixou para trás por falta de disponibilidade. Mas o fado é um gosto que ainda hoje cultiva.

Com Zé Paulo, o irmão que o segue cronologicamente, nunca conseguiu criar muita intimidade, devido a feitios diferentes, e foi Manuel, com quatro anos a menos, quem ganhou a sua simpatia, pelo que muitas vezes o juntava ao seu grupo de amigos. E é o próprio Manuel quem conta uma história representativa da capacidade de engenho e imaginação do irmão.

Tinha Luís 13 anos quando chamou os manos e manas mais novos e anunciou: “Vou abrir um banco. Vocês entregam-me o vosso dinheiro e eu devolvo-o com juros.” Desconfiados, ainda foram perguntar ao pai como funcionava um banco, sem, no entanto, denunciarem a ideia do irmão. Aquele confirmou a história dos juros e, mais confiantes, lá entregaram as pequenas economias.

Três meses depois, o clã foi pedir contas ao banqueiro. “Tenho algo a anunciar”, disse solenemente, “o banco faliu”.

O feitio contagiante de Luís fez com que muitas das suas brincadeiras, mesmo as de mau gosto, fossem esquecidas ou perdoadas (costumava emprestar dinheiro aos irmãozitos, nunca o negava, mas ficava com um objecto pessoal como garantia), e até aos castigos do pai conseguia escapar, com a sua grande capacidade comunicativa, que viria a ser refinada, muitos anos mais tarde, sob a influência de Krus Abecasis, presidente da Câmara Municipal de Lisboa, um homem que o ensinou a chegar mais depressa às pessoas. Mas não nos adientemos.

JUVENTUDE

A sua casa começou a ficar demasiada pequena para as traquinices. Certa noite, o avô Luís Vieira recebeu um telefonema do neto, que estava numa residencial em Castelo de Vide e não tinha como regressar a Nisa. O ancião, que nutria carinho especial pelo jovem, agora com 16 anos, lá o foi “salvar”, mas apenas para o encontrar a dormir no quarto. “Então, dizes para te vir buscar e ainda não estás pronto?” Resposta: “´Vou só vestir-me enquanto o avô paga a conta, está bem?”

Quando a família Duque se mudou para Coruche, deparou-se-lhe um problema: a falta de escolas para os dois filhos mais velhos. Por isso Luís concluiu os 6º e 7º anos no Liceu Camões, em Lisboa. O passo para a Universidade (Clássica) foi natural, assim como a sua escolha: Direito. Não por influência do pai, mas, sim, por uma tendência, seguida igualmente por Manuel (desistiu) e Fernando (licenciado). Em Lisboa reencontra um grande amigo de infância, Alexandre Mariano, actualmente veterinário em Aveiro e companheiro de farras nos tempos da Faculdade. Nomes como Santana Lopes.

Aliás, as farras já vinham de trás, pois Luís aproveitava a ausência dos pais, na casa de Coruche, para organizar umas festinhas com os amigos.

Não foi um aluno brilhante, mas aplicado e ciente de que estava ali para tirar um curso nos anos propostos. Teria-o conseguido se uma doença não o tivesse atirado para a cama durante algum tempo e depois a tropa não reclamasse a sua presença, estava ele no quarto ano. Ainda assim, o ano de atraso não o impediu de concluir a tarefa. Nesses, tempos, morou perto da Faculdade de Veterinária, frequentada pelo amigo Alexandre, e, embora se vivesse ainda a ressaca do 25 de Abril de 1974, Luís não era um grande entusiasta de movimentações estudantis. Entre uma imperial no Gambrinos ou na Portugália, um jantar no Solar dos Presuntos (então uma acessível tasca com mesas de pedra, que o dinheiro de estudantes era parco) e um pé de dança no Primorosa de Alvalade ou no Stones, o jovem Duque foi-se adaptando à vida alegre da cidade lisboeta. Conta Alexandre que, certa vez, o grupo de amigos comprou bilhete de comboio para Cascais, mas, ao entrarem na carruagem, resolveram tornar a viagem mais interessante e atiraram os bilhetes fora. Luís, com a sua capacidade de expressão, foi um dos que mais batalhou para dar a volta ao aborrecido cobrador e convencê-lo de que tinham adquirido e deitado fora os papelinhos. Conseguiu.

Mas, nas férias, tornava-se um homenzinho responsável e trabalhava para ganhar dinheiro. Como monitor em colónias de férias, por exemplo.

Sempre foi um bom gestor. Nunca perdeu dinheiro nos negócios. Essa capacidade começou a ser notada quando comprou o primeiro carro, a um tio, com o dinheiro ganho nas férias, um velho Chevrolet que até parado consumia gasolina. Rapidamente o vendeu e comprou um Renaut 6. Também adquiriu duas motorizadas para as vender com lucro. E mulheres? Conta quem o conheceu na altura de que era namoradeiro e até se safava bem, muito graças ao seu trato fino e simpático. E foi assim que conheceu a esposa, através de uns amigos. Mesmo depois de casado, já a morar em Valada, Ribatejo, era raro o dia em que não aparecia em casa dos pais para almoçar. A ligação à família sempre foi e é muito forte.

Início do julgamento de João Vieira Pinto, José Veiga, Luís Duque e Rui Meireles

FUTEBOL

O desporto sempre fez parte da vida de Luís Duque. Na faculdade, por exemplo, praticou râguebi. Chegou a participar numa corrida de fundo, ganhando uma medalha, e também gosta de ténis. O futebol sempre foi mais para ver. No mundo do desporto-rei encontrou muitos dos melhores amigos, como Alberto Silveira (foram vizinhos em Arroios ainda não se conheciam bem), Luís Filipe Soares Franco, Rui Gomes da Silva e Pessoa e Costa. Com alguns deles, reúne-se regularmente em jantaradas, muitas vezes num restaurante em Campolide, onde mostra a sua natureza extrovertida e a facilidade de diálogo, numa espécie de tertúlia em que os touros também são tema de conversa e a diferença clubística (Silveira, por exemplo, é benfiquista) serve para tornar a conversa mais interessante. Gosta de anedotas, até de alentejanos, mas nunca deixa de se admitir como um regionalista convicto. É muito amigo dos seus amigos, mas, dizem, tende a assumir certas posições que lhe trazem amargos de boca.

Foi com Nuno Krus Abecasis, presidente da câmara de Lisboa, de quem foi adjunto até ao final do seu mandato, em 1989, que Luís Duque aprendeu a utilizar a sua excelente capacidade de comunicação em benefício das suas causas. Quando assumiu a presidência da AFL optou por uma postura de combatente-activo e na memória ficou a sua ruidosa confrontação com Pinto da Costa, em 1994, quando deu conta da prepotência da AF Porto e acusou as associações e clubes nortenhos de quererem levar as estruturas do futebol português para o “abismo”.

Quando os clubes da AF Lisboa ameaçaram entrar em greve por causa dos subsídios das deslocações às ilhas, soube encontrar um consenso, através da forma resoluta como encarou a situação. E quando colocou a ideia na cabeça de concorrer às eleições da FPF em 1998, depois de uma tentativa abortada no sufrágio anterior, foi até ao fim, mesmo sabendo que as suas hipóteses eram nulas. Nem sequer contou com o apoio do seu Sporting, na altura em clara sintonia com o FC Porto, que apoiou Gilberto Madaíl. Mas José Roquette, mesmo preso pelo pacto com os portistas, não deixou, nos bastidores, de incentivar Luís Duque e este acabou por compreender a posição do presidente dos leões.

TOUROS

O chamamento da terra foi feito através da figura emblemática do avô Luís Vieira, de Nisa. E os touros, uma paixão com tradição na família (lado materno), surgiram naturalmente na sua vida. Foi ele quem apresentou o irmão Manuel, então com 17 anos, ao amigo Tomás Dentinho, para que aprendesse as lides das pegas de touros. Manuel viria a ser cabo dos forcados, uma espécie de capitão de equipa, na gíria futebolística, nos Aposentos da Moita. Era também o primeiro a segurar o bicho pelos cornos.

Apesar de gostar de touradas e de ser um bom cavaleiro (ainda hoje, sempre que pode, monta cavalos, sobretudo “Jade”, um macho da quinta de Miguel Cintra, filho de Sousa Cintra), Luís Duque nunca teve coração para as pegas. Bastavam-lhe as brincadeiras nas corridas de vara larga, com novilhos e vacas, durante as festas populares. Na única experiência mais a sério que teve, na praça de Nisa, com um touro “suplente”, foi parar ao hospital e de lá saiu com 12 pontos na cabeça. Um entusiasmo de juventude bastante diferente do que se passou há quatro anos: já na condição de administrador da Praça de Touros do Campo Pequeno, voltou a tentar uma pega de touro, numa garraiada académica, e acabou com uma perna partida.

Mas Luís Duque é perseverante e quando mete algo na cabeça vai até ao fim. Assim foi quando, na mesma qualidade de administrador daquele recinto lisboeta, resolveu trazer a Portugal os Ronaldos dos touros: os Miura. São os mais bravos do Mundo e, para que tudo corresse bem, Luís Duque rumou a Sevilha, à quinta de Zahiriche, para coordenar o transporte de seis desses terríveis animais. Lá conheceu o mítico Dom Eduardo Miura, que, conta Fernando Camacho, empresário tauromáquico que o acompanhou, a dada altura exclamou: “Você (Luís Duque) é o terceiro português a sentar-se à minha mesa.” A honra só havia cabido a Fernando Camacho e Palha Blanco.

E tão obstinado esteve com a vinda de Pedrito de Portugal a Lisboa que não descansou enquanto não consumou a ideia: trazer um matador de touros que estava a fazer grande sucesso em Espanha e que só havia pisado uma arena nacional como novilheiro, na Moita. Custou o maior “cachet” até aqui oferecido a um toureiro em Portugal, mas, em três sessões, o público encheu o Campo Pequeno. Mas a sua admiração vai para o cavaleiro João Moura, amigo pessoal.

Luis Duque 4738d3e80d86e941acb882e1afef5119-783x413

SPORTING

Luís Duque não é sportinguista desde pequenino, nem nunca passou por tal. Até aos 18 anos, o futebol não encontrou um espaço muito relevante na sua vida, apesar da tradição leonina da sua família, sobretudo o avô Luís Vieira e o tio Fernando, “doentes” pelo clube de Alvalade. Nem sequer tomava partido nas discussões entre os irmãos Manuel, benfiquista, e Fernando, sportinguista, que chegavam a terminar à estalada, assim como não deu grande importância à costela portista do mano Pedro (que ainda hoje se mantém).

Após a sua mudança para Lisboa, em 1972, e por influência dos amigos, alguns deles sócios do Benfica, rumou ao Estádio da Luz em várias ocasiões, pois, muitas vezes, não pagou bilhete, dado ser ainda miúdo e estar acompanhado por sócios. Mas Alvalade também foi um destino privilegiado, dado que o tio Fernando, sócio, o levava várias vezes. E foi assim que a costela leonina começou a solidificar-se, mas só após a sua saída da faculdade se tornou militante convicto, por influência do ministro da Justiça do Governo AD de Pinto Balsemão, Azevedo Soares, de quem era assessor e que o introduziria no CDS, assim como de Mário Garcia, então presidente da AFL e sportinguista e também João Rocha, presidente do clube de Alvalade. Respirou de alívio o avô que já vira dois netos “tresmalharem-se” para os rivais.

Luís Duque tornou-se sócio e, hoje, os quatro filhos (dois rapazes e duas raparigas) também têm cartão. Aliás, os gémeos nasceram na mesma noite (29/09/82) de uma goleada ao Dínamo Zagreb (3-0), na última participação dos leões na Taça dos Campeões, o que obrigou a muitas movimentações nos corredores da maternidade, dado ter um ouvido nas notícias do futebol e os dois olhos na sala de parto.

Foi membro do Conselho Fiscal na presidência de Amado de Freitas, mas preferiu entrar no mundo do dirigismo desportivo através da AFL, primeiro como adjunto, depois como presidente, a partir de 1993. No entanto, continuou a trabalhar nos bastidores, sendo de sua responsabilidade (compartilhada com João Pessoa e Costa e Abrantes Mendes) o aparecimento de Sousa Cintra como candidato à liderança do clube. “Foi ele o culpado.

Desafiou-me…”, confirma Sousa Cintra, para cujo Grupo Empresarial Luís Duque ainda trabalha, na área do imobiliário.

Foi igualmente um dos responsáveis pelo “empurrão” a Santana Lopes, para que este assumisse a presidência do clube leonino e, na condição de presidente da AFL, saiu em defesa do seu clube aquando do “caso Sporting-Ovarense”, que envolveu o jogador Luís Manuel. A FPF moveu-lhe um processo de irradiação do futebol como dirigente, que acabou por não ser levado avante.

César de Oliveira

At https://www.record.pt/