Podes plantar uma árvore por 3,00€ indo aos CTT

Desenvolvido pela Quercus e pelos CTT, o projecto tem como objectivo a plantação de árvores de espécies autóctones em terrenos de todo o país, incluindo nas áreas ardidas. Para isso, basta ires a uma loja dos CTT para ofereceres uma árvore por 3 euros, que revertem totalmente para o financiamento do projecto. Não existe qualquer limite ao número de árvores que podem ser apadrinhadas, por isso podes ajudar a planar uma floresta inteira se assim desejares.

Têm sido muitos os apelos nas redes sociais a que se substituam as prendas do Natal por árvores. Este ano, o programa foi lançado em Julho e tinha data final a 30 de Novembro. Depois da tragédia de Pedrógão Grande e desta nova leva de incêndios, resta saber se as organizações envolvidas vão estender a data da iniciativa. Esta é a quarta edição de “Uma Árvore pela Floresta”, e, por exemplo, este ano a área de intervenção do projecto é alargada a Castanheira de Pera, um dos concelhos mais afectados pelos incêndios de Julho.

COMO FAZER?

Para que tudo isto seja possível, basta que te dirijas a uma das 291 lojas CTT aderentes ou, no caso de impossibilitadas de ir à loja, podes fazer a compra através do e-mail lojaonline@ctt.pt.

No momento da compra, é-te entregue um pequeno kit composto por uma “árvore” em cartão reciclado e um código. Esta “árvore” de cartão serve de lembrança e pode ser oferecida. O código serve para registar a árvore que a Quercus irá plantar por ti até à Primavera de 2018, identificar a espécie e o local de plantação, bem como para consultares a sua evolução nos 5 anos seguintes no bosque onde foi instalada – tudo a partir do site oficial.

UMA FLORESTA SEM EUCALIPTOS

Por cada uma das doações dos portugueses, uma árvore será depois plantada pela Quercus quer em áreas classificadas do Norte e Centro de Portugal (Serra do Gerês, do Alvão, do Marão, de Montemuro, da Estrela e o Tejo Internacional), quer no concelho de Castanheira de Pera. Entre as 28 espécies disponíveis, que fazem parte da flora original portuguesa, encontram-se o amieiro, medronheiro, bidoeiro, castanheiro, freixo, azevinho, loureiro, carvalho-negral e carvalho-alvarinho, o sobreiro, o lentisco ou o sabugueiro, entre outras.

O objectivo da acção é promover a criação de bosques autóctones, que oferecem uma maior resistência à propagação dos incêndios e são melhores para amenizar o clima, promover a biodiversidade e proteger a nossa paisagem, a água e os solos.

At https://shifter.pt/http://umaarvorepelafloresta.quercus.pt/

Anúncios

Opinião: “Governadores Civis”

Paulo ValerioE os governadores civis?

Ao longo dos anos, fruto de diversos equívocos e até de algumas más práticas, os governadores civis deixaram que se lhes colasse uma imagem caricatural de corta fitas, que acabou por ditar a sua extinção pelas mãos de Passos Coelho.

Sucede que o papel que desempenhavam, no quadro da representação do governo e, em especial, como responsáveis políticos pela proteção civil, ao nível distrital, não logrou encontrar qualquer substituto à altura.

A articulação local de meios transversais a vários ministérios, no contexto do combate aos incêndios – e não só – só pode ser feita por quem tenha legitimidade política e constitucional para esse efeito. Concitar e cruzar a intervenção simultânea de municípios, hospitais, segurança social, infraestruturas viárias, escolas, polícias, entre outros, é trabalho político que não deveria ser desprezado. E esse problema, em tragédias que não conhecem fronteiras, não se resolveu através da ação, ainda que competente e empenhada, de cada presidente de Câmara, dos CODIS e muito menos – é preciso que se diga – dos presidentes das CCDR.

Claro que não estou a dizer que, com governadores civis, as tragédias recentes teriam sido evitadas. Mas eles desempenhavam, a este nível, um papel que não tem substituto e que o atual momento de reflexão sobre o nosso modelo de proteção civil não deveria negligenciar.

É esperar para ver.

Paulo Valério

At https://www.facebook.com/

Artigo de opinião: “Quo Vadis”

Elicidio BileAinda não refeitos das consequências dos incêndios do verão, é com pesar que constatamos que o outono trouxe, mais uma vez, o drama dos incêndios, com mais devastação, mais mortes, mais dor e gritos de angústia.

Já 60% dos meios aéreos de combate aos fogos tinham sido dispensados, quando as vagas de calor se mantinham. A meteorologia aconselhava vigilância e prudência, mas quem deveria estar atento, andava distraído. Todos estávamos avisados da passagem do furacão Ophelia, com o efeito de arrastamento de massas de ar quente e seco vindas do Norte de África sobre a Península Ibérica, mas alguém continuou distraído.

Agora, aí estão as consequências dessa distração crónica a que nos habituamos, apesar dos relatórios, das evidências, das promessas de alteração do “status quo” do «Depois disto, nada ficará na mesma…».

O custo de vidas humanas ceifadas, é muito superior ao dos incêndios ocorridos nos anos de 2003 e 2005. Será que podemos confiar nas promessas repetidamente feitas? Porque morrem hoje mais pessoas vitimadas pelos incêndios do que no passado?

Com estas mortes, mais do que a morte das vítimas, morre um pouco da esperança de quem vive no interior do país, triste, envelhecido, desertificado, que as imagens fotográficas e auditivas nos revelam. Morre também um modelo de sociedade que o povo português anseia e merece, assente nos princípios do Bem Comum, do Destino Universal dos Bens, da solidariedade e da subsidiariedade e dos valores fundamentais da vida social: a Verdade, a Liberdade e a Justiça.

Esperamos que, ainda a tempo, o Estado Português, concretamente o Governo do País, possa alterar o Orçamento Geral do Estado, apresentado na Assembleia da República, mas ainda não discutido e votado, por forma a contemplar a reparação dos prejuízos ocorridos, pela distracção a que se sujeitou e pela incúria no acautelar daquilo que era previsível. A Economia que ficou ainda mais debilitada, o património que ardeu, a fauna e a flora desaparecida e, acima de tudo, os bens das pessoas que viram consumidas pelas chamas o resultado de uma vida de trabalho e o teto onde se abrigavam, para além das vidas ceifadas fruto da incúria de quem os devia proteger.

É preciso que cada um faça a sua parte para nos reabilitarmos como Povo e como Nação.

Elicídio Bilé
Presidente da Cáritas Diocesana de Portalegre – Castelo Branco

Opinião: “Pinhal de Leiria”

pinhal-leiria_1920x1080

Norberto PiresO Pinhal de Leiria, mandado plantar por D. Afonso III (alguns historiadores referem que terá sido iniciativa de D. Sancho II) e depois aumentado por D. Dinis, tem mais de 750 anos e uma extensão de 11.080 hectares. Foi construído para travar o avanço das areias e proteger os terrenos, a cidade de Leiria e o seu castelo. Teve um papel muito importante numa das épocas mais brilhantes da nossa história: os descobrimentos. Foi dali que saiu muita da madeira para construir as caravelas.

O incêndio do fim-de-semana passado destruiu 8.864 hectares (80%) do pinhal.

Em quatro meses morreram 100 pessoas vítimas de incêndios.

Um país que tem uma muito grande extensão florestal e em que uma grande parte da sua cultura, história e economia está ligada à floresta, não educa, não cuida, não preserva essa sua riqueza.

Podem arranjar as desculpas todas que entenderem, podem encontrar bodes expiatórios, grupos terroristas que agora atacam Portugal (de forma muito conveniente), atos criminosos e negligentes, etc., mas a verdade é que não queremos saber. Temos o Estado tomado por incompetência, por falta de cuidado, por gente que não pensa no interesse público, não cuida, não antecipa, não previne, não promove a educação para a cidadania e para a prevenção. Há dinheiro para tudo, para todas as modas do momento, para todos os direitos que são reais e para aqueles que se inventam, mas os recursos são sempre escassos para os deveres que todos temos com o território, com a sua preservação e com a educação para o cuidado a ter com ele.

O Estado, que somos todos nós, falhou e vai continuar a falhar enquanto não realizarmos uma cultura de mérito e de serviço público, com objetivos bem definidos, que possa ser a medida de toda a nossa ação. Continuar desta forma, seja qual for o partido que esteja no Governo, conduzirá sempre aos mesmos resultados, à perda de riquezas fabulosas (como o Pinhal de Leiria) e à dolorosa realidade de não conseguir proteger a vida dos nossos concidadãos.

Norberto Pires

At https://www.facebook.com/

Artigo de opinião: “A incompetência e a desertificação do país”

Burning eucalyptus view portugal

Jorge PaivaHá várias dezenas de anos prevíamos e denunciávamos publicamente que estávamos a transformar as nossas montanhas numa pira de óptimo material combustível, a que até um “iluminado” ministro chamou o “petróleo verde” de Portugal. Realmente tem razão; arde tão bem ou melhor do que o petróleo.

Claro que fomos e continuamos a ser vilipendiados e até já houve tentativas de eliminação física por parte de “uma cleptocracia que nos envergonha a todos”, como diz Viriato Soromenho-Marques (Diário de Notícias, 26.07.2017:38). Aliás, neste artigo refere-se que em 2016 foram assassinadas 200 pessoas que lutam pela defesa da terra onde vivem, que é o Globo Terrestre, onde todos estamos “engaiolados”. Este ano ainda não acabou e já houve 98 homicídios deste tipo.

A Humanidade vive, actualmente, numa sociedade de economia de mercado, cuja preocupação predominante é produzir cada vez mais e com maior rapidez, de modo a conseguir-se o máximo lucro, no mais curto espaço de tempo. Por isso é que a plantação do eucalipto foi e é tão incentivada, pois o eucalipto é de crescimento muito rápido e um carvalho (que é nativo) não. O pior é que foi profusa e indiscriminadamente plantado. Sei de um aldeão idoso que, estando já grande sem capacidade física, deixou de cultivar a horta que tem junta à casa que habita e plantou nela eucaliptos. Claro que não há, actualmente, nenhuma instituição capaz de vigiar e controlar estes desmandos. Isso era feito pelos designados Serviços Florestais. Mas os cleptocratas não descansaram enquanto os governantes não acabaram com esses Serviços, onde estavam muitos técnicos que, além de não serem “eucalipteiros”, eram capazes de controlar a plantação indiscriminada e desordenada de eucaliptos. Além disso, esses Serviços tinham vigilantes permanentes na floresta que não só detectavam facilmente os pirómanos, como também controlavam e apagavam de imediato os incêndios, não os deixando propagar de modo incontrolável e devastador.

Há séculos que temos floresta de produção mono-específica (uma só espécie de árvore) com árvores nativas, como são os azinhais e os sobreirais. Sabemos como são altamente rendíveis e não inflamáveis esses montados de azinho e de sobro. Não é por acaso que o sobreiro é a nossa “Árvore Nacional” e não o eucalipto. Mas um sobreiro e uma azinheira, que são carvalhos (Quercus), crescem muito mais lentamente que o eucalipto e isso não interessa às multinacionais, pois estas só se interessam, como já se referiu, pelo máximo lucro, no mais curto espaço de tempo.

Ora, qualquer pessoa minimamente instruída, culta e racional (não “trumpista”) tem conhecimento do que está a acontecer devido ao actual “Aquecimento Global” e que Portugal está a ter verões mais quente e secos. Ora as únicas árvores que temos, capazes de suportarem estas novas condições são, precisamente, os sobreiros e as azinheiras.

É preciso pois repensar a floresta de produção e ordenar as plantações e o país. Mas isto levará muitos anos, pois são árvores de crescimento lento. Porém, isso já foi feito no Ribatejo e Alentejo. Aqueles montados de sobro e azinho demoraram dezenas de anos a formarem-se, mas hoje são rentáveis e sempre com o mesmo número de árvores, pois conforme vão morrendo, vão sendo substituídas por outras.

Claro que isso não interessa a determinadas multinacionais. Por isso já fizeram publicar um comunicado sobre aquilo a que eles chamam “Reforma florestal” em prol do eucalipto. Digo que fizeram publicar porque o dito comunicado foi publicado nos Jornais na rubrica “publicidade”.

Considero vergonhoso que esta cleptocracia não tenha pejo de fazer publicar um comunicado destes numa altura em que ainda o país lamenta a enorme mortandade provocada pelo devastador incêndio de Pedrógão. É igualmente vergonhoso e inqualificável o aproveitamento do número de mortos incinerados, que indivíduos sem o mínimo de escrúpulos utilizam, como argumento político.

Pois, TODOS os Partidos Políticos têm que estar envergonhados com o que acontece TODOS os verões em Portugal. Estes piroverões ocorrem porque Governos sucessivos deixaram transformar as nossas montanhas numa floresta incandescente, que designo por “ignisilva” e agora TODOS esses Partidos deviam reunir-se e acordarem com a metodologia para passarmos a ter uma floresta rentável, não incandescente e de manutenção caríssima como é a actual. Toda a gente sabe que a floresta que temos é extraordinariamente onerosa para o Estado, pois basta saber quanto custa anualmente o combate aos fogos florestais, não contabilizando o prejuízo do lenho ardido e da desertificação das montanhas, cujo solo é arrastado pelas chuvadas dos invernos seguintes, transformando-as em desertos com enormes pedregulhos a descoberto.

É lamentável que os deputados de TODOS os Partidos Políticos se entretenham a vociferarem uns contra os outros, em vez de tentarem resolver os grandes problemas deste país.

Jorge Paiva. Biólogo
jaropa@bot.uc.pt

At http://knowledgebase.mediterraneangardeningportugal.org/

CDS/PP oferece maioria absoluta à CDU na Junta de Alpalhão

PCP Alpalhão

PCP CDS-PPO resultado das eleições autárquicas 2017 em Alpalhão, deu 4 mandatos à CDU (a mais votada), 4 mandatos ao PS e 1 mandato à coligação PPD/PSD-CDS/PP.

Com a Tomada de Posse no passado Sábado, dia 14, foi também momento para a votação para constituição do Executivo da Junta de Freguesia para este novo mandato, composto por 3 elementos. O resultado da votação ditou então 2 elementos da CDU e o único elemento da coligação PPD/PSD-CDS/PP (a cabeça de lista às eleições autárquicas 2017 foi Alcina Batista, em representação do CDS/PP).

ACP vai ajudar o Gavião a renovar a floresta

Por uma Baja Portalegre 500 mais limpa!
Ação Ambiental com Plantação de árvores no Gavião

Na próxima Quarta-feira, dia 18 de outubro pelas 11h00, a Câmara Municipal de Gavião com a colaboração do Automóvel Club de Portugal (ACP) vai realizar uma ação ambiental de plantação de árvores, numa zona que foi recentemente devastada pelos incêndios que assolaram o país.

Uma iniciativa que tem também como intuito compensar a pegada ecológica e contribuir para a redução do aquecimento global.

Vão participar nesta plantação de árvores diversos pilotos e equipas que vai contar ainda com a ajuda muito especial de 30 crianças do Pré-Escolar.

Nesta ação serão ainda abordados temas como a Segurança dos Espetadores e Responsabilidade Ambiental.

Sob o lema “Por uma Baja mais limpa!” o ACP pretende sensibilizar todos para que deixem as ZEs limpas. O lixo deverá ser colocado em sacos e estes em contentores que serão disponibilizados para o efeito.

De destacar que o ACP recebeu, recentemente, o galardão FIA Achievement of Excellence pelo planeamento e desempenho em termos de práticas ambientais de excelência no WRC Vodafone Rally de Portugal 2017, às quais pretende dar continuidade na Baja Portalegre 500.

Campeonato Nacional de Todo-o-Terreno

At https://www.facebook.com/

Artigo de opinião: “Um toureador toureado”

Debate Sócrates

Porque as prioridades da noite de ontem foram outras só esta manhã estive a ver a entrevista dada por José Sócrates ao sobrinho de Dias Loureiro. Atrás da orelha já tinha entretanto milhentas indignações de muitos amigos do Facebook sobre o comportamento crapuloso do entrevistador e a forma como o antigo primeiro-ministro soubera galhardamente dar a volta ao texto previamente previsto pela Direção de (des)Informação da RTP e do Ministério Público que, claramente, estivera na origem do guião para o confronto mediático.

Relativamente a Vítor Gonçalves nem sequer lhe dou o mérito de me justificar a consternação pela triste figura a que se expôs. Tratando-se de um dos responsáveis maiores pelo manifesto desequilíbrio com  que o canal em causa noticia a realidade presente, já lhe adivinhávamos o comprazimento com a missão a que se autoincumbira: fundamentado nas quatro mil páginas do processo pensaria ter a oportunidade de encostar definitivamente Sócrates às cordas. No final já se imaginaria na pose bufona dos matadores tauromáticos a dar voltas à arena, saudado pelos aficionados com os chapéus e a serpentinas a colorirem o espaço à sua frente  e muitos olés de permeio.

Que a faena não lhe saiu de feição notou-se na expressão carregada com que fechou o programa. Sobretudo com essa estocada final, que Sócrates lhe deu a respeito do tipo de jornalismo por si professado ao armar-se em coscuvilheiro e querer saber do que viveria agora o interlocutor. De toureador saía manifestamente toureado.

A respeito de José Sócrates só se pode dizer que esteve igual a si mesmo: relativamente às acusações agora conhecidas só teve uma linha de defesa óbvia, que foi a de indagar onde se comprova em factos, datas precisas e documentos explícitos, onde alguma delas ganha nexo. E, pelo contrário, encarregou-se de apresentar provas palpáveis e incontestáveis dos sucessivos desmentidos com que neutralizava cada uma daquelas.

O Ministério Público terá tido, assim, uma amostra do que o espera na barra dos tribunais e não terá espaço para desenlear as suas muitas contradições. Mas, quase por certo, não é isso que pretende: o objetivo nunca terá sido o de apurar a verdade, mas criar uma narrativa consistente capaz de desqualificar as políticas implementadas durante a vigência dos governos de José Sócrates para melhor facilitar o projeto depois assumido por Passos Coelho em nome dos que se serviram da troika para concretizar os seus fins. O momento escolhido para prender o antigo primeiro-ministro e outros igualmente reveladores da coincidência entre ciclos eleitorais e novas fugas de informação para os pasquins arregimentados a tal causa, sempre elucidaram na plenitude o que verdadeiramente estava na origem do processo.

Os que se acoitam no Ministério Público com tal propósito já sabem que, se não conseguiram levar até ao desejado desiderato o objetivo de pôr em causa a estratégia política das esquerdas, eliminaram politicamente aquele que julgaram ser o seu principal inimigo de estimação. Porque o processo judicial demorará anos até inocentar Sócrates, impedindo-o de voltar a assumir cargos políticos para que o seu talento tornava óbvia a candidatura.

O que as esquerdas não podem ignorar é a forte probabilidade de os mesmos que estiveram por trás de todo a Operação Marquês já andarem atentos a todas as minúcias da governação de António Costa buscando nela alguma malha caída por onde possam pegar. E já se constatou que este Ministério Público nem precisa de provas rigorosas para formular narrativas com que possa enlamear quem elege como inimigos fidalgais. Basta que pareçam o que não são para se julgarem capazes de avançarem para novas e sinistras narrativas.

At https://ventossemeados.blogspot.pt/

Opinião: “A Praça de Touros de Badajoz e José Sócrates”

Socrates

ArnaldoContou-me o meu Pai (mais que uma vez), que na guerra civil Espanhola (entre os fascistas/falangistas/monárquicos/católicos e os Republicanos) havia, com frequência, sessões de fuzilamento abertas ao publico (se calhar para exemplo) na Praça de Touros de Badajoz. Claro que os fuzilados eram os militantes Republicanos e os fuziladores militares das falanges de Franco.

Dizia-me ele, o meu Pai, que iam aqui da minha terra (Benavente) conterrâneos de famílias muito conhecidas (e que por isso vou omitir os nomes) assistir a esse “circo” de triste memória para qualquer pessoa civilizada. Era um gozo de satisfação que ultrapassava a obscenidade. e que transparecia nos comentários e nas descrições das execuções sumarias.
Merda de gente!

Hoje lembrei-me dessa violência ao ver as carinhas obscenamente felizes dos jornaleiros, tipo ricardo costa, ao falarem da, finalmente chegada, acusação a Socrates.
Se calhar justifica-se essa felicidade de gente que vive e respira montada no mal alheio e conhecedora da pouca vergonha que domina a PGR e o MP.
Mas uma coisa é uma acusação (muito facil) e outra coisa é a prova.
Daqui por 20 anos eu, ou alguem por mim, cá estarei para ver se essas caras, sedentas de sangue, vão continuar a vomitar ódio ou não.
Eu, ou alguém por mim, continuarei ao lado de Socrates, até que me provem o contrario.
Tenho pena desta gente!

Arnaldo da Cunha Serrão

At https://www.facebook.com

Nisa é a porta de entrada norte no Alentejo. Quando chegar a Nisa, tenha mente aberta e entregue-se a emoções únicas. Entre o passado e o futuro, Nisa encanta-nos à chegada e emociona-nos na despedida!

The WordPress.com Blog

The latest news on WordPress.com and the WordPress community.

PÚBLICO

Nisa é a porta de entrada norte no Alentejo. Quando chegar a Nisa, tenha mente aberta e entregue-se a emoções únicas. Entre o passado e o futuro, Nisa encanta-nos à chegada e emociona-nos na despedida!

Le Monde Diplomatique - Edição Portuguesa

Nisa é a porta de entrada norte no Alentejo. Quando chegar a Nisa, tenha mente aberta e entregue-se a emoções únicas. Entre o passado e o futuro, Nisa encanta-nos à chegada e emociona-nos na despedida!

TSF - Últimas Notícias - RSS

Nisa é a porta de entrada norte no Alentejo. Quando chegar a Nisa, tenha mente aberta e entregue-se a emoções únicas. Entre o passado e o futuro, Nisa encanta-nos à chegada e emociona-nos na despedida!

Expresso

Nisa é a porta de entrada norte no Alentejo. Quando chegar a Nisa, tenha mente aberta e entregue-se a emoções únicas. Entre o passado e o futuro, Nisa encanta-nos à chegada e emociona-nos na despedida!