Arquivo de etiquetas: Transportes

Plataforma da A23 e A25 critica ausência de propostas no OE 2019 sobre portagens

A23 Portalegre 878c6bbef1b3db282254378ba3947738_N
A plataforma queixa-se que a abolição e ou redução do preço das portagens não constam da proposta de Lei do Orçamento do Estado, aparecendo apenas no documento designado “Relatório do OE”.

A Plataforma Pela Reposição das Scut na A23 e A25 lamentou esta quinta-feira que o Orçamento do Estado para 2019 apresente “uma mão cheia de nada” face às portagens, uma “falta de respeito pelas populações do Interior”.

“A Plataforma Pela Reposição das SCUT na A23 e na A25 procedeu a uma primeira análise ao Orçamento do Estado para 2019 e constatou que no que concerne a portagens temos uma ‘mão cheia de nada'”, refere a Plataforma, em comunicado.

Adianta que, ao contrário de outras medidas para as áreas metropolitanas de Lisboa e Porto e uma ou outra “medida desgarrada e insuficiente” para o Interior, a abolição e ou redução do preço das portagens não constam da proposta de Lei do Orçamento do Estado, aparecendo apenas no documento designado “Relatório do OE”.

“Ainda assim, limita-se a dizer que no decorrer de 2019 se verificará a redução para os veículos de transporte de mercadorias, não dizendo, nem quando, nem como se vai processar essa redução e deixando de fora dessa redução os trabalhadores e a população em geral”, lê-se no documento.

A Plataforma regista como “negativo e falta de respeito pelas populações e empresas do Interior” o facto de as portagens não constarem da versão do OE entregue na Assembleia da República.

Face à análise feita, a Plataforma decidiu desenvolver, com caráter de urgência, algumas medidas, onde se incluem pedidos de audiência ao ministro do Planeamento e Infraestruturas, ministro-Adjunto e da Economia e à Comissão Parlamentar de Economia, Inovação e Obras Públicas.

Vão ainda reafirmar o pedido de audiência ao Presidente da República e elaborar e publicar uma carta aberta ao primeiro-ministro, que vai ser subscrita por várias personalidades da vida pública do Interior.

“A Plataforma reafirma que sempre que o primeiro-ministro, o ministro do Planeamento e Infraestruturas ou o Presidente a República se desloquem aos distritos de Castelo Branco e da Guarda se fará representar com uma delegação, preparada para manifestar o seu desagrado, conforme as circunstâncias, estando ainda sempre em agenda a realização de ações públicas nestes distritos ou fora deles”, concluem.

At https://expresso.sapo.pt/

Autarcas da região do Douro insistem na reactivação da ligação a Espanha

Douro comboiohistorico

 

Os autarcas do Douro insistem na reactivação da linha ferroviária do Douro até Espanha. Aproveitaram a presença do ministro da Economia, esta segunda-feira, na Régua, para reivindicarem um projecto sobre o qual, dizem, o Governo tem mantido o silêncio.

Nuno Gonçalves, vice-presidente da Comunidade Intermunicipal do Douro e presidente da Câmara de Torre de Moncorvo, vinca que a linha do Douro pode vir a contribuir para dinamizar a economia da região e do país e, por isso, é preciso voltar a ligá-la a Espanha: “não pudemos ter algo que está tão próximo de nós e que promove o desenvolvimento desta região, que dá lucro e que está quadragésimo lugar em termos de passageiros e mais, a linha do Douro será fundamental para o escoamento de produtos, como o mineiro de Torre de Moncorvo. No plano de investimentos não se encontra a reactivação desta linha e penso que o senhor ministro deveria olhar para este projecto como um pólo de desenvolvimento”.

O ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, não se alongou em comentários relativamente à reivindicação dos autarcas: “eu penso que os investimentos em infra-estruturas são importantes e devem ser considerados e estudados e é isso que o governo está a fazer”.

O ministro assume que é preciso continuar a melhorar a oferta da região e que isso se faz com infraestruturas, mas faz-se também com um trabalho em rede entre escolas, unidades hoteleiras, municípios, todos a trabalharem em conjunto: “promover melhor a região, como é o caso do Museu do Côa. É importante que este museu tenha melhores condições de visitação, assim como o alargamento dos horários. Porque é com este trabalho, e com os 59 projectos num investimento total de 60 milhões de euros em curso, mas claro que teremos que continuar a melhorar a oferta da região”.

O ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, insiste que é preciso melhorar a oferta turística da região, mas não garantiu nada sobre a ligação da linha ferroviária do Douro a Espanha.

Num estudo recente sobre as ligações ferroviárias transfronteiriças, a Comissão Europeia reconheceu que a linha do Douro é de grande potencial em termos turísticos e de coesão social.

At http://www.radioansiaes.pt/

Beirões também lutam por ligação directa a Espanha

IC 31 43763797_1691776354265656_1811602563909287936_n

Agora é o momento de negociar finalmente com o governo português este troço de auto-Estrada.

O presidente estremenho aposta por fazer os 19 km desde moral até a fronteira.
https://www.hoy.es/extremadura/vara-confia-presentar-20180926125510-nt.html

É uma auto-Estrada aprovada em 2005 segundo este link:
https://www.elperiodicoextremadura.com/noticias/temadeldia/portugal-extremadura-aprueban-autovia-norte-monfortinho_176744.html

De acordo com essa notícia se iniciava em 2008 a construção em Portugal até a fronteira:
http://www.elperiodicoextremadura.com/noticias/extremadura/portugal-inicia-construccion-autovia-monfortinho-castelo-branco_349951.html
Se esta notícia tivesse se tornado realidade, esta rodovia estaria em funcionamento há alguns anos.

É uma auto-estrada que poderia dar muita vida ao setor turístico, comercial e industrial.
Não em vão teria influência para o norte da extremadura de uma população de mais de 2 milhões de habitantes da zona centro de Portugal.

E poderia atrair para a zona de influência de Lisboa a sua passagem para Madrid ou outros pontos de Espanha. Essa população de influência de Lisboa são mais de 3 milhões de pessoas.
Até poderia atrair pessoas da zona norte de Portugal que são mais de 3.600.000 mil habitantes.
É uma auto-estrada sobre a qual têm corrido rios de tinta ao longo dos anos. Assista notícias no Google.

At https://www.facebook.com/ / Asociación para el desarrollo del Turismo del Norte de Extremadura

Hortense Martins 1436566590_10608501-10201980821115966-1461794955951966769-oO IC 31 é um projecto que temos defendido, como estratégico para a região e mesmo para o centro do País. Deputados do PS e autarcas, além da sociedade civil tem estado unidos neste propósito e que é ambição de já alguns anos. Infelizmente o governo anterior demonizou as estradas, dizendo que tinha,os estradas a mais e estas deixaram de ter apoio comunitário.

Neste momento o governo português têm lutado para que a rodovia seja contemplado no próximo quadro comunitário e pretendemos que este projecto seja contemplado. Não foi nem é uma luta fácil, mas vamos continuar a defender esta ligação importante ao território espanhol e que liga a Madrid.

At https://www.facebook.com/ / Hortense Martins

Artigo de opinião: “Ponte de Sor”

Ricardo RioPonte de Sor é sobretudo a imagem de um Portugal que sonha mais alto e faz acontecer.

Ponte de Sor é uma novel cidade do distrito de Portalegre, a 150 quilómetros de Lisboa, cujo nome se deve à ponte romana que atravessava o Rio Sor desde o ano 115 d. C..

Assim a caracterizou sumariamente o Professor José Hermano Saraiva num dos seus Horizontes da Memória, em que não deixou também de aludir ao facto de esta localidade ser dos maiores centros de produção de cortiça do País, situação que se mantém na actualidade.

Importa este enquadramento sumário porque, para muitos, Ponte de Sor apenas será associada às malfeitorias dos filhos de Embaixadores do Médio Oriente nos seus tempos livres.

Para outros, Ponte de Sor, é a guardiã da história do malfadado processo dos Kamovs da Everjects, onde se encontram parados em instalações seladas pela ANPC para apoio às investigações e diferendos judiciais em curso.

Para outros ainda, a localidade é indissociável dos feitos do Eléctrico Futebol Clube, a colectividade que vem marcando presença em anos recentes na Liga Profissional de Basquetebol e que este ano subiu também a sua equipa de futsal ao escalão máximo da modalidade.

Mas, o que quase todos desconhecerão é que este concelho com quase 17 000 habitantes tem vindo a cumprir uma trajectória consistente de conquista de espaço na interacção com a indústria aeronáutica, quer na captação de empresas multinacionais, quer no apoio a projectos nacionais de elevadíssimo potencial (como é o caso da Tekever), quer até na incubação de empresas inovadoras. Ao mesmo tempo, é hoje um espaço de referência na formação de pilotos, atraindo várias centenas de alunos internacionais todos os anos, em ligação às empresas de referência no sector.

Mas, neste espaço, Ponte de Sor é sobretudo a imagem de um Portugal que sonha mais alto e faz acontecer, longe das luzes da ribalta dos protagonistas de sempre.

Ricardo Rio

Presidente da Câmara Municipal de Braga

At http://www.cmjornal.pt/

CGTP quer abolição das portagens no Interior em 2019

Autoestrada_A23-b.svg

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, afirmou hoje que a abolição das portagens no interior do país deve ser colocada já no próximo Orçamento do Estado (OE2019) e reiterou que o pagamento das ex-scut não combate a desertificação.

“Continuamos a ter portagens que custam um dinheirão e não é assim que se combate a desertificação, pelo contrário. Por isso mesmo, a União de Sindicatos de Castelo Branco já por várias vezes reafirmou as suas posições, pensamos que agora, no âmbito da discussão do Orçamento do Estado, esta matéria não pode deixar de ser colocada, ou seja, a abolição das portagens”, disse.

Arménio Carlos falava no Fundão, no âmbito de uma visita que está a realizar hoje ao distrito de Castelo Branco e que teve início na Covilhã, contado ainda com ações a realizar durante a tarde em Castelo Branco.

O líder sindical defendeu ainda que também é preciso “investimento no Interior, de forma a criar mais emprego, a fixar e a atrair pessoas” que possam trabalhar nessas regiões e, simultaneamente, possam “contribuir para o desenvolvimento do país, numa lógica de coesão económica, social e territorial”.

Nesta deslocação, Arménio Carlos reúne com trabalhadores de vários setores de atividade, sendo que em cima da mesa estará o sentimento da insatisfação dos trabalhadores face ao facto de o crescimento da economia não estar a ser refletido na melhoria do emprego e dos salários.

“Não se justifica e não é justo que continuemos a ter uma situação de manutenção de desigualdades gritantes entre aqueles que continuam a acumular lucros e, por outro lado, aqueles que produzem riqueza e continuam a ser discriminados”, disse.

Outro dos pontos abordados nas reuniões de trabalho prende-se com a exigência da melhoria e da fixação dos serviços públicos, que também contribui para o combate à desertificação, como lembrou Arménio Carlos, depois de defender que o Estado tem de assumir as suas responsabilidades nessa matéria.

At https://www.jornaldofundao.pt/

Defensores do interior novamente contra as portagens na A23

A23 41637624_2095870847099491_903471320178622464_n
A Plataforma Para a Reposição das Scuts na A23 e A25 anunciou hoje a realização de novas ações de luta contra as portagens, nomeadamente uma marcha lenta, um seminário e uma manifestação à porta da residência oficial do primeiro-ministro.

Em conferência de imprensa realizada hoje na Covilhã, distrito de Castelo Branco, os representantes desta Plataforma frisaram que a luta tem de continuar, já que os descontos anunciados para 2019 são “insuficientes” e que as portagens continuam a ser um “atrofio para o Interior”.

“Temos de ser mais teimosos porque aquilo que temos conseguido tem sido pouco”, afirmou José Gameiro, da Associação Empresarial da Beira Baixa, uma das entidades que integra esta Plataforma.

Entre as novas ações previstas, está uma manifestação junto à porta da residência oficial do primeiro-ministro, em Lisboa, que deverá ocorrer no dia 13 de outubro.

Este protesto já tinha sido anteriormente anunciado, mas acabou por ser adiado com o objetivo de manter aberta uma via negocial com o Governo, o que, até agora, não sortiu o resultado esperado.

“É uma iniciativa que não se faz de ânimo leve, que tem custos (…), mas, se não tivermos mais avanços, vamos mesmo realizá-la”, afirmou Luís Garra, da União de Sindicatos de Castelo Branco.

Lembrando que se está em fase de discussão do Orçamento do Estado, Luís Garra também defendeu que este é o momento de “aumentar a pressão”.

Assim, já no próximo dia 20 de setembro realiza-se uma marcha lenta/buzinão, com dois pontos de partidas (na Covilhã e em Castelo Branco, respetivamente às 17:00 e às 17:30) e com ponto de encontro em Castelo Novo, concelho do Fundão.

Segundo o previsto, os participantes percorrerão alguns troços da A23, com passagens pela Estrada Nacional 18 para evitar o pagamento de portagens.

Para dia 27 de setembro, às 20:30, no auditório do Instituto Politécnico de Castelo Branco, será levado a cabo um seminário subordinado ao tema das portagens e das parcerias público-privadas rodoviárias.

O debate é aberto à participação de todos e tem já confirmada a presença de Eduardo Anselmo Castro, vice-reitor da Universidade de Aveiro, que realizou um estudo sobre os “impactos da cobrança de portagens na mobilidade rodoviária.

Outro dos oradores é Paulo de Morais, docente universitário e político português, que preside à Frente Cívica, associação que pretende apresentar no parlamento um projeto-lei que visa extinguir os contratos de parcerias público-privadas do domínio rodoviário, medida que, de acordo com a Frente Cívica, permitiria poupar 11 mil milhões de euros.

Os representantes da Plataforma sublinharam a importância deste debate, que juntará mais argumentos à luta contra as portagens, onde já constam questões como os elevados custos de contexto e a falta de alternativas.

Além disso, reiteram ainda o desafio público para que autarcas, deputados e partidos políticos se juntem a este movimento e lembraram que a reposição das Scut (vias sem custos para o utilizador) é uma questão de justiça, já que estas autoestradas foram construídas para não ter portagens.

“É hora de nos devolverem aquilo que nos foi roubado”, disse, Zulmiro Almeida, da Comissão de Utentes da A25.

A Plataforma de Entendimento para a Reposição das Scut na A23 e A25 integra sete entidades dos distritos de Castelo Branco e da Guarda, nomeadamente a Associação Empresarial da Beira Baixa, a União de Sindicatos de Castelo Branco, a Comissão de Utentes Contra as Portagens na A23, o Movimento de Empresários pela Subsistência pelo Interior, a Associação Empresarial da Região da Guarda, a Comissão de Utentes da A25 e a União de Sindicatos da Guarda.

At https://www.dn.pt/