Arquivo de etiquetas: Formação

Afinal o Tejo existe: Festival de Sopas de Peixe e Grande Prémio F2 de Motonáutica… em Vila Velha de Ródão

Vila Velha pop-up_655x927

Dia 07 | Sábado

08h30 | Abertura do Festival com Rota Temática pela Vila: Encenações as gentes do Rio

12h00 | Adufeiras de Idanha-a-Nova (Campo de Feiras _ Palco Beira Baixa Cultural) *

15h00 | Atuação Bandas Filarmónicas (Campo de Feiras _ Palco Beira Baixa Cultural) *

15h30 às 17h00 | Grande Prémio F2 – Motonáutica: Treinos oficiais e qualificação (Cais de Ródão)

18h00 | Grande Prémio F2 – Motonáutica _ Provas de eliminação (Cais de Ródão)

19h30 | Cantares ao Desafio (Campo de Feiras _ Palco Beira Baixa Cultural) *

23h00 | Gisela João (Campo de Feiras _ Palco principal)

00h00 | Festa anos 80 (Campo de Feiras)

Dia 08 | Domingo

10h00 às 10h45 | Grande Prémio F2 – Motonáutica: Prova de Qualificação Q3 (Cais de Ródão)

12h00 | Grande Prémio F2 – Motonáutica: Corrida de Repescagem (Cais de Ródão)

13h00 | Animação Itinerante (Campo de Feiras)

15h30 | Grande Prémio F2 – Motonáutica: Volta de apresentação (Cais de Ródão)

15h45 | Grande Prémio F2 – Motonáutica: Grande Prémio de Vila Velha de Ródão (Cais de Ródão)

18h30 | Atelier de Culinária: As Sopas de Peixe Ontem e Hoje (Campo de Feiras_ Beira Baixa Cultural) *

19h30| Bike Tour – Sensibilização e Reflexão dos Rodenses para os Riscos das Alterações Climáticas (sujeito a pré-inscrição) (Cais de Ródão) **

22h30 | Hi-Fi Grupo Musical (Palco principal)

Atividades constantes nos 2 dias do festival
Restauração | Mercadinho do Pão | Animação Infantil |Animação de Rua | Atelier Culinário

* Evento realizado no âmbito do projeto BEIRA BAIXA CULTURAL, cofinanciado pelo Centro2020, Portugal2020 e União Europeia, através do FEDER (Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional)

** Evento realizado no âmbito do projeto “Sensibilização dos Rodenses para os Risco das Alterações climáticas”, cofinanciado pelo POSEUR, Portugal 2020 e União Europeia, através do FC (Fundo de Coesão)

Vem aí a XXIII Feira Raiana em Idanha-a-Nova

Idanha pub_cmyk_r_fr2019

De 17 a 21 de julho, realiza-se em Idanha-a-Nova a XXIII Feira Raiana que, nesta edição, associa a habitual temática “Produtos da Terra” ao facto de este ter sido o primeiro município português a integrar a Rede Internacional de Bio-Regiões. Organizada alternadamente pelo Município de Idanha-a-Nova e pelo Ayuntamiento de Moraleja, a Feira Raiana possui um papel dinamizador para a economia local, enquanto mostra dos setores agrícola, animal, agroalimentar, florestal, turístico e cultural, representando um polo de cooperação transfronteiriça e de progressiva integração das realidades socioeconómicas das duas regiões, que se tocam nesta zona da fronteira de Portugal e Espanha – a Beira Baixa e a Extremadura.

A Feira Raiana constitui, por isso, uma excelente oportunidade para promover territórios inovadores, baseados numa economia sustentável, e os produtos de qualidade produzidos a partir de Idanha-a-Nova, do Geopark Naturtejo, da Beira Baixa, de Portugal, da Extremadura espanhola, dos países ibero-americanos e dos países onde existem Bio-Regiões.

Programa disponível em: feiraraiana.idanha.pt

Idanha 1

Idanha 2

Artigo de opinião: “Afinal, pode haver vida para lá do PIB”

Rui Tavares Guedes zskbL3GMA conclusão a que Jacinda Ardern chegou, na Nova Zelândia, devia ser um exemplo para o mundo: o crescimento do PIB não conduz, só por si, a um país melhor.

Porque é que temos a tendência de olhar para a realidade e achar que as coisas estão sempre piores do que aquilo que, na realidade, estão? Porque é que ganhamos o hábito de prestar mais atenção aos indicadores negativos do que aos positivos? Há várias explicações para que isto suceda. Pode ser fruto da reação dos nossos instintos de sobrevivência, sempre prontos para nos alertarem para os perigos. Mas também pode ser a consequência lógica de quem se habituou a olhar apenas para alguns factos, deixando muitos outros fora de foco e ausentes da sua visão final sobre a realidade. Numa época em que estamos cada vez mais inundados de informação, aumentámos a nossa capacidade de nos sobressaltarmos com factos e acontecimentos, mas perdemos o discernimento para apurar tendências. Valorizamos a última estatística, mas não perdemos tempo a analisar as séries longas.

Muito do afastamento que atualmente se sente entre políticos e eleitores pode ser explicado, se calhar, pelas formas diferentes como cada um olha para a realidade. No debate político, dependente dos indicadores económicos, os diagnósticos terminam sempre da mesma forma: se o PIB cresce, então o país, qualquer que ele seja, está no bom caminho.

E o debate prossegue apenas a tentar apurar quantas mais décimas podiam ou não acrescentar-se a esse crescimento económico.

Uma das grandes causas do descontentamento que grassa em todas as democracias ocidentais reside, precisamente, no facto de as pessoas ouvirem que o PIB cresce, mas sentirem que a qualidade das suas vidas diminui. Pior ainda: à medida que o PIB cresce também tem aumentado a desigualdade e, com ela, a sensação de injustiça social e os focos de conflito.

A boa notícia é que há quem também se preocupe com isto e, mais importante, arrisque fazer diferente. É o caso de Jacinda Ardern, a jovem primeira-ministra trabalhista da Nova Zelândia que, do outro lado do mundo, à frente de um Governo que também funciona como uma espécie de Geringonça (em coligação com um partido verde e um partido nacionalista), tenta inovar no modo de fazer política, não só com um discurso e uma postura baseados na solidariedade, mas também ao ser o primeiro Governo de uma democracia ocidental a apresentar um Orçamento em que se privilegia o bem-estar da população e não o crescimento económico.

Há razões para o fazer. Quando chegou ao Governo, há cerca de dois anos, Jacinda Ardern percebeu depressa que a frieza dos números da economia não era similar com muitos outros indicadores que encontrava na sociedade. Apesar de acumular, há vários anos, um crescimento forte do PIB, a Nova Zelândia registava, em contrapartida, algumas das maiores taxas de suicídio, de sem-abrigo, de violência familiar e de pobreza infantil do planeta. E a desigualdade social continuava a aumentar, demonstrando que o crescimento do PIB não era redistribuído por toda a população.

A conclusão a que Jacinda Ardern chegou devia ser um exemplo para o mundo: o crescimento do PIB não conduz, só por si, a um país melhor. Isso consegue-se, sim, através de outros indicadores, como os que promovem a qualidade de vida e o bem-estar dos cidadãos. No primeiro Orçamento de Bem-Estar que o seu Governo apresentou, na semana passada, no parlamento, foram criadas cinco áreas principais de atuação, fortemente financiadas, e cuja avaliação passa a ter a importância que, anteriormente, era dada ao PIB: saúde mental, pobreza infantil, promoção profissional dos povos indígenas, inovação digital e transição para uma economia sustentável.

Os críticos dizem que se trata de uma manobra de marketing, mas, mesmo que também o seja, continua a merecer os elogios, pois revela uma tentativa de fazer política de forma diferente. Com a preocupação centrada em quem mais merece: as pessoas.

Rui Tavares Guedes

At http://visao.sapo.pt/