Arquivo de etiquetas: Agricultura

Mais emprego para… a Plataforma Logística de Badajoz

Plataforma Logistica Badajoz 1099953_2

Esta segunda-feira, 26 de Agosto, fica marcada pelo primeiro dia de funcionamento da primeira empresa que se instalou na Plataforma Logística de Badajoz, em Espanha.

A Monliz España, uma multinacional de preparado de verduras, inaugurou hoje as suas instalações após um investimento de 20 milhões que incluiu sua a implementação numa área de 30 mil metros quadrados, sendo 11 mil dedicados a armazenamento. A ambição da empresa é aumentar a produção para um valor próximo das 35 mil toneladas.

As obras de fixação da empresa na plataforma logística iniciaram-se em Outubro de 2018, culminando hoje com a inauguração do novo espaço.

At https://www.linhasdeelvas.pt/

Opinião: “O preço do Brasil por ter um boçal no poder”

Telmo 15400405_1376760399001220_626770123602206139_nTchau, acordo comercial com a União Europeia! O imbecil Boçalnaro conseguiu, em tempo recorde, transformar o Brasil num país vilão internacional, carbonizando a imagem do país no mundo.

Pelo Twitter, o presidente francês, Emmanoel Macron, não moderou as palavras: “Nossa casa queima. Literalmente. A Amazónia, o pulmão do nosso planeta que produz 20% do nosso oxigénio, está em chamas. É uma crise internacional. Aos membros do G7, vejo vocês em dois dias para falarmos sobre esta emergência“.

Macron 68725144_2721422891201624_867636423753203712_n

Daqui a dois dias começa, na francesa Biarritz, a cúpula que reúne, além da França, Alemanha, Canadá, Estados Unidos, Itália, Japão e Reino Unido e um representante da União Europeia. Será que Bolsonaro vai pedir a Donald Trump que defenda o Brasil da condenação internacional pelos danos ambientais? Acho difícil, não concordam?

Falta pouco – ou talvez já nem falte nada – para que se proponham sanções internacionais ao Brasil boçalnarista. Seria, de facto, inaceitável que isso fosse feito se os brasileiros estivessem a defender o seu território e sua soberania, não o direito de “tacar fogo” na floresta amazónica. Não pensem que a reprimenda mundial vá despertar patriotismo: como a “causa” é péssima, o que traz é vergonha.

Anos e anos de esforço de Lula e Dilma para transformar o país num interlocutor das nações mais poderosas, para melhorar a sua inserção do sistema de trocas internacionais, para ser uma voz respeitada, que aspirava até a uma cadeira no Conselho de Segurança da ONU para, em poucos meses, virarmos um pária internacional, um motivo de escárnio para o mundo.

O estúpido, inculto e imbecil Boçalnaro, conseguiu uma proeza. Mobilizou a opinião pública mundial contra o Brasil num grau e numa velocidade inacreditáveis. É mesmo provável que o número de queimadas e a área desmatada no país tenha crescido com seu discurso de tirar a fiscalização ambiental “do cangote” de fazendeiros, garimpeiros e madeireiros. E, ainda mais, com o clima de terror que ele impôs aos servidores dos órgãos fiscalizadores, vários deles já punidos com transferências para longe de seus locais de trabalho.

Bolso 69275752_2721449507865629_5327763856737435648_n.jpg

Tudo o que está a ocorrer, por pior que seja, porém, não chega nem perto da repercussão que a idiotia presidencial conseguiu dar ao tema.

1 – Um vídeo da Reuters tem meio milhão de acessos, dizendo que “onda enorme [de queimadas] veio depois de Boçalnaro tomar posse em janeiro”.
https://twitter.com/Reuters/status/1164226909745500161

2 – O The New York Times diz que ” o desmatamento da Amazônia aumentou rapidamente desde que Boçalnaro, eleito em outubro, tomou posse e seu governo cortou os esforços para enfrentar actividades ilegais na floresta tropical”.
https://www.nytimes.com/…/…/americas/amazon-rainforest.html…

3 – A inglesa BBC (1) também divulga vídeos, assim como a rede de televisão norte-americana NBC (2), o francês Le Monde faz o mesmo, dizendo que Bolsonaro é uma ameaça à Amazónia.
(1) https://twitter.com/BBCWorld/status/1164295357750284288
(2) https://twitter.com/NBCNews/status/1164227161345024000

4 – A Al Jazeera (1) diz que o país vive em black-out durante o dia pela fumarada e até os vizinhos argentinos, no meio de uma crise, destacam o tema: “Incêndios na Amazónia atingem nível recorde e Jair Boçalnaro aponta contra ONGs“ (2)
(1) https://twitter.com/AJEnglish/status/1164117055353827328
(2) https://www.clarin.com/…/incendios-amazonas-alcanzan-nivel-…

Os prejuízos que os incêndios e o desmatamento da Amazónia trazem são imensos, mas vão muito além de árvores e animais queimados. Tornaram o Brasil e seu governo “malditos” no mundo, ao contrário dos tempos em que outros governos atraíam a solidariedade da opinião pública mundial.

Não é verdadeira a “máxima” de que um país não tem amigos, tem interesses. Amizade é a primeira porta para os negócios e o imbecil brucutu Boçalnaro está a transformar o Brasil num país que, em lugar de encantar, horroriza o mundo.

Telmo Vaz Pereira

At https://www.facebook.com/

Opinião: “Autarquias, Quintas e Hortas”

Santana 10537103_346138475537062_4431220928287954909_nBasta passar os olhos pela comunicação social escrita e falada e pelos debates televisivos para constatar que apenas existem duas autarquias em Portugal: a Região Metropolitana de Lisboa e a Região Metropolitana Porto. O resto são pequenas quintas e hortas que apenas interessam aos respectivos donos.

Mesmo os líderes de Lisboa, quando passam pelas hortas por dever de ofício e de fugida, apenas falam de Lisboa. E não deixa de ser revoltante assistir à sabujice dos hortelãos perante os senhores de Lisboa, gratos pelas pequenas ajudas que recebem da capital para ajeitar a horta.

Se percorremos Portugal de norte a sul pelo interior do país, as aldeias e vilas estão num brinco: zonas ribeirinhas, polidesportivos, piscinas, estádios, rotundas, esgotos e passeios. Não falta nada, excepto as pessoas. A leste da A1 mais de 60% da população está reformada e a restante é, em regra, gente pouco qualificada e pouca ambiciosa que vive à conta das autarquias, do rendimento de inserção social ou da reforma dos pais, naquela típica economia de subsistência que caracterizam as hortas.

Tenho alguma estima por alguns políticos-hortelãos que cuidam da sua horta com todo o carinho e toda a dedicação. Só que depois vem o fogo e varre-lhes a horta do mapa.

E qual a solução que os senhores de Lisboa perspectivam para inverter esta situação e repovoar território? Seguir o exemplo dos países europeus e deslocalizar para o interior do território serviços centrais da Administração Pública e órgãos do Estado? Isso é que era bom! A solução é destinar o interior do país aos refugiados, ciganos e todos aqueles que vivem do rendimento de reinserção social. Ou seja, segundo os senhores de Lisboa, a solução é fazer do Alentejo e do Interior-Norte a Faixa de Gaza, enquanto na Cidade Lisboa-Porto fica a viver o povo escolhido por Deus.

Para mim, já chega! Como disse em 2012, não voltarei a votar, enquanto a Assembleia da República não for deslocalizada para uma aldeia, vila ou cidade a leste da A1. Neste momento, “votar” é validar um sistema político corrupto que reduziu Portugal à estreita faixa litoral Lisboa-Porto e que retirou qualquer relevância ao voto dos residentes no Interior-Norte e no Alentejo.

Só o boicote a todos os actos eleitorais por parte dos residentes no Alentejo e no Interior-Norte tem hoje capacidade para denunciar e alertar o mundo para a nossa situação e obrigar Lisboa a levar a cabo as reformas necessárias para equilibrar o território. Tenho a consciência da dificuldade de uma tomada de posição colectiva desta natureza por parte de um povo que se habituou a viver de cócoras e de mão estendida a Lisboa. Mas não há outra alternativa! Até porque não é com velhos de 60 ou 70 anos que se consegue formar um exército para declarar guerra a Lisboa.

Santana-Maia Leonardo

At https://amar-abrantes.blogs.sapo.pt/

Opinião: “sobre as Cepas da Serra”

Cepas da Serra

Caros Portalegrenses e Reguenguenses
Desabafo
Em primeiro, gostava de ter a capacidade de escrita de uma Luísa Moreira ou do Luis Mangerona. Não tenho
Mas tenho o direito de dizer o que me vai na alma.
Sou filho de um pequeno comerciante, com uma avó que tinha uma taberna, tudo isto ao cimo da chamada Rua do Cano.
Desde pequeno que vinha com o meu pai ao Reguengo, visitar amigos dele, nomeadamente o Sr. Artur, o Sr. Casa Nova, e o Sr. António Crespo, da Quinta dos Padres que me obrigava a jogar às damas. Era uma grande seca, mas pronto amigo do meu pai meu amigo é.
Também em miúdo, com o meu padrinho João do Carmo Ferreira, mais conhecido pelo João dos Bigodes, “aprendi “ a fazer vinho, ou melhor a ter gosto de fazer vinho.
Lembro-me que a maior parte das uvas vinham do Porto da Boga e outras do Ribatejo, transportadas pelo Sr. Cabaço.
Passados alguns anos, já não concordava como a forma como o vinho era feito.
Brigas e mais brigas, mas ele era o dono do negócio. Eu um fedelho a quer mandar, não dá para acreditar.
Mas o povo de Portalegre gostava do vinho, era barato e outros bebiam à borla. Era a maneira de ele vivera sua vida, e não o levo a mal,viveu á sua maneira. lembro-me de ele me dar garrafas de vinho, e muitas, era só pedir, mas não tinha a coragem de oferecer nem beber aquele vinho, efetivamente, era mau.
Fui viver para Oeiras e trabalhar para Lisboa, fazer a formação que não tinha feito em tempo útil, por malandragem.
Era a descoberta de um novo mundo que não tinha tido. Paguei e bem caro.
Vivi, 16 anos naquela urbe, mas sempre com Portalegre na mira, e o Reguengo no coração.
Tive a oportunidade, por questões profissionais, de voltar a Portalegre
Com o sonho familiar que tínhamos pelo o Reguengo, aluguei uma casa modesta no Reguengo, ao Sr.º Eng. Batista Tavares.
Estava no meio, onde a oportunidade de negócio poderia aparecer.s
Consegui.
Comprei uma propriedade no Reguengo, com vinha velha, impossível de trabalhar e de rentabilizar.
Em 2005, mãos à obra, com os conselhos dos meus amigos que sabiam da “ poda”, gente humilde mas com sabedoria desta arte, a vinha foi reorganizada.
Devo muito ao Engo. José Luis Marmelo que me sempre assessorou e ajudou.
Comecei a fazer vinho do Reguengo, perguntem ao Salvador que me acompanhou em todos os momentos.
Coloquei o vinho no mercado, o vinho da Quinta das Toroas, com muito sacrifício, noites inteiras na adega, mas o prazer era superior ao cansaço.
Segundo os críticos, que valem o que valem, gostam do vinho que aqui é produzido, e esgota.
Este ano, e porque me foi atribuído quota, plantei mais 0,5 ha de vinha branca, Fernão Pires e Arinto.
O tempo vai mau, pouca água para crescer os meus novos “ filhos”.
Tudo isto tem a ver com a reportagem da SIC, sobre S, Mamede.
Não tenho duvidas sobre o mau jornalismo, gente que não sabe nem quer aprender.
Exemplo: Tapada de Chaves, em primeiro lugar é Tapado do Chaves, fica na Serra de S. Mamede?
Estamos a brincar, só pode.
Eu não tenho dinheiro para pagar reportagens.
Peço desculpa às pessoas que não mencionar, produtoras de vinho na Serra de S. Mamede, que eu sabia são:
Folha do Meio – Amigo Chaparro
Quinta das Cabeças – João Afonso (vizinho)
Quinta da Toroas – João Laranjo
Quinta do Porto da Boga – João Lourenço
Novos
Quinta do Centro
Quinta da Queijeirinha
Depois o que temos?
Talibans, que compram as nossas uvas e depois dizem que é de Évora, zonas do norte.
A todos os que lutamos pelo nosso vinho, força.
Viva a Serra de S. Mamede, o Reguengo e Portalegre
Foi mesmo um desabafo.

José Carlos Laranjo

At https://m.facebook.com/

Artigo de opinião: “Contra a fúria do fogo, actuou a justiça dos homens”

Duarte MarquesJá por diversas vezes aqui escrevi sobre a forma imoral, ilegal e discriminatória como o Governo de António Costa tem gerido o apoio aos concelhos vítimas dos incêndios de 2017. Por diversas vezes alertei, critiquei e denunciei esta situação ao ex-ministro Pedro Marques e ao seu sucessor na pasta do Planeamento, Nélson de Sousa. Ontem o Tribunal de Leiria deu razão ao primeiro dos processos apresentados na Justiça pela Câmara Municipal de Mação a propósito do acesso a verbas do Fundo de Solidariedade da União Europeia que atribuiu a Portugal 50,6 milhões de euros, mas que o Governo impediu de chegar ao concelho que mais ardeu em 2017 (como denunciei aqui).

Ainda na semana passada, o PSD chamou ao Parlamento o Ministro do Planeamento para responder às perguntas dos Deputados sobre a gestão dos 50,6 milhões do FSUE e aí voltei a denunciar esta situação.

Se o bom senso não fosse suficiente para tratar por igual o que é igual, já para não falar da nossa Constituição, o Parlamento aprovou uma Lei (13/2018) que obriga o Governo a estender a alguns concelhos os apoios dados a Pedrogão Grande, desde que preenchidos determinados requisitos. Pedro Marques e António Costa ignoraram o bom senso, a Constituição e também essa lei. Na verdade, ignoraram conscientemente as pessoas desses concelhos.

Três anos depois dos incêndios e após uma proposta feita ao governo para alargar a candidatura ao FSUE e passar a incluir os prejuízos resultantes dos fogos de julho, agosto, setembro e outubro de 2017 como forma de evitar o chumbo da Comissão (algo que o Governo aceitou e levou avante), depois de dezenas de tentativas por parte do Município junto da CCDR Centro e do Governo para corrigir esta discriminação, de alertas feitos por quase todos os partidos na Assembleia da República, o Governo insistiu em manter a sua posição, omitindo factos e escondendo a verdade. Ontem, o Tribunal condenou o Governo e decidiu anular um dos Avisos destinado às autarquias.

Com esta decisão, faz-se justiça com o concelho de Mação e com outros que foram prejudicados ao ficarem de fora do acesso a este fundo apesar dos seus prejuízos terem sido contabilizados para a candidatura a Bruxelas, como é o caso de Ferreira do Zêzere, Fundão, Gavião, Nisa, Castelo Branco, Covilhã, Oleiros, Vila de Rei, entre tantos outros.

Importa aqui salientar que a execução do Fundo de Solidariedade está também ela bastante atrasada devido à demora do Governo em aprovar os projetos e candidaturas feitas pelos municípios que puderam aceder ao Aviso aberto pelo Governo. Recordo que todos estes montantes têm que estar executados até janeiro de 2020 e só há pouco mais de um mês é que o ministro Nélson de Sousa despachou esses processos. Este atraso invalida qualquer desculpa que o governo procure encontrar para justificar o atraso na execução do Fundo de Solidariedade.

A justiça por vezes demora, mas acaba por chegar. Depois da Inspeção Geral da Administração Interna ter responsabilizado a liderança da Autoridade Nacional de Proteção Civil pela má organização do combate aos fogos de 2017, e inclusive pelo desvio de meios aéreos para outro concelho onde não havia ameaça eminente, vem agora o Tribunal de Leiria repor justiça no tratamento discriminatório a que o concelho que me viu nascer estava a ser alvo.

Uma palavra final para Vasco Estrela, o Presidente da Câmara Municipal de Mação que nunca desistiu de lutar por justiça para os seus munícipes. Por vezes quase sozinho, apenas com a forças das suas convicções e com a responsabilidade para com os seus concidadãos, remou contra esta injustiça. O tempo e a justiça vieram ontem dar-lhe razão.

Não sei este foi o meu último combate no Parlamento, mas, se foi, valeu bem a pena!

Duarte Marques

At https://expresso.pt/

Vem aí a XXIII Feira Raiana em Idanha-a-Nova

Idanha pub_cmyk_r_fr2019

De 17 a 21 de julho, realiza-se em Idanha-a-Nova a XXIII Feira Raiana que, nesta edição, associa a habitual temática “Produtos da Terra” ao facto de este ter sido o primeiro município português a integrar a Rede Internacional de Bio-Regiões. Organizada alternadamente pelo Município de Idanha-a-Nova e pelo Ayuntamiento de Moraleja, a Feira Raiana possui um papel dinamizador para a economia local, enquanto mostra dos setores agrícola, animal, agroalimentar, florestal, turístico e cultural, representando um polo de cooperação transfronteiriça e de progressiva integração das realidades socioeconómicas das duas regiões, que se tocam nesta zona da fronteira de Portugal e Espanha – a Beira Baixa e a Extremadura.

A Feira Raiana constitui, por isso, uma excelente oportunidade para promover territórios inovadores, baseados numa economia sustentável, e os produtos de qualidade produzidos a partir de Idanha-a-Nova, do Geopark Naturtejo, da Beira Baixa, de Portugal, da Extremadura espanhola, dos países ibero-americanos e dos países onde existem Bio-Regiões.

Programa disponível em: feiraraiana.idanha.pt

Idanha 1

Idanha 2