‘Apagão’ retira críticos de livro sobre os 100 anos do PCP

Em “100 anos de luta”, livro editado para assinalar o centenário do PCP, são várias as figuras históricas que não aparecem. Do ex-líder Júlio Fogaça a João Semedo.

Algumas das personalidades que fizeram parte da história dos comunistas portugueses estão ausentes do livro “100 Anos de Luta”, lançado para comemorar o centenário do PCP. Júlio Fogaça, que antecedeu Álvaro Cunhal na liderança e que foi afastado por ser homossexual, é um dos omitidos, tal como o histórico Pavel (Francisco Paula Oliveira) que substituiu o primeiro líder comunista Bento Gonçalves.

Carlos Costa, que foi um dos resistentes antifascistas com maior número de anos de prisão (15 no total), só é referido numa breve passagem do livro e enquanto “dirigente do MUD Juvenil”. Costa, que foi membro do comité central durante décadas e responsável pela Comissão de Controlo da comissão política do PCP foi afastado da direção partidária em 2012, depois de liderar um grupo de ortodoxos que criticaram, no interior do partido, o alegado ‘revisionismo’ e os desvios ‘sociais-democratas’ que consideravam estar a marcar o percurso partidário.

Entre os excluídos de um papel relevante na história do comunismo português estão todos os que pertenceram à ala dos chamados ‘renovadores’, como Domingos Lopes, Barros de Moura ou Edgar Correia. Alguns destes dirigentes, que chegaram a assumir lugares de destaque na direção foram expulsos do PCP em 2002, como é o caso de Carlos de Brito, que chegou a liderar a bancada parlamentar e foi um dos elementos de ligação com os capitães que organizaram o 25 de abril.

Zita Seabra, que liderou a UEC e foi alto quadro do partido ainda na clandestinidade, também não é referida. A militante comunista foi banida do partido e acusada de ‘desvios burgueses’ e, mais tarde, aderiu ao PSD aceitando mesmo concorrer como cabeça de lista dos sociais democratas à Câmara de Vila Franca de Xira, nas eleições autárquicas de 1997.

No capítulo sobre o papel do movimento sindical, não surge nunca nem o nome, nem um fotografia de Carvalho da Silva. O mesmo acontece como Miguel Portas ou João Semedo (dirigentes do PCP, que se tornaram destacados dirigentes do Bloco de Esquerda), assim como com João Amaral e Luís Sá que, recorde-se, morreu de enfarte, em 1999, quando era uma das mais notórias faces dos renovadores comunistas.

Rosa Pedroso Lima

At https://expresso.pt/

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s