Artigo de opinião: “A farsa equivalência”

O Congresso do Partido Comunista Português foi um evento impressionante. Pelo planeamento sem falhas, pelo respeito escrupuloso do afastamento social, pelo zelo no uso das máscaras e na aplicação das medidas de higiene, via-se bem que estávamos num congresso comunista organizado durante a pandemia. Pelas intervenções, dir-se-ia que a pandemia era a gripe espanhola de 1918. Montaram um grande aparato de segurança, mas sem necessidade. Os comunistas estão imunes ao contágio, uma vez que a Covid está em 2020 e os comunistas em 1920.

Devo dizer que foi com grande satisfação que passei uma tarde a ouvir os delegados. Na espiral de incerteza em que vivemos, é reconfortante saber que ainda há faróis de coerência por onde nos podemos nortear. O comunismo nunca muda e os comunistas não têm pejo em afirmá-lo. Gabo-lhes a constância dos princípios. São contra a propriedade privada e também contra a impropriedade privada: tudo o que têm a dizer que seja inconveniente, dizem-no em público.

Gostei de todos os discursos. Cada qual, à sua maneira, contribuiu com uma camada de mofo para aquele sabor a antigo com que fiquei no fim da sessão. No entanto, tenho de salientar a comunicação do camarada Albano Nunes, membro da Comissão Central de Controlo (a CCC do PCP é uma espécie de polícia interna, ou seja, fiscaliza os comunistas como os comunistas gostavam de nos fiscalizar a nós).

No início, confesso que tive receio. Ao ser apresentado, anunciaram que Albano Nunes iria “intervir sobre a actualidade da ideologia marxista-leninista”. Pensei: “Olha! Tu queres ver que há novidades? Que actualizaram o marxismo-leninismo e chegaram a novas conclusões? Substituíram por uma versão mais moderna? Espero que não estraguem!”

Mas não tinha com que me preocupar. Felizmente, Albano Nunes é, segundo o site do PCP, um “intelectual”. Ora, para os comunistas, o “Intelectual” é o responsável por, através da repetição, decorar a doutrina e passá-la à próxima geração de “intelectuais”. “Marxismo-leninismo” e “novidades” são antónimos. Eis alguns dos destaques:

Como escreve Marx ‘a arma da critica não pode substituir a critica das armas. O poder material tem de ser derrubado por poder material’.”

José Diogo Quintela

At https://observador.pt/

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s