Artigo de opinião: “Sai de casa hoje e esqueci-me de levar empatia”

naom_5e6f49db44fbc

“Sai de casa hoje e esqueci-me de levar empatia.

As saidas de casa estão reservadas a três tipos de ocorrências na minha familia. Compras, levar o lixo e fazer um passeio diário. As compras são feitas num supermercado do bairro, onde entram cinco pessoas de cada vez e as funcionárias usam luvas e máscara. Serve para o essencial e o caos dos principais supermercados consegue ser evitado. Os passeios diários são urgentes. Para revigorar, para manter a sanidade. Usamos tanto quanto possivel a estrada das ruas do bairro residencial. Esticar as pernas, apanhar ar puro, ver se o mundo está ou não perto de enlouquecer.

Hoje, mal saimos para o tal passeio diário, encontrámos um homem jovem, a falar na lingua nativa do sitio onde estamos, a qual não entendemos. Respondemos a Inglês. Em gestos e um inglês quase nulo, ele pediu dinheiro. E pediu cigarros. E levou a mão à boca. Pouco interessa se não traziamos carteira. Pouco interessa se já deixei de fumar. Pouco é relevante se poderiamos comunicar. Dissemos Não. Dissemos não a um desconhecido em tempos de crise. Dissemos não a quem pode apenas e só andar a vaguear ou quem pode não comer há vários dias. Dissemos não e não tivemos coragem de nos aproximar.

Tenho tido medo dos meus prognósticos. É isso que me apavora cá dentro. Os meus prognósticos. Prevejo muito as coisas, o bom e o mau, o positivo e o negativo. Procuro soluções e procuro o meio termo. Deduzo o que pode ser o desfecho de cada acção tomada. Minha e do mundo. Leio muito, procurando pontos de vista crediveis. E faço pressuposições do que podemos ter que vir a enfrentar. Numa semana, já consegui contornar dilemas e evitar males, à conta destes prognósticos. Já foi declarado o Estado de Emergência. Falta pouco para soldados andarem nestas ruas e já há um conjunto grande de relatos de desentendimentos em supermercados. E sei que mais uns dias, pode ser perigoso andar na rua, especialmente em ruas vazias, em ruas com supermercados limitados, com mais pessoas desesperadas. Foi a primeira vez que vi alguém pedir dinheiro no meu bairro, à porta de minha casa. E disse Não. Não levei carteira, não levei tabaco, não levei empatia. Devia ter feito melhor e não fiz. E tenho medo que esta tenha sido a primeira vez de muitas.

O meu passeio foi uma merda e não me orgulho disto. Hoje é mesmo melhor isolar-me socialmente.”

MJP

At Facebook

Comunicado pertinente

Ljubomir

Apesar de, no momento em que tomamos esta decisão, não haver nenhuma indicação do Governo para o encerramento de restaurantes, o 100 Maneiras e o Bistro 100 Maneiras estarão fechados a partir de amanhã, dia 15.3.2020, sem data prevista para reabertura.
Há 11 anos em Lisboa, esta é a primeira vez que fechamos as portas em vez de as abrir… É uma decisão difícil mas inequívoca: não podemos, em boa consciência, continuar abertos.
Sentimos que temos de fazer tudo ao nosso alcance para proteger as famílias – as nossas, as da nossa equipa, as dos nossos clientes – e o mundo!
É uma decisão que tomamos sozinhos, sem apoios, sem ajudas, sem rede, com a noção de que o golpe financeiro que sofreremos poderá levar muito tempo a sarar.
É uma decisão que tomamos com o coração apertado mas leve por sabermos que estamos a fazer o certo, que neste momento não existe nenhuma outra solução.
Agimos antes que seja tarde demais. Esperamos que as ajudas oficiais cheguem, também, antes que seja demasiado tarde. Queremos continuar a alimentar as mais de 80 famílias que dependem do 100 Maneiras. Temos uma responsabilidade enorme para com elas e é por elas, também, que tomamos esta decisão: de os enviar para casa, para junto dos seus, para que, todos unidos, possamos conter este novo vírus e recuperar as nossas vidas.
Foi às nossas equipas, também, que cedemos todos os produtos alimentares que não são passíveis de armazenamento: para que nesta altura de açambarcamento de produtos essenciais tenham menos uma preocupação e possam cuidar melhor de si.
Esperamos voltar a reunir-nos em breve, como sempre o fizemos, sem medo de abraços, sem medo de beijos, partilhando comida, copos e risos à mesma mesa.
Até lá, mantenham-se a salvo, fiquem em casa, sejam responsáveis, generosos e solidários uns com os outros. Não deixemos que o medo destrua a grandeza do espírito humano. Unidos, somos mais fortes.
E não vamos deixar este lindo país ir por água abaixo! 🥊

#staythefuckhome #weare100

Ljubomir Stanisic

At https://www.facebook.com/