Filme “Raiva”, hoje, em Badajoz

Raiva-um-filme-de-Sérgio-Tréfaut

Cinco curtas-metragens portuguesas competem no 25.º Festival Ibérico de Cinema (FIC), em cuja abertura, em Badajoz (Espanha), na segunda-feira, vai ser exibido o filme português “Raiva”, do realizador Sérgio Tréfaut, foi hoje revelado.

O festival abre na segunda-feira e prolonga-se até ao dia 20 deste mês, decorrendo em Badajoz, mas também nas localidades de Olivença e San Vicente de Alcántara, explicou hoje a delegação em Lisboa da Junta da Extremadura expanhola.

A abertura do certame, às 22:30 de segunda-feira, no terraço do Teatro López de Ayala, em Badajoz, fica marcada pela exibição da longa-metragem de ficção “assinada” por Tréfaut.

Numa adaptação de “Seara de Vento”, livro escrito por Manuel da Fonseca, “Raiva” conta “uma tragédia” ocorrida nos campos do “Alentejo, em 1950”, resumiu a delegação do governo regional da Extremadura.

“A injustiça é retratada em ‘Raiva’ como um ciclo que se repete, e continuará sempre a repetir-se através de novas formas, embora toda a vida se lute contra ela”, segundo explica o diretor do filme, que escolheu adaptar este livro emblemático no Alentejo a um neorrealismo português clássico”, frisou a mesma entidade.

A longa-metragem, da mesma forma que o livro, “fala do abismo entre pobres e ricos, mas no filme os mortos apenas são mortos, não são heróis, nem símbolos”, acrescentou a delegação da Junta da Extremadura, evocando os diversos prémios conquistados pelo filme, que vai contar, na exibição no Festival Ibérico de Cinema, com a presença de Hugo Bentes, o protagonista.

Quanto à Secção Oficial do FIC, cinco curtas-metragens portuguesas competem com outros 22 trabalhos de realizadores espanhóis, numa edição em que se inscreveram 450 curtas-metragens, das quais 25 foram provenientes de Portugal.

“Equinócio”, de Ivo M. Ferreira, “Nevoeiro”, de Daniel Veloso, “Por Tua Testemunha”, de João Pupo, “Rio entre as Montanhas”, de José Magro, e “Sleepwalk”, de Filipe Melo são os filmes portugueses a concurso.

O certame, que “mostra o cinema mais representativo que se realiza na Península Ibérica”, coloca “o foco na curta-metragem como protagonista” deste 25.º aniversário, destacou a organização.

“A qualidade continua a ser a marca de identidade do FIC, que se tornou numa referência para os realizadores do mundo do cinema. O comité selecionador destaca de forma particular o elevado nível dos realizadores portugueses”, realçaram também os promotores.

O total de 27 “curtas” em competição na Secção Oficial aspira ao Prémio Onofre à Melhor Curta-metragem, com um valor de 3.000 euros, assim como aos Prémios do Público de Badajoz, Olivença e San Vicente de Alcántara, dotados com 800 euros cada um, entre outros galardões em disputa.

O 25.º FIC é patrocinado pelo Governo Regional da Extremadura, Diputación de Badajoz, Consórcio do Teatro López de Ayala, Gabinete de Iniciativas Transfronteiriças e municípios das cidades envolvidas, assim como por outras entidades.

At https://mag.sapo.pt/