Opinião: “A propósito de famílias!”

Jamila MadeiraO meu pai combateu o antigo regime e foi um dos protagonistas do ‪25 de abril‬ e da construção do Portugal democrático! Durante 25 anos, desempenhou cargos políticos de eleição e foi até o primeiro presidente da região de turismo do Algarve eleito! Saiu da vida política activa em janeiro de 1999! Eu nasci em 1975 e cresci com a efervescência política dentro de casa e, claro, com a inevitável ausência paterna devido às actividades políticas que o meu pai desempenhava! Naturalmente isso gerava, sobretudo, curiosidade e uma busca por perceber o que de tão importante o levava a estar longe de nós, apesar de se desdobrar para o conseguir mitigar!

Nunca o meu pai incentivou, nem a mim nem a minha irmã, para enveredarmos pela vida política e, quem o conhece, pode comprová-lo.

Mas, como dizia, vivi por perto momentos políticos de enorme tensão e um destes foi a campanha Soares vs Freitas, o que tornou, para mim, claro as escolhas a fazer e o partido que as defendia (curiosamente tive oportunidade de referir esse facto a ambos quando, em 2003, juntos lutávamos contra a guerra do Iraque)!

Lutei no mundo associativo e ajudei a que fossem construídas soluções alternativas à PGA (prova que ainda não me afectava dado que eu estava apenas no 7o ano de escolaridade) mas lutei, não podia deixar que uma injustiça gerasse ainda mais injustiças. O sistema educativo não podia exigir aquilo que não proporcionava!

Prossegui a minha intervenção política no mundo associativo no secundário e, posteriormente, no superior, tendo, em paralelo, desenvolvido a minha acção política partidária e autárquica, nacional e internacional, tendo sido nesse período eleita vice presidente das juventudes socialistas internacionais (iusy).

Ingressei no mercado de trabalho em 1997, após concluir a minha formação superior.

Em julho de 1999 fui honrosamente convidada para integrar as listas do PS à Assembleia da República, convite que aceitei com muito orgulho!

Desde então desempenhei funções na Assembleia da República, no Parlamento Europeu e múltiplos cargos no PS , tendo sido vice presidente do Grupo parlamentar do PS em 1999 a 2003 e Secretária geral da JS entre 2000 e 2004 e membro do SN do Ps.

Mais recentemente, em 2015, regressei ao Parlamento depois de ausente, sem cargos electivos, e tendo, entretanto, concluído o mestrado em Finanças no Indeg – iscte em 2011 e tendo, em simultâneo, desenvolvido a minha vida profissional na empresa de que sou quadro técnico desde 1997! Conjunturas da vida, durante esta legislatura, divorciei-me e refiz a minha vida ao lado de um amigo de longa data, amigo das lutas político- partidárias. Para além de partilharmos a militância no PS e de sermos, ambos, deputados eleitos à Assembleia da República, partilhamos, agora, a mesma casa e temos uma filha linda.

Nunca ninguém me beneficiou pelo meus antecedentes familiares, e todas as minhas eleições foram combativas e sofridas! Ganhei umas e perdi outras, mas nunca deixei de acreditar!

Porque acredito na democracia aqui estou, hoje, a apresentar contas. De modo claro e transparente.

Percurso idêntico teve o meu colega e meu marido, e foi só pelo seu desempenho e amor a causa política e ao PS que chegou onde chegou! É funcionário público, dirigente associativo, desempenhou várias funções autárquicas em Lagos, terra onde nasceu, e em Faro, terra que mais recentemente o acolheu, bem como múltiplas funções partidárias tendo sido director de campanha de António Costa nas eleições primárias em 2014 e eleições legislativas de 2015, foi presidente da concelhia do PS de Faro desde 2012, sendo, actualmente, presidente da federação do PS Algarve e presidente da Assembleia Municipal de Faro. Desempenha agora funções no Parlamento como deputado.

A nossa vida, a nossa história não pode e não deve ser vista com olhos destorcidos! Tivemos, aliás quase sempre, em campos opostos dentro do PS! A ética política republicana é uma prática que defendo mas não a vejo como predadora, vejo-a como regeneradora da democracia!

Por isso, sublinho: nunca ninguém nos beneficiou por quaisquer relacionamentos familiares.

Porque acredito numa democracia transparente e justa deixo-vos esta mensagem pois, ontem como hoje, não posso deixar que uma injustiça gere ainda mais injustiças!
Na certeza porém que como outros outrora o disseram ‘se a situação for considerada incompatível com as minhas funções, escolherei a pessoa que amo’.

Jamila Madeira

At https://www.facebook.com/

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s