Montalvão volta a presidir a Concelhia de Nisa do PS – anteriores membros varridos

PS Nisa IMG_20180119_204925

De acordo com o Regulamento Eleitoral Interno aprovado na Comissão Nacional do Partido Socialista, decorreu no dia 19 de Janeiro, entre as 17 h e as 21 horas, a Assembleia-Geral Eleitoral de Militantes para a eleição da Comissão Política Concelhia de Nisa, mandato 2018/2020 (2 anos).

Apresentou-se a sufrágio uma lista (A) composta por dezassete militantes – efetivos:

  • José Leandro Lopes Semedo
  • Idalina Trindade
  • Artur Dias
  • José Manuel Salgueiro
  • Susana Moura
  • Manuel Pinto Rosa
  • José P. Mendes
  • Lurdes V. Mendes
  • José Dinis Ribeirinho
  • Paulo Vilela Mendes
  • Maria Rodrigues
  • Miguel Figueiredo
  • Mário Guerra
  • Vera Piedade
  • António Metela
  • José Semedo
  • Debora Bizarro

e oito suplentes – Filipe Pinheiro, Carla Salgueiro, José Oliveira, Joaquim Rebelo, Debora Salgueiro, Carlos Varejão, Francisco Trindade e Sandra Neves, encabeçada pelo Militante José Leandro Lopes Semedo, com a Moção de Orientação Politica “Militância Forte na Construção do Futuro”.

At https://ps-nisa.blogspot.pt

Anterior notícia de Junho de 2012:

Na passada sexta-feira, dia 2 de Junho, fui reeleito Presidente da Comissão Política Concelhia de Nisa do PS, para um 4.º e último mandato. A ratificação desta recondução verificou-se com todos os votos a favor e apenas um voto nulo.

Quero desta forma partilhar com todos o agradecimento que já fiz aos novos membros da Comissão Política Concelhia pela sua disponibilidade para integrarem a lista que encabecei, mas relembrando também o sentido acrescido de responsabilidade que cada um passou a ter a partir desta data. E quero também agradecer àqueles que, de uma forma evidenciada ou não, acreditam neste projecto desde a primeira hora e têm esperança no futuro: no dos seus e no do nosso concelho. É um orgulho para mim e para os restantes membros, receber a força que nos é dada diariamente, com o apelo a que não olhemos para trás.
Mas quero também deixar uma palavra aos mais cépticos ou aos negativistas, ou mesmo àqueles que seguem outra linha ou estão na base do afundar deste concelho, transmitindo-lhes que é precisamente a sua posição contrária que dá mais ânimo e incentivo a todos os verdadeiros Socialistas, o que resulta na sua maior união, e que resultará numa grande vitória do Partido Socialista e da grande maioria dos Nisenses nas próximas eleições autárquicas a realizar em 2013.

Viva o PS! Viva Nisa!

Efectivos:
  • Marco António Barreto Lourenço de Oliveira
  • Emílio Rosário Moura
  • Gilberto Mourato Canilhas Manteiga
  • Adelino José Polido Temudo
  • Joaquim Maria Costa
  • Francisco Boleto São Pedro
  • Susana Maria Charrinho Moura
  • José Lucindo Rosa Jorge
  • Francisco Pereira Trindade
  • José Leandro Lopes Semedo
  • Filipe Manuel Castanho Pinheiro
  • Carlos Manuel Mendes M. António
  • José Manuel Matias Salgueiro
  • José Pedro Almeida Polido
  • Luís Miguel Martins Porto Temudo

Delta vai promover emprego jovem

Delta 26804683_1619085388168292_6594060219531595803_n

Coração Delta prepara jovens do Alto Alentejo para o mercado de trabalho

Cerca de 60 jovens dos concelhos de Nisa, Ponte de Sor e Sousel vão participar no “Pro-move-te” um projeto, inovador em Portugal, que visa combater o desemprego jovem.
Com a coordenação da Associação Coração Delta, presidida pelo Comendador Rui Nabeiro, o Pro-move-te vai, através de metodologias “importadas” de Espanha, preparar os jovens para o mercado de trabalho.
Em declarações à rádio Portalegre, Dionísia Gomes, da Coração Delta, explicou que os jovens vão participar, durante cinco meses, numa formação ministrada pelos “treinadores”.
Segundo Dionísia Gomes a formação engloba vários módulos, desde autoconhecimento ao reconhecimento do território, culminando com entrevistas de trabalho onde o objetivo é a empregabilidade do individuo e do grupo de trabalho.
O projeto vai ser desenvolvido em nove municípios do Alto Alentejo, com três edições, sendo que em 2019 e 2020 vai contar com jovens de Alter-do-Chão, Campo Maior, Elvas, Fronteira, Marvão e Portalegre.

At https://www.facebook.com / Rádio Portalegre

Artigo de opinião: “Portugal, los nórdicos del sur de Europa”

Centeno mw-860 (1)
La fuerte proyección internacional y los mejores registros económicos de la década reflejan una sociedad en progreso, segura y abierta al exterior que está logrando ser un imán para la inversión

De intervenidos por la troika a marcar el paso en la eurozona en menos de diez años. Un portugués presidirá mañana por primera vez las reuniones de los ministros de Finanzas del club del euro. Mario Centeno, el responsable de las cuentas públicas lusas, simboliza con su nombramiento al frente del eurogrupo el salto dado por Portugal al pasar de ser un territorio deprimido por una larguísima crisis a convertirse en un país de moda, receptor de inversiones de medio mundo, captador de residentes de lujo, vivero de mandatarios internacionales y escenario de un pulso al paro que va ganando.

El Índice de Paz Global lo acaba de situar como el tercer país más seguro del planeta, cuando hace tan solo dos años tenía 17 por delante. Solo Islandia y Nueva Zelanda mejoran sus condiciones de tranquilidad, que por comparación dejan a España en el puesto 23.º mundial, algunos escalones por detrás de las plácidas NoruegaSuecia y Finlandia.

No hay país en el continente donde los dividendos de las acciones estén alcanzando mayor rendimiento. En el 2017 llegaron al 4,47 %, un punto más que la media de la Bolsa de Estocolmo.

Las exportaciones se disparan tras haberse convertido en la puerta de entrada de China para Europa, mientras las importaciones crecen igualmente como síntoma de la recuperación del consumo interno.

El desempleo desciende a una velocidad de vértigo hasta el 8 %, nivel que se registraba en el 2004, dejando atrás referentes como el de Finlandia, tras venir de un 17 % hace tan solo cinco años. En España, la tasa no ha logrado bajar del 15 % en plena recuperación.

A mayores, los sueldos públicos crecen, hay nuevas oposiciones funcionariales internas en marcha y el salario mínimo está acercándose a 600 euros, en lugar de los 485 en los que se arrancó la actual década. Para redondear el diagnóstico, el déficit público se cerrará en un 1,2 % según las previsiones del Gobierno, menos de la mitad del español, y más de seis puntos por debajo del existente en el momento del rescate. Otra cosa son las enormes desigualdades que sigue habiendo, y el crecimiento polarizado entre las urbes y el interior.

Representantes mundiales

Las cuentas le están saliendo a Portugal, y además ahora tiene quien las publicite en el extranjero. El ministro Centeno no está solo en la proyección internacional lusa. El vicepresidente del Banco Central Europeo (BCE) es portugués, Vítor Constâncio, anterior gobernador del Banco de Portugal. Jean Claude Juncker ha elegido al anterior presidente del Consejo Económico y Social de Portugal, José Albino Silva Peneda, para su equipo en la Comisión Europea. Pero la proyección mundial que siempre ha buscado el espíritu portugués se ha logrado con la designación del ex primer ministro António Guterres como secretario general de la ONU.

Su fiscalidad ha permitido captar 10.000 extranjeros y la entrada de 3.380 millones

Esa función de mediación internacional, de árbitro y garante de la búsqueda de estabilidad en el concierto mundial, ha llevado al presidente de la República, Marcelo Rebelo de Sousa, a proclamar que los portugueses son «los nuevos nórdicos del siglo XXI». Y no es una comparación cualquiera. Los viajeros del norte fueron los que introdujeron el bacalao en la gastronomía portuguesa; y los políticos escandinavos, quienes alcanzaron el siglo pasado, desde la socialdemocracia, un papel de mediación internacional mayor que la dimensión de su territorio, justo lo que busca ahora Portugal.

Y para proyectar el país, los portugueses han abierto su casa de par en par. Parte de la TAP, la aerolínea de bandera lusa, está en manos de chinos y de brasileños; el puerto de Leixões lo gestiona una firma turca; hay bancos de capital español, como Banif; y hasta los aeropuertosson gestionados por extranjeros, los franceses de Vinci.

Dinero exterior

Pese a la captación de inversiones empresariales, el Gobierno del socialista António Costa se ha lanzado a atraer también los capitales personales que buscan una rentabilidad tranquila. El programa Golden Visa (visado de oro), también existente en España, se ha convertido en uno de los planes más atractivos del mundo para inversores que buscan cambiar su residencia. Con solo siete días de estancia el primer año y 14 en los dos siguientes, se puede acceder a la residencia portuguesa, y con ella viajar como comunitario por toda Europa, a cambio únicamente de adquirir una propiedad inmobiliaria de al menos 500.000 euros, o de 350.000 si se ubica en una zona a rehabilitar. El pasaporte temporal se logra invirtiendo 250.000 euros en producciones artísticas o en el mantenimiento del patrimonio cultural o 350.000 en proyectos de investigación, o transfiriendo al menos un millón de euros a cuentas en bancos portugueses. Y todas esas posibilidades se rebajan además en un 20 % si se llevan a cabo en zonas de baja densidad de población.

Los niveles de paro han retrocedido hasta el 8 %, la cifra más baja desde el 2004

El visado de oro le ha proporcionado a Portugal desde el 2012 más de 3.380 millones de euros, el 90 % ligados a la construcción, según los datos de la patronal inmobiliaria lusa. Más de 9.212 familias gozan de las ventajas del pasaporte inversor, un plan que se ha disparado desde que Portugal dejó de estar intervenido. Y en tres meses se resuelve todo el papeleo, pese a ser un país con una reforma administrativa pendiente. La unidad nacional es vendida por el jefe del Estado como la verdadera simplificación administrativa, en un país que en todo caso tiene menos ayuntamientos que Galicia, aunque reúna cuatro veces más población (308 ayuntamientos en Portugal, frente a 313 en Galicia; 10,3 millones de habitantes, frente a 2,7).

La búsqueda de capitales también abarca a los pensionistas de todo el mundo, atraídos a Portugal por sus más de 3.330 horas de sol al año. Los retirados no pagan impuesto sobre la renta y los demás residentes no habituales soportan una carga del 20 %, frente a un 48 % que pueden llegar a pagar los autóctonos.

Madonna es solo el ejemplo más llamativo de los más de 10.000 extranjeros captados con ese régimen fiscal especial, alejado en ese extremo del modelo nórdico a emular.

Carlos Punzón

At https://www.lavozdegalicia.es

Cantanhede, Mira e Figueira da Foz vão estar ligadas por uma ciclovia

Ciclovia cdfc003c09d5f4ffca1d817216cb1571

Cantanhede, Figueira da Foz e Mira vão ser ligados por uma nova ecopista, resultante de um investimento de 1,2 milhões de euros, comparticipado por fundos comunitários no âmbito da rede europeia de ciclovias Eurovelo.

O projecto foi apresentado esta terça-feira, em Mira, no final de uma reunião que juntou os presidentes dos três municípios e ainda representantes das Comunidades Intermunicipais de Aveiro, Coimbra e Leiria, do Turismo de Portugal, Turismo Centro e da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro.

Segundo o presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz, João Ataíde, a nova ecopista terá uma extensão a rondar os 83 quilómetros e irá ser integrada na rota Eurovelo 1, da rede europeia de ciclovias, projecto da Federação Europeia de Ciclistas que pretende construir 70 mil quilómetros de ciclovias divididos em 14 rotas que irão interligar 42 países em todo o continente europeu.

“O percurso estende-se ao longo da costa atlântica entre o limite norte do município de Mira e o limite sul do município da Figueira da Foz, atravessando Cantanhede na zona da Tocha”, revela Helena Teodósio, presente da Câmara de Cantanhede, autarquia que está a investir numa rede urbana de trilhos cicláveis.

A nova ciclovia, um misto de asfalto e terra batida, seguirá junto à linha de costa, através da Mata Nacional e do estuário do Mondego, devendo ligar a sul da Figueira com a ecopista em asfalto do Atlântico, que termina na Nazaré. O ponto mais delicado da nova ciclovia será a travessia do rio Mondego, estando prevista a construção de uma pequena ponte no estuário, orçamentada em mais de 200 mil euros.

João Ataíde revela que foi discutido com representantes da Comunidade Intermunicipal de Aveiro o prolongamento da ciclovia para o norte, pelo litoral, até à praia de Esmoriz.

Já o presidente da Câmara de Mira, Raul Almeida, garante que a nova ecopista “irá potenciar as características naturais únicas deste território da costa atlântica”, funcionando como mais um factor de atracção para os visitantes.

“A ciclovia não se esgota apenas no traçado por uma das regiões mais bonitas do país. É preciso criar condições ao nível de alojamento, restauração, informação, para que a experiência seja enriquecedora para todos”, refere o autarca.

A rede Europeia de Ciclovias integra actualmente 15 rotas cicláveis de longa distância que cruzam todo o continente. As rotas são usadas por ciclistas que percorrem longos cursos e também pela população local, nas suas deslocações diárias, tendo em algumas zonas uma forte componente turística. Segundo dados divulgados pela Federação Europeia de Ciclistas, “estima-se que cada ano se realizem 2.300 milhões de viagens de bicicleta, representando um valor superior a 44 milhões de euros, segundo um estudo de 2012 encomendado pelo Parlamento Europeu”.

At http://aurinegra.pt

As escolas também já têm orçamento participativo

O que é o Orçamento Participativo das escolas?

É um processo democrático, com várias etapas, que garante aos estudantes a possibilidade de participarem, de acordo com as suas ideias, preferências e vontades, no desenvolvimento de um projeto que contribua para a melhoria da sua escola.
O Orçamento Participativo das Escolas (OPEscolas) pretende fomentar o espírito de participação e de cidadania e valorizar a opinião dos estudantes em decisões que os afetam diretamente.
Com o OPEscolas estimulam-se as escolhas responsáveis, a familiaridade com os mecanismos do voto e a participação na execução das escolhas efetuadas.

Como posso participar?

Para participar deves escrever um texto com a tua ideia, com um máximo de 1000 palavras – com ou sem imagem. Em seguida, entregas a tua ideia na secretária da tua escola até ao final do mês de fevereiro. Mas atenção, a tua ideia pode ser apresentada só por ti ou por um grupo de colegas – máximo de 5 estudantes. E tens sempre que recolher o apoio de 5% dos alunos da tua escola – para isso eles têm que que se identificar na tua proposta – escrevem o nome, número de estudante e assinam.

Parece difícil? Mas não é, é super simples. Se a tua escola tiver 500 alunos, 5% são 25 apoiantes. Depois é só partilhares a vossa proposta com o diretor da escola/agrupamento ou com o coordenador local do Orçamento Participativo da Escola, presencialmente ou através de correio eletrónico, para um endereço definido pela escola para o efeito, até ao final de Fevereiro. Estamos a contar com a tua ideia!

At https://opescolas.pt

Alpalhão pede novo gestor para a Praça

KONICA MINOLTA DIGITAL CAMERA

Depois de em 2017 a Praça de Touros de Alpalhão, no concelho de Nisa, não ter recebido corridas de touros, a Junta de Freguesia local, proprietária do imóvel irá novamente fazer os possíveis para que a praça volte a receber corridas de touros.

Segundo declarações da Presidente da Junta de Alpalhão, Ana Carrilho, “a freguesia de Alpalhão vai lançar a gestão da Praça de Touros a concurso, e informamos que temos já um empresário que contactou a freguesia com interesse na mesma.”

At http://toureio.pt

Portagens na A23 voltam a aumentar

Portagens 717637

A Plataforma de Entendimento, que agrega várias entidades contra as portagens, manifestou esta segunda-feira a sua surpresa com o novo aumento nas portagens nas ex-SCUt e considera inconcebível a penalização das pessoas e empresas do Interior.

“Nada fazia prever que, apesar da admiração pelo interior, que muito boa gente diz ter e que depois da machadada dos incêndios, viesse agora um novo incremento sobre um imposto discriminatório, como são o aumento das portagens, nas ex-SCUT”, refere uma nota de imprensa enviada à agência Lusa.

A Plataforma de Entendimento agrega a Associação Empresarial da Beira Baixa, União de Sindicatos do Distrito de Castelo Branco, Comissão de Utentes da A23 e Associação de Empresários pela Subsistência do Interior.

Apesar de ter vindo a mostrar preocupação com o tema das portagens, junto do poder político, sublinha que não tem obtido resultados práticos quanto à abolição das portagens: “Não pela falta de argumentos, mas sim pela postura de indiferença sobre um tema estratégico para o desenvolvimento regional”.

“É inconcebível que se penalizem desta forma as pessoas e empresas do interior, com mais um aumento de despesa que compromete a sustentabilidade destes territórios, já bastante fragilizada”, sustentam.

Lembram ainda que já foram endereçados pedidos de audiência ao Ministro das Infraestruturas e Ministro Adjunto, que acusam de não se dignarem a “gastar algum tempo” a recebê-los.

“É absolutamente lamentável e condenável que o ministro Siza Vieira, tendo vindo ao distrito, não tivesse aproveitado para fazer a reunião solicitada e que ainda não tenha percebido a necessidade de caminhar para a abolição das portagens para todos sem exceção”, sublinham.

Adiantam ainda que em breve vão reunir-se para decidir sobre novas e mais avançadas formas de intervenção e ação, sem prejuízo de, no imediato, seguirem novos pedidos de audiência aos ministros respetivos e iniciativas regionais, condizentes com o que o assunto merece.

“Como é possível estarem todos de acordo no reconhecimento do peso que o assunto das portagens aporta à região e a maioria dos deputados não se dignarem agir em conformidade com o necessário nesta temática”, questionam.

A Plataforma de Entendimento pergunta ainda onde está a distribuição da riqueza que tem vindo a ser criada nos últimos dois anos e onde está a reposição dos direitos existentes antes do período de crise, no que às portagens diz respeito: “Será que essa justa reposição é só para alguns e não é para o Interior do país?”.

“É pois, com muita estranheza e agora com total indignação, que vemos que o assunto, aparentemente acarinhado pelos deputados, não foi além de um passatempo e que, notoriamente, este só contribuiu para as estatísticas da realização política e do apregoado funcionamento da democracia, em que se envolveram os representantes do povo, com o povo”, concluem.

At https://beiranews.pt