Sindicatos contra robots: o movimento sindical europeu frente à automação

A automação ameaça desestabilizar os mercados de trabalho, criando até mesmo desemprego em massa. Os sindicatos europeus de diferentes setores, como portos de carga ou bancos, procuram formas de enfrentar as máquinas e algoritmos que substituem os trabalhadores que representam.

Para todos aqueles que vislumbram um futuro distópico no qual os robots tiram nossos empregos, uma visita aos terminais da APM no porto de Rotterdam será suficiente para proclamar o apocalipse.

Os terminais APM no porto de Rotterdam descarregam os navios de carga colossais do comércio internacional e preparam os contentores de carga para distribuição em toda a Europa com pouca intervenção humana. Guindastes gigantescos totalmente automatizados – elefantes no jargão portuário – eles descarregam os contentores dos navios e os depositam em veículos sem motorista que transportam as mercadorias pelo porto em faixas pré-definidas. Esses veículos – que são capazes de detectar se a bateria está fraca e, em caso afirmativo, se carregam sozinhos – empilham a mercadoria numa série de pilhas de acordo com o destino. Mais uma vez, uma série de guindastes automatizados pegam os contentores e carregam-nos nos comboios ou camiões que os distribuem por toda a Europa. No final das contas, todo o processo parece um gigantesco e preciso jogo de Tetris que requer muito pouca intervenção humana.

Os robots e processos que gerenciam o Porto de Rotterdam estão sendo implantados noutros sectores. Por isso dizemos que estamos à beira da Quarta Revolução Industrial.

Para alguns especialistas, a transição para um futuro automatizado será um período bastante negro. Os que defendem esta tese pintam um cenário onde os avanços em inteligência artificial, automação e digitalização de serviços deixam muitas pessoas sem trabalho. O aumento da desigualdade entre trabalhadores plenamente integrados ao sistema e desempregados com pouca capacidade de adaptação aos novos tempos poria em xeque os sistemas políticos na forma que os conhecemos hoje.

Nem todo o mundo vê isso tão escuro. Outros especialistas relativizam o impacto da Quarta Revolução Industrial e lembram que no passado o ser humano foi capaz de se adaptar a essas mudanças de paradigma.

O problema com essas previsões é que elas não têm uma base sólida para construir. Ninguém sabe ao certo a intensidade desta Quarta Revolução Industrial. Um estudo amplamente citado da Universidade de Oxford sugere que até 47% dos empregos nos Estados Unidos podem ser automatizados. Outros estudos, por outro lado, estimam um impacto muito menor: a OCDE afirma que nos países desenvolvidos apenas 9% dos empregos seriam perdidos.

“O uso de sistemas automatizados aumentou muito desde os anos 90 e prevemos que no futuro esse aumento se acelerará ainda mais”, diz Georgios Petropoulos, economista do think tank Bruegel. Petropoulos confirma que ainda não existem casos suficientes dessa nova onda de automação que permitam estimar o seu impacto.

Um olhar sobre os litígios trabalhistas vividos no Porto de Rotterdam e no setor bancário europeu – onde a digitalização de grande parte de seus serviços está alterando o modelo de negócios – pode nos dar pistas sobre como se gerirão os litígios trabalhistas decorrentes da Quarta Revolução Industrial.

O Porto de Rotterdam: Um laboratório de testes de automação

“Estamos muito satisfeitos por dar as boas-vindas ao futuro hoje e aqui mesmo.” Com esta grande frase, Kim Fejfer, CEO dos terminais APM do Porto de Rotterdam, inaugurou esses prodígios da robótica. Enquanto isso, os trabalhadores portuários desconfiavam desse futuro esplendoroso.

Do ponto de vista dos trabalhadores, a sua permanência no porto dependia de expectativas de crescimento do tráfego portuário que consideravam impossíveis. Temiam que, caso o aumento no volume de mercadorias estimado pelas autoridades portuárias não se concretizasse, quase todo o tráfego remanescente seria processado pelos terminais automatizados e o porto acabaria por contorná-los. O sindicato maioritário do porto, FNV Havens, lançou-se a pedir uma garantia para que os mesmos postos de trabalho se mantivessem até 2024. Uma garantia que a autoridade portuária descreveu como “algo de outra época”.

“No início, fomos informados de que a transformação dos terminais AMP criaria novos postos de trabalho”, diz Niek Stam, líder do sindicato FNV Havens, “mas agora está demonstrado que os destruiu”.

Após uma série de greves e negociações, os sindicatos tiraram das autoridades portuárias uma garantia para os 3.700 trabalhadores do porto até julho de 2020. Claro, como a idade média dos trabalhadores era bastante avançada (54 anos), muitos aproveitaram um plano de aposentadoria antecipada que reduziu significativamente suas horas. Se usufruíssem do plano, os trabalhadores com mais de 60 anos poderiam trabalhar 60% da jornada recebendo 95% do salário.

Outra parte interessante do acordo afetou um corredor interno do Porto de Rotterdam que tem por objetivo desviar aquela carga para o porto de outro país – o Reino Unido, por exemplo – sem passar pela alfândega. Uma versão renovada e automatizada do corredor interno deveria ser inaugurada em 2018, mas foi decidido que ele permaneceria administrado por trabalhadores portuários e, assim, manter postos de trabalho para trabalhadores mais jovens.

“Os portos são a vanguarda da automação”, diz Olaf Merk, um especialista em logística portuária da OCDE, acrescentando: “Agora estamos todos muito expectantes com os veículos sem motorista, mas os portos têm-nos há décadas. O auge do transporte em contentores permitiu estandardizar muitos processos que agora se podem automatizar com mais facilidade ”.

Isto é algo que Niek Stam, desde o seu tempo como trabalhador do porto de Roterdão, percebeu por conta própria: “No passado, as equipas que geriam as gruas eram compostas por sete pessoas. Agora, requerem apenas dois ou três funcionários, porque boa parte das tarefas foram automatizadas. O nosso sindicato é pioneiro nesse debate porque estivemos a sofrer a automação durante décadas ”.

Mas, além do porto de Rotterdam, nem todos os trabalhadores afectados pela automação têm sindicatos poderosos por trás deles. É o que acredita Tony Burke, assessor do secretário-geral do Unite the Union, o maior sindicato do Reino Unido, que também garante que esse processo afetará os mais diversos empregos. Trata-se sobretudo de empregos em sectores como a indústria ou os serviços, cujas tarefas são rotineiras e têm elevado potencial de automação. Também são, segundo Burke, trabalhadores com contratos temporários e muito pouca proteção sindical.

“Vamos imaginar que uma empresa com muitos trabalhadores temporários queira introduzir uma nova tecnologia. Esses trabalhadores temporários são os primeiros a perder o emprego, pois as empresas simplesmente não vão renová-lo ”, afirma Burke.

Essa ideia entronca nas visões mais distópicas da transição para a Quarta Revolução Industrial. Aqueles que a advogam afirmam que essa destruição de postos de trabalho rotineiros e de baixa qualificação pode aumentar uma tendência à desigualdade que, por outro lado, já está aumentando em muitos países desenvolvidos desde a Grande Recessão. A OCDE constatou num relatório de 2015 que 10% da população com rendimento mais alto ganhava 9,6 vezes mais do que os 10% com menor rendimento. Teme-se, portanto, que esse hiato piore se o desemprego tecnológico aumentar ainda mais a desigualdade.

É verdade que os trabalhos de rotina e de baixa qualificação são os mais fáceis de automatizar. Mas um dos aspectos mais recentes dessa onda de mudança tecnológica é que a automação de funções também pode afetar empregos que tradicionalmente são considerados qualificados e seguros.

Os empregos favoritos dos nossos pais, também em risco

Não são poucos os pais choram de alegria quando os seus filhos lhes dizem que querem ser advogados ou trabalhar em um banco. Esses são empregos tradicionalmente altamente qualificados que geralmente marcam o fim de uma viagem, muitas vezes tortuosa, em direção à segurança e ao conforto no emprego. Com a automação, isso também pode estar prestes a mudar.

A substituição de empregos que exigem anos de estudos, inteligência emocional e uma sólida rede de contactos ainda está muito longe, como é o caso dos advogados. Mas alguns desses empregos estáveis ​​e seguros estão a viver a sua própria aposta tecnológico.

É o caso do sector bancário, que passa por uma profunda transformação do seu modelo de negócios devido à tecnologia. As inovações aparecem em todos os lugares. Para mencionar algumas: Aplicativos que automatizam o atendimento ao cliente, o Crowdlending – um modelo de financiamento à margem do sistema bancário onde um grupo de investidores empresta dinheiro para empresas e indivíduos por meio de plataformas de Internet – ou criptodivisas, que oferecem alternativas às moedas tradicionais.

Essas e muitas outras inovações facilitaram o surgimento de uma série de start-ups que oferecem serviços financeiros à margem dos bancos. São as chamadas fintech – contração em inglês das palavras finanças e tecnologia -, empresas que aos poucos tiram mercado (e postos de trabalho) aos bancos. Embora seja preciso lembrar que nem todas as perdas de empregos sofridas pelo setor bancário se devem à tecnologia: a ressaca da Grande Recessão também deixou um quadro financeiro muito instável que custou postos laborais.

Longe de ficar para trás, os bancos estão aderindo ao movimento da inovação tecnológica, reformulando seus próprios serviços para adaptá-los aos novos tempos. Mas isso não se traduz em aumento de postos de trabalho, muito pelo contrário. O banco holandês ING anunciou em outubro de 2016 um plano para investir 800 milhões na sua própria transformação digital. A medida tem de se traduzir em poupanças anuais de 900 milhões de euros e inicialmente ia custar cerca de 7.000 postos de trabalho em toda a Europa, para além do encerramento de várias agências. Embora os despedimentos tenham afectado quase todas as categorias de empregos no banco, a maior parte do ajuste recaiu sobre os trabalhadores das agências. Na Bélgica, por exemplo, 600 agências vão ser fechadas, quase metade das que o ING tem neste país. À medida que os clientes mudam para o telemóvel para fazer as suas operações bancárias, têm cada vez menos necessidade de passar na agência do bairro.

“Do ponto de vista jurídico, os despedimentos devidos à tecnologia são iguais aos que respondem a outras causas”, diz Herman Vanderhaegen, líder do sindicato belga LBC-NVK. Vanderhaegen afirma que os despedimentos do ING são uma consequência da tecnologia, mas elas também respondem a outras causas, como as promessas que o banco fez aos acionistas sobre o retorno dos seus dividendos, e que ele descreve como irrealistas.

“A reacção da equipa foi muito emocional e alguns ficaram furiosos porque sabiam que a tecnologia era apenas uma das causas dos seus despedimentos”, disse Vanderhaegen.

No plano anunciado pelo ING, 3.500 trabalhadores seriam despedidos dos 9.000 que o ING tem na Bélgica. Graças a um acordo alcançado em março de 2017, os trabalhadores com mais de 55 anos puderam sair do banco com um salário entre 60% e 80% em relação ao que recebiam como empregados. Isso duraria até que atingissem a idade da reforma. Alguns jovens trabalhadores também receberam incentivos para deixar o banco.

O sindicato continua a negociar com o ING e Vanderhaegen garante que pode baixar o número de despedimentos obrigatórios – isso exclui os dos planos anteriormente descritos – para 450. “O ING é uma empresa muito lucrativa e, portanto, tem que pagar os custos sociais que está causando ”, diz o sindicalista.

Além do número exacto de empregos cobrados pela transformação digital do ING, o caso do ING deixa-nos uma lição: nem todos os empregos que tradicionalmente consideramos seguros, como os relacionados com finanças, são um refúgio à mudança tecnológica que se aproxima. Segundo Vanderhaegen, os próprios trabalhadores que saem do ING procuram empregos noutros sectores, como na administração pública.

“Não é fácil encontrar outro emprego quando dedicaste 15 ou 20 anos da tua vida ao banco. É por isso que oferecemos aconselhamento profissional aos trabalhadores que desejam reavaliar o que desejam fazer com base nas suas habilidades ”, diz Elke Maes, secretária nacional da LBC-NVK.

Maes acredita que os sindicatos têm que oferecer as suas próprias respostas ao desafio do desemprego tecnológica. Estes são os seus planos: “Temos que aceitar que em alguns setores trabalhar das 9h às 17h já não é normal. Formámos os nossos representantes sindicais e distribuímos instruções e folhetos sobre o que podemos aceitar ou o que devemos rejeitar em negociações futuras onde a tecnologia seja um factor”, disse o secretário nacional da LBC-NVK.

Horas de trabalho reduzidas e outras oportunidades

O Unite the Union, o maior sindicato do Reino Unido, também está enfrentando o debate sobre automação ao assumir seu papel de protetores dos trabalhadores diante do desafio tecnológico: “Sabemos que isso vai acontecer e não há nada que possamos fazer para impedi-lo”, diz Tony Burke. .

Len McCluskey, secretário-geral do sindicato, instou o governo britânico em março de 2017 a criar uma comissão para examinar o risco que a automação representa para a economia do país. Para McCluskey, atenção especial deve ser dada à indústria automotiva, manufatura e serviços, já que são os setores que serão automatizados primeiro.

McCluskey diz que a automação pode ser uma coisa boa se bem administrada: “Teria que ser uma oportunidade para reduzir a jornada de trabalho e manter o mesmo salário; ou criar programas de reeducação que melhorem a qualificação profissional dos trabalhadores existentes e também criem novos programas de formação profissional ”.

O governo britânico, imerso em crises mais prementes, não agiu com base nas demandas do Secretário-Geral da União . “Neste momento o debate está na esfera acadêmica, nos think tanks e nos sindicatos. O Partido Trabalhista ouve nossas preocupações, mas não oferece nenhuma resposta “, diz Tony Burke.

Niek Stam, líder do sindicato do Porto de Rotterdam, alerta para os efeitos da automação sobre o estado de bem-estar. Menos pessoas empregadas podem se traduzir em menos receita tributária para os estados. E esses estados hoje têm pouca margem de manobra fiscal: não serviria, por exemplo, para compensar a perda do imposto de renda aumentando o imposto sobre as sociedades; tendo em conta que nos sistemas fiscais actuais muitas empresas conseguem evitar o pagamento de milhões de euros deste imposto sobre as sociedades.

Esta é a razão pela qual Stam é a favor de um imposto sobre os robots. “Em uma sociedade justa, os robots que tiram nossos empregos também deveriam ter a obrigação de pagar impostos”, diz ele.

A ideia de taxar robots tem muitos apoiadores, alguns também conhecidos como Bill Gates, o fundador da Microsoft. O Parlamento Europeu também considerou a introdução deste imposto para criar um fundo para financiar programas de formação para trabalhadores afetados pela tecnologia, mas a medida foi rejeitada. Uma vantagem desse imposto, segundo Gates, seria que ele reduziria o índice de introdução dessas tecnologias nas empresas e assim poderíamos gerenciar melhor seus efeitos.

A ideia de uma renda básica universal também está ganhando popularidade entre fóruns acadêmicos e grupos de reflexão econômica. Seria uma forma de amenizar os efeitos do desemprego tecnológico e evitar o surgimento de uma classe precária que colocaria em xeque os sistemas políticos atuais. Porém, como já foi dito, isso dependerá do número de jobs que robôs e algoritmos acabam destruindo, algo que ainda não podemos prever.

A automação nem sempre se traduz em perda de empregos. Esse é um problema semelhante ao que pairava sobre os caixas de banco quando os caixas eletrônicos foram introduzidos na década de 1970. Seu trabalho iria desaparecer? A realidade é que graças à redução de custos que os ATMs trouxeram, os bancos abriram mais agências. Mais funcionários foram contratados, mas a natureza do trabalho mudou. Os novos funcionários do banco não apenas davam dinheiro aos clientes, mas vendiam produtos financeiros a eles, algo que os humanos fazem muito melhor do que as máquinas.

Não há dúvida de que, sem entrar nos números, alguns empregos serão perdidos. À medida que o ritmo da automação acelera, os sindicatos precisam redobrar seus esforços. Porque no século 21, essas organizações não podem defender as teses que defenderam no século 19, como o ludismo. Como diz Tony Burke: “Você não pode reverter a invenção da eletricidade.”

Albert Guasch Rafael

Este artigo foi produzido no âmbito do The Agora Project, uma redação temporária de jornalistas europeus que colaboraram na produção de histórias sobre os desafios da Europa de hoje. Confira o projeto e as histórias dos demais autores neste link .

At https://www.unitedexplanations.org/

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s