Nisa e Benfica recebe apoio da Federação Portuguesa de Futebol

banner.jpg

A Federação Portuguesa de Futebol vai contratualizar, este sábado, na Cidade do Futebol, o apoio a 117 clubes e às 22 Associações Distritais com as verbas decorrentes da venda da antiga sede federativa, na Praça da Alegria, em Lisboa, num total de mais de 4,2 milhões de euros.

Num programa de apoio ao desenvolvimento do futebol, conforme decorre dos estatutos da FPF, ficou decidida a afetação dos 4,2 ME resultantes da transação do imóvel que acolheu a FPF durante 36 anos, entre 1968 e 2004, a clubes participantes nas competições não profissionais e associações distritais e regionais.

Consulte aqui a lista de todos os clubes apoiados pela FPF

Depois do lançamento do programa de stinado a melhoramento de infraestruturas, a 1 de dezembro de 2015, mais de 520 clubes candidataram-se às verbas decorrentes da venda da sede federativa.

A FPF, após uma análise criteriosa, efetuada por uma entidade independente, atribuiu comparticipação financeira aos 120 clubes que receberão em conjunto a importância de 3.2 milhões de euros.

Este é o maior programa de apoio realizado ao longo da história centenária da FPF. Os clubes selecionados cobrem todo o território nacional incluindo regiões autónomas, litoral e interior e nenhum distrito ficou sem projetos aprovados.

Além dos projetos dos clubes, que vão receber apoios entre os cinco e os 60 mil euros, também as vinte e duas associações distritais e regionais vão receber, no total, uma comparticipação de um milhão de euros.

At FPF

Tapada da Queijeira: um sonho muda-se para Nisa

IMG_12-768x432

O Alentejo foi o local escolhido pela família de Margarida Camões para mudar de vida. O projeto de família começou há três anos e estará pronto para receber hóspedes no segundo semestre de 2018.

Margarida Camões é a mãe e principal responsável deste projeto familiar. A filha é designer e criou a imagem da Tapada, os dois filhos estão a licenciar-se em Medicina Veterinária e o marido é construtor por conta própria. Por isso, o objetivo da família é mesmo abandonar Coimbra, rumo a Nisa, assim que o hotel esteja pronto. Já Margarida vai mudar-se para a aldeia de Montalvão assim que as obras começarem, para acompanhar de perto.

“O futuro será viver de e para a Tapada da Queijeira. Eu queria, a partir dos 55 anos, dedicar-me a um projeto de turismo rural porque na verdade gosto muito de trabalho manual, da culinária, do detalhe”, explica Margarida Camões.

O gosto pelo detalhe relaciona-se também com o conceito da Tapada da Queijeira. As construção da casa está a cargo de David Mateus, um construtor civil da região, mas a decoração vai sair das mãos de Margarida.

A propriedade vai crescer em Montalvão e o Alentejo foi escolhido pelo gosto pessoal e pela diversidade da região. Quanto ao nome, Margarida explica que uma tapada é uma pequena horta e que 11 hectares de montado no Alentejo é realmente uma propriedade pequena. Já a Queijeira deve-se ao facto de há muitos anos a Tia Luísa fazia queijos naquela zona e que era chamada de “aquela da queijeira”

Ao nome junta-se o conceito de Wellness e Bem Estar, com programas desenhados para os hóspedes. Assim que o cliente faz uma reserva, o alojamento tenta perceber quais seus os objetivos no hotel e é a partir diaí que toda a estadia é organizada, bem como propostas de atividades. Pegando nos fatores da região como as termas, passadiços pedestres e o turismo cultural, serão oferecidos laboratórios criativos, com base nos interesses do cliente. Se o que quiser mesmo é descansar e não pensar em nada, esteja certo de que ninguém o incomodará. Porém, há algumas coisas das quais não poderá — nem quererá — fugir: as compotas frescas, o pequeno-almoço nos passadiços e bolo acabado de fazer.

“Queremos aproveitar tudo o que a região permite e utilizar essas atividades para permitir este bem-estar. É um conceito diferente, uma forma diferente de aproveitar o turismo”, conta Margarida Camões à NiT.

O objetivo é que a Tapada esteja pronta no segundo semestre de 2018, com um investimento de 300 mil euros.

At nit.pt