José Luís Peixoto vence prémio internacional

jose-luis-peixoto-galveias

O português José Luís Peixoto é o vencedor da edição deste ano do Oceanos – o prémio de Literatura em Língua Portuguesa – com o romance Galveias (editado em Portugal pela Quetzal). O primeiro classificado tem direito a um prémio no valor de 100 mil reais (cerca de 27 mil euros).

O anúncio foi feito na noite desta terça-feira em São Paulo no Brasil. Além do romance de Peixoto foram ainda distinguidas três obras brasileiras: o romance A Resistência, do escritor Julián Fuks (editado em Portugal pela Companhia das Letras), em segundo lugar; o volume de poesia O livro das Semelhanças, de Ana Martins Marques, em terceiro; e os contos de Maracanazo e Outras Histórias, de Arthur Dapieve, na quarta posição.

O romance premiado tem como título o nome da aldeia natal de Peixoto no Alentejo. O romance mergulha no Portugal rural a partir de um evento inesperado: a queda de um meteorito em Galveias. Como se diz no comunicado do prémio Oceanos, a obra “confere um sentido cósmico a essa comunidade [de Galveias] que se extingue entre rústica violência, desolação, melancolia e choque com a modernidade”. O romance é “um mergulho no Portugal profundo, rural, com uma narrativa que alinha personagens emblemáticas desse universo arcaico”.

O prémio Oceanos, atribuído pelo Itaú Cultural, cumpre a segunda edição, depois da extinção do Prémio Portugal Telecom em 2014, e distingue as melhores obras de escritores lusófonos publicadas no Brasil. No ano passado, o prémio foi atribuído ao escritor brasileiro Silviano Santiago, de 80 anos, pelo romance Mil Rosas Roubadas.

Entre os dez finalistas da edição de 2016 do prémio estava também o escritor português, Gonçalo M. Tavares, com o romance Uma menina está perdida no seu século à procura do pai que também esteve presente na cerimónia.

Nascido no ano da revolução dos cravos, José Luís Peixoto recebeu em 2001 o prémio José Saramago com o seu segundo romance, Nenhum Olhar – o primeiro foi Morreste-me(2000). A Criança em Ruínas mereceu-lhe o prémio da Sociedade Portuguesa de Autores e foi finalista do prémio Femina (França) e, entre outros, do antecessor do Oceanos, o prémio Portugal Telecom. Além da prosa no romance, Peixoto enveredou também pela poesia e dramaturgia, estando a sua obra traduzida, segundo a sua editora, a Quetzal, em mais de 20 línguas.

At https://www.publico.pt/

Ponte de Sor vai ter mais postos de trabalho

15420957_1801750560076323_8313158367186651514_n

O Presidente do Município de Ponte de Sor finalizou ontem, em Villetaneuse, nos arredores de Paris, acordo para instalação de uma nova fábrica no Aeródromo Municipal. A empresa francesa, especialista na produção de máscaras de oxigénio para aviões supersónicos, entre outros componentes aeronáuticos, criará em Ponte de Sor mais algumas dezenas de postos de trabalho.

At http://www.cm-pontedesor.pt/

O maior presépio natural

A Câmara Municipal do Sabugal, à semelhança de anos anteriores, encontra-se a recriar o Presépio de Belém, no Largo da Fonte, no centro da Cidade, ocupando cerca de mil e cem metros quadrados. Numa Quadra com inúmeras tradições, costumes, ícones e simbolismos, o Presépio tem um lugar de destaque na casa de todos os que acreditam no verdadeiro sentido do Natal – o Nascimento do Menino Jesus.

Para a recriação estão a ser usados elementos recolhidos na natureza, como troncos de castanheiros (mais de 500 toneladas), heras e musgos, entre outros, que servirão de base à construção efetuada a uma escala onde os visitantes têm a perceção de fazer parte do Presépio, como sendo elementos ou personagens do mesmo.

sabugal-natal-1-92

At http://www.cm-sabugal.pt/