Le Monde desfeiteia Durão Barroso, “indigno” e “antieuropeu”

paulo_portas_durao_barroso

O editorial de Le Monde é hoje dedicado ao passe de Durão Barroso, da presidência da Comissão Europeia para o Goldman Sachs. O diário francês de referência diz as últimas do banco e do novo banqueiro.

O editorial de Le Monde não tem assinatura e apresenta-se portanto com o peso de uma opinião colectivamente assumida pelo jornal e sobre um tema reputado essencial na actualidade política. Pode portanto admitir-se que cada palavra foi pesada e medida, e que nenhuma delas pode ser posta na conta de uma derrapagem.O artigo começa por referir-se ao “Brexit” como um golpe profundo sobre a União Europeia (UE), para logo acrescentar que, apesar da sua profundidade, foi um golpe “leal, democrático”. O intróito serve, contudo, para sublinhar o contraste entre o golpe sofrido com o “Brexit” e aquele, desferido contra a UE à laia de punhalada nas costas pelo antigo presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, ao aceitar o lugar de presidente do Goldman Sachs.

Que José Manuel Barroso … não encontre nada melhor, umas semanas depois do Brexit, do que integrar-se nas fileiras do Goldman Sachs, eis algo que desfere um segundo golpe contra a UE. E esse é baixo, indigno.
Segundo Le Monde, a baixeza e a indignidade do golpe de Barroso resulta, nomeadamente, de ele “alimentar um pouco mais um discurso antieuropeu que releva com demasiada frequência da teoria da conspiração”.

Seguidamente, recorda-se que o Goldman Sachs não é um banco qualquer e sempre se tem distinguido pelos maus motivos da média, em si mesma nem sempre recomendável dos seus congéneres.

Le Monde sublinha, designadamente, o papel do Goldman Sachs como “pilar de Wall Street, que encarna a crise financeira de 2008 – milhões de empregos perdidos e a explosão das dívidas públicas nos Estados Unidos e na Europa”.

Impiedoso, o editorial prossegue na enumeração das tropelias do Goldman Sachs: “Ele distinguiu-se nomeadamente por ajudar a Grécia a apresentar contas trucadas para permanecer no euro”.

Com a elegância própria de uma centenária instituição do jornalismo francês, Le Monde guarda-se sempre de chegar ao ponto do presidente bielorrusso Lukashenko, que em tempos atribuíra a escolha de Barroso para o cargo eurocrático ao facto de ser, disse ele, “um idiota”. No entanto, conceptualmente, o editorial de Le Monde volta à ideia de que a escolha de Barroso deveu pouco e nada a méritos que ele possa ter, e tudo à facilidade que se prometiam os autores da escolha no momento de manipulá-lo

Ele presidiu à Comissão sem originalidade, sem suscitar a mínima ideia que pudesse renovar o ideal europeu.
Nesse sentido, o editorial responsabiliza os dirigentes dos países membros, por terem mantido no cargo um homem “desprovido do mínimo carisma”, sempre a recear “que uma personalidade de envergadura em Bruxelas pudesse fazer-lhe sombra”. E lembra que ele se estafou a repetir “as patranhas neoliberais mais simplistas da época”; que não se apercebeu da aproximação da crise de 2008

Le Monde admite que o passe de Durão Barroso para o Goldman Sachs é «légal» (aspas no original), ressalvando que ele pode ter algum parentesco com o conflito de interesses. E, para dissipar as dúvidas sobre a relação “incestuosa” entre poder público e finança privada, sugere que a Comissão Europeia mude as suas regras e proíba, doravante, que um dos seus antigos membros se ponha ao serviço de interesses privados em áreas que tutelou.

Legal ou não, aquém ou além do limite da legalidade, a questão colocada no editorial é, contudo, política: o gesto “revoltante” de Barroso, ao aceitar “contribuir desse modo para o discurso dos movimentos protestatários antieuropeus de extrema-direita, aqueles mesmos que ameaçam o carácter democrático do continente”.

At RTP

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Nisa é a porta de entrada norte no Alentejo. Quando chegar a Nisa, tenha mente aberta e entregue-se a emoções únicas. Entre o passado e o futuro, Nisa encanta-nos à chegada e emociona-nos na despedida!

The WordPress.com Blog

The latest news on WordPress.com and the WordPress community.

PÚBLICO

Nisa é a porta de entrada norte no Alentejo. Quando chegar a Nisa, tenha mente aberta e entregue-se a emoções únicas. Entre o passado e o futuro, Nisa encanta-nos à chegada e emociona-nos na despedida!

Le Monde Diplomatique - Edição Portuguesa

Nisa é a porta de entrada norte no Alentejo. Quando chegar a Nisa, tenha mente aberta e entregue-se a emoções únicas. Entre o passado e o futuro, Nisa encanta-nos à chegada e emociona-nos na despedida!

TSF - Últimas Notícias - RSS

Nisa é a porta de entrada norte no Alentejo. Quando chegar a Nisa, tenha mente aberta e entregue-se a emoções únicas. Entre o passado e o futuro, Nisa encanta-nos à chegada e emociona-nos na despedida!

Expresso

Nisa é a porta de entrada norte no Alentejo. Quando chegar a Nisa, tenha mente aberta e entregue-se a emoções únicas. Entre o passado e o futuro, Nisa encanta-nos à chegada e emociona-nos na despedida!

<span>%d</span> bloggers like this: