Artigo de confirmação: “Passados 2 anos, cá estamos!”

Willy_Brandt_1935_35c450fa4dA princípio era o sorriso da “construção”. De cada peça, das cores, da expectativa, do querer dar mais luz, do querer fazer bem, do partilhar, do envolver, do publicitar, de redimensionar. Queríamos fazer diferente, até porque a democracia assim o permite, em profundo contraditório com o controlo exclusivo. E o objectivo mantém-se precisamente o mesmo: construir. Tudo com as melhores intenções. Até porque seguimos e gostamos de quem prossiga valores como o da fraternidade ou da solidariedade. E ainda que a vida esteja sujeita sempre à existência de dualidades, não se visa por aqui nada de negativista, nem de desvalorização pessoal, nem de apelo à má educação e conduta, nem de alimentação de conversa sobre o que surge por vezes de realmente mau. E todos, sem excepção, têm a possibilidade de contribuir para tal. Assim todos os que queiram “participar” tenham consciência dos limites que serão, naturalmente, permitidos. Até pela própria sociedade.

E até porque os destinatários continuam a ser os mesmos, todos, e a hierarquia de relevância também. O concelho de Nisa é o embrião de toda esta obra, aquele que tem que ser cuidado com a maior delicadeza. Até porque é enorme. As suas gentes (inclusivamente as da diáspora, e são muitos) e o seu vasto território. E é com ele que temos que ter a principal preocupação. E logo depois o distrito do Alentejo onde estamos inseridos (e o que sempre seremos, ao lado de todos os outros concelhos deste nosso Alto Alentejo) e a preocupação sobre a capital de distrito, Portalegre, que parece estar a ser, cada vez mais, engolida pela distância das decisões e por aquela palavra que, na realidade, não significa nada: interior. Independentemente da defesa política a ser feita por quem de direito, deveriam aqui estar centralizadas um sem número de atractividades de âmbito “regional”, nomeadamente no âmbito da cultura, da história, do desporto, do lazer, etc., até por ser na realidade uma “capital”. Mas será que a sentimos actualmente como tal?

E depois também queremos saber o que se passa nos concelhos para onde temos uma porta de passagem, para, como exemplo, identificarmos o que de melhor e de pior se faz. E as outras regiões por estes abrangidas, como os nossos irmãos logo ali do lado de lá da fronteira, com o enfoque em Cedillo, e os outros irmãos do distrito da Beira, cuja capital fica a pouco mais de 40 kms.

E, por fim, a preocupação com todas as matérias de âmbito nacional ou internacional, social, político ou económico, ou todas as demais, susceptíveis de transformarem as nossas vidas.

E tudo feito com muito gosto. Assim seja compreendido o porquê de cá andarmos, com humildade e ajudando a melhor informar a “nossa terra” e as “nossas gentes”. Cada um faça o seu papel. Seja ele bem ou mal feito. E não vale a pena inventarem. Porque enquanto isto nos der gozo, e mantivermos a melhor conduta e não ferirmos susceptibilidades, haverão muitos mais anos para comemorar.

LV

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s