Alentejo 2020 incentiva ao Empreendedorismo Qualificado e Criativo

alentejo2020O objetivo especifico deste concurso consiste em conceder apoios financeiros a projetos de Empreendedorismo Qualificado e Criativo que contribuam para:

  • A promoção do espírito empresarial, facilitando nomeadamente o apoio à exploração económica de novas ideias e incentivando a criação de novas empresas;
  • Aumentar as capacidades de gestão das empresas e da qualificação específica dos ativos em domínios relevantes para a estratégia de inovação, internacionalização e modernização das empresas, de modo a potenciar o desenvolvimento de atividades produtivas mais intensivas em conhecimento e criatividade e com forte incorporação de valor acrescentado nacional.

Pretende-se reforçar os níveis de empreendedorismo qualificado e criativo (incluindo empreendedorismo de base tecnológica), através de apoios diretos aos empreendedores, favorecendo a emergência de novas oportunidades de negócio, nomeadamente em domínios criativos e inovadores e o nascimento de mais empresas em setores de alta e média-alta tecnologia.

O Empreendedorismo Qualificado e Criativo também inclui as atividades das indústrias culturais e criativas, que fazem da utilização da criatividade, do conhecimento cultural e da propriedade intelectual, os recursos para produzir bens e serviços transacionáveis e internacionalizáveis com significado social e cultural (como sejam as artes performativas e visuais, o património cultural, o artesanato, o cinema, a rádio, a televisão, a música, a edição, o software educacional e de entretenimento e outro software e serviços de informática, os novos media, a arquitetura, o design, a moda e a publicidade).

Neste concurso valoriza-se ainda o alinhamento com as prioridades temáticas da Estratégia Regional de Especialização Inteligente (RIS3).

São suscetíveis de apoio os projetos individuais de Empreendedorismo Qualificado e Criativo nas seguintes tipologias:

  1. A criação de empresas que desenvolvam atividades em setores com fortes dinâmicas de crescimento, incluindo as integradas em indústrias criativas e culturais, e ou setores com maior intensidade de tecnologia e conhecimento;
  2. A criação de empresas que valorizem a aplicação de resultados de I&D na produção de novos bens e serviços.

Os beneficiários dos apoios previstos no presente Aviso de concurso são as Pequenas e Médias Empresas (PME) de qualquer natureza e sob qualquer forma jurídica, criadas há menos de dois anos.

A dotação financeira do Alentejo 2020 para este concurso é de 3 100 milhares de euros, com a seguinte distribuição:

  • Empreendedorismo – 3 000 milhares de euros
  • Formação – 100 milhares de euros

O concurso está aberto até 31 de Março de 2016.

Consulte o aviso de concurso aqui.

At http://alentejo.portugal2020.pt/

Unidade de Missão para a Valorização do Interior

Conselho Ministros PS 20030926

Na reunião do Conselho de Ministros, da passada semana, o Governo aprovou também a missão e o estatuto da Unidade de Missão para a Valorização do Interior, tendo como objetivo “criar, implementar e supervisionar um programa para a coesão territorial, promovendo medidas do desenvolvimento do interior“.

O Ministro-adjunto, Eduardo Cabrita, referiu que a entidade se deve dirigir “estritamente ao cumprimento do objectivo de descentralização”. “Para este Governo, o conceito de interior é um conceito encarado como ultrapassado, porque estamos perante regiões que estão bem perto de zonas dinâmicas do mercado espanhol – um mercado que é hoje um cliente relevante ao nível do nosso relacionamento externo”, alegou o membro do executivo.

Tal como tem defendido o Primeiro-ministro, António Costa, em sucessivas intervenções públicas, também Eduardo Cabrita advogou que as zonas do interior “devem ser encaradas como áreas bem próximas do centro do mercado ibérico e as áreas mais próximas do território nacional face ao conjunto dos mercados europeus”.

“Envolvendo os parceiros sociais (representantes das associações empresariais e sindicais de entidades autárquicas), teremos uma estrutura que trabalhará ao longo dos próximos seis meses na preparação de um plano de desenvolvimento e coesão territorial do interior do país, o que será reflectido nas Grandes Opções do Plano e do Orçamento do Estado para 2017”, acrescentou, numa alusão às competências da nova unidade de missão.

At http://www.publico.pt/ (versão papel)