Artigo de opinião: “O tialecto”

Seixas da Costa 3074610Tenho umas amigas e uns amigos que vivem encafuados no “politicamente correto” do léxico social LL (Lapa-Linha), para o qual alguém descobriu há uns anos a fabulosa designação de “tialecto”. Encanito vivamente com esses vícios de casta e passo o tempo a trocar-lhes as voltas. E faço isso, muitas vezes, de propósito. Deteto-lhes no olhar o desapontamento (será a pena?) por eu teimar em não os acompanhar nessa maneira “bem”, isto é, não “possidónia” (eles nunca dizem “pirosa”) de dizer as coisas. Outros devem pensar lá para com eles: um embaixador a falar assim… foi no que deu aquela coisa do 25 de abril! (ou “o sinistro vinte e cinco do quatro”, como referia sempre um amigo desaparecido, a quem a data nunca entusiasmara).
Nesse mundo, não se diz “prendas” mas sempre “presentes”, foge-se ao satânico “vermelho” (que “finamente” se pronuncia “vermâlho”, tal como “joâlho” ou “espâlho”, mas talvez abram uma justificada exceção para “Coelho”) e diz-se “encarnado”, uma “mala” ou uma “bolsa” de mão é sempre e só uma “carteira”, nunca se vai a uma “tourada” mas frequentam-se “corridas (de touros)”, jamais uma bola é batida num “campo de ténis” mas sempre num “court”, nada se pendura numa “cruzeta” mas tudo num “cabide”, não se vai ao “quarto de banho” mas à “casa de banho”, não se comemora um “aniversário” mas os “anos”, como não se vai a um “funeral” mas a um “enterro”, não se habita uma “vivenda” ou mesmo uma “moradia” mas sempre uma “casa”, não se tem um cisco no “olho” mas sim na “vista”, uma “piquena” (nunca, jamais!, uma “pequena”) não põe batom nos “lábios” mas sempre na “boca”, nada é “negro” mas apenas “preto”, não se anda de “automóvel” mas de “carro”, ninguém se despede com um “tchau” mas com um “adeus”, não se põe “pomada” nos sapatos mas “graxa”, não se diz “a minha mãe” mas sempre e só “a mãe”, não se ouve música na “rádio” mas sim na “telefonia”, vai-se à “discoteca” mas à “boîte” só às escondidas, ninguém se “aleija” só se “magoa”, não se veste um “robe” mas um “roupão”, para lavar as mãos é foleiro falar em “sabonete” mas não em “sabão”, nunca se referem os “cortinados” mas só as “cortinas”, uma cor nunca é “lilás” ou “violeta” mas simplesmente “roxo” e só um “brega” pronuncia “sanita” em lugar de (e apenas quando necessário) “retrete”.
“Tá ver?! É fácil!”, explicam elas, com aquela rouquidão que, por um mistério traqueio-social (há quem diga que pode ser efeito dos gelados do Santini), algumas “piquenas bem” adquirem, logo a seguir a Paço d’Arcos – a doutrina divide-se, mas eu defendo, há anos, que é no Alto da Barra que começa a verdadeira fronteira, que se reproduz até uma linha muito irregular, que vai da Malveira da Serra ao Vassoureiro.
Quem se descair e deixar cair, num chá na Garrett do Estoril, um desses impronunciáveis termos, e assim não cumprir esta espécie de “acordo ortográfico social”, passa a ser olhado como alguém fora da tribo, sujeito a uma exclusão fria do grupo. Como quem, como eu, teima sempre em dar às “piquenas” dois beijinhos. Na Bélgica e na Polónia dou mesmo três…
(Nota: a bibliografia recomendada para este tema, diz quem sabe, são as obras completas de Margarida Rebelo Pinto, que a Gallimard, por pura “caturreira”, ainda não colocou na “Pléiade”)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s